fevereiro 28, 2011

*************** HOLLYWOOD NUA E CRUA


"assim estava escrito"
O retrato ácido e crítico da indústria hollywoodiana de cinema marcou positivamente vários filmes ao longo da história. Plenos de observações incisivas - o ambiente das filmagens, o sonho do sucesso, a decadência ou as relações entre os seus profissionais etc. -, no fundo eles levam a cabo uma reflexão inquieta sobre a condição do artista cinematográfico.

Hollywood, Hollywood...
Fabulosa Hollywood...
Babilônia de celulóide
Gloriosa, fascinante...
Cidade delirante,
frívola, séria,
audaz e ambiciosa,
viciada e glamorosa.
Cidade cheia de drama,
miserável e trágica...
inútil, genial
e pretensiosa
Tremenda confusão...
Cobiçada, terrível,
absurda, fenomenal,
falsa e barata,
assombrosamente
esplêndida...
HOLLYWOOD!

(de Don Blanding, interpretado por Leo Carrillo no curta-metragem musical
da Metro-Goldwyn-Mayer, de 1934, “Noites de Estrelas em Cocoanut Grove”)

"o dia do gafanhoto"

OS MELHORES FILMES SOBRE HOLLYWOOD

NASCE UMA ESTRELA
A Star Is Born
(1937)
de William A. Wellman
Com: Janet Gaynor, Fredric March e Adolphe Menjou

gloria swanson e william holden
CREPÚSCULO DOS DEUSES
Sunset Boulevard
(1950)
de Billy Wilder
Com: William Holden, Gloria Swanson e Erich von Stroheim

ASSIM ESTAVA ESCRITO
The Bad and the Beautiful
(1952)
de Vincente Minnelli
Com: Lana Turner, Kirk Douglas,
Walter Pidgeon e Gloria Grahame

gene kelly
CANTANDO NA CHUVA
Singin’in the Rain
(1952)
de Stanley Donen e Gene Kelly
Com: Gene Kelly, Donald O’Connor,
Debbie Reynolds e Jean Hagen

A CONDESSA DESCALÇA
The Barefoot Contessa
(1954)
de Joseph L. Mankiewicz
Com: Humphrey Bogart, Ava Gardner,
Edmond O’Brien e Valentina Cortese

judy garland
NASCE UMA ESTRELA
A Star Is Born
(1954)
de George Cukor
Com: Judy Garland, James Mason e Charles Bickford

A GRANDE CHANTAGEM
The Big Knife
(1955)
de Robert Aldrich
Com: Jack Palance, Ida Lupino,
Rod Steiger e Shelley Winters

A DEUSA
The Goddess
(1958)
de John Cromwell
Com: Kim Stanley e Lloyd Bridges

O ÍDOLO DE CRISTAL
Beloved Infidel
(1959)
de Henry King
Com: Gregory Peck, Deborah Kerr e Eddie Albert

cyd charisse e kirk douglas
A CIDADE DOS DESILUDIDOS
Two Weeks in Another Town
(1962)
de Vincente Minnelli
Com: Kirk Douglas, Edward G. Robinson,
Cyd Charisse e Claire Trevor

À PROCURA DO DESTINO
Inside Daisy Clover
(1965)
de Robert Mulligan
Com: Natalie Wood, Christopher Plummer,
Robert Redford e Ruth Gordon

robert redford
A NOITE DOS DESESPERADOS
They Shoot Horses, Don’t They?
(1969)
de Sydney Pollack
Com: Jane Fonda, Michael Sarrazin,
Susannah York e Gig Young

O DIA DO GAFANHOTO
The Day of Locust
(1975)
de John Schlesinger
Com: Donald Sutherland, Karen Black,
Burgess Meredith e Geraldine Page

O ÚLTIMO MAGNATA
The Last Tycoon
(1976)
de Elia Kazan
Com: Robert De Niro, Tony Curtis, Robert Mitchum,
Jeanne Moreau e Jack Nicholson

O JOGADOR
The Player
(1992)
de Robert Altman
Com: Tim Robbins, Greta Scacchi e Fred Ward

8 comentários:

GIANCARLO TOZZI disse...

Assim Estava Escrito é um dos grandes filmes de Hollywood sobre a produção de filmes, retratando com complexidade a indústria do cinema. Ao contrário de Crepúsculo dos Deuses ou O Dia do Gafanhoto, procura mostrar o lado positivo da meca do cinema, mesmo com conflitos, invejas, jogos de poder e falta de ética profissional. A fauna humana que habita a obra-prima de Minnelli possui acima de tudo criatividade, talento e senso de oportunidade. O grande problema é o choque de egos.
Um filme imperdível, para ser visto e revisto.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

É um dos meus filmes prediletos, Giancarlo. Vi várias vezes, mesmo não gostando dos atores - com exceção de Gloria Grahame. Minnelli é um diretor muito bom, merece ser recordado e admirado.

Luiz Santiago disse...

Agora deu vergonha... Eu não vi metade desses filmes. Meu Deus!!!

Jamil disse...

Tenho uma estima especial por O Ídolo de Cristal, que focaliza os últimos anos da vida de Fitzgerald em Hollywood, tentando trabalhar como roteirista (e não obtendo sucesso algum).O roteiro se baseia no livro escrito por Sheilah Graham, a colunista social que foi o último amor da vida de Fitzgerald e é a personagem de Deborah Kerr. Ela está belíssima, e trabalha bem, assim como Gregory Peck, que está perfeito (e deprimente, merecia uma indicação ao Oscar) nas cenas de bebedeira.
É um filme melancólico e belo. Os críticos não gostaram, ele nem é lembrado por ninguém. Fiquei feliz com seu olhar aguçado.

Parabéns pelo post.
O seu blog é uma das minhas grandes alegrias nos últimos meses.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Considero "O Ídolo de Cristal" um bom filme, Jamil. O Henry King, mesmo em final de carreira, segura a narrativa com competência. Não entendo porque o filme foi tão desprezado. Peck e Kerr estão ótimos, sem contar a química que rola entre eles. A fotografia é incrível. Para mim, ao lado de "A Última Vez que Vi Paris", outra obra que poucos gostam, é um dos melhores momentos do lendário F. Scott Fitzgerald no cinema. King faria pouco tempo depois "Suave é a Noite", adaptado da novela do mestre, mas esse filme já não gosto, acho artificial...

Marcelo C,M disse...

Para mim, CREPÚSCULO DOS DEUSES foi o melhor que soube sintentisar o que é o mundo do cinema para uma pessoa que não pertence mais ao clube dos astros, uma decadencia imediata.

A cena final de Gloria Swanson descendo as escadas completamente fora de si é um dos grandes momentos do cinema.

annastesia disse...

Incrível como Hollywood realizou grandes obras ao expor suas mazelas.
Amo Crepúsculo dos deuses (Billy é perfeito!), Cantando na chuva e Assim estava escrito. Essenciais.
O jogador, A noite dos desesperados, O dia do gafanhoto, A condessa descalça e Nasce uma estrela (as duas versões) também não deixam por menos. E quem ainda não assistiu... não sabe o que está perdendo.
A cidade dos desiludidos e à procura do destino são filmes que me surpreenderam positivamente. Ainda sim, gostei, mas não adorei.
Considero O último magnata um dos filmes mais fracos de Kazan.
E preciso assistir A deusa e A grande chantagem.

Anônimo disse...

Assisti a todos, são excelentes. Acho Crepúsculo dos Deuses um filme marcante, mostra a realidade nua e crua da decadência de uma estrela.