abril 12, 2018

** 15 FILMES - O ETERNO CHARME de RICHARD GERE



Altura: 1,78 m
Cor dos olhos: marron claro
Cor do cabelo: castanho
Peso: 76 Kg

Conhecido por sucessos extraordinários como “Gigolô Americano”, “A Força do Destino”, “Uma Linda Mulher” e “Chicago”, o sex symbol RICHARD GERE (31 de agosto de 1949. Filadélfia, Pensilvânia, EUA) declarou em recente entrevista: “Depois do American Gigolo minha vida mudou e foi maravilhosa e difícil. Eu era jovem e de repente as pessoas sabiam quem eu era. Eu só queria trabalhar. Eu não penso em mim como ‘rico e famoso’. Eu simplesmente não estou interessado nisso.”

Budista há 25 anos, o carismático ator está envolvido em causas pela proteção do Tibete, é amigo pessoal de Dalai Lama e após duas décadas de jornadas na China, Nepal, Mongólia e Tibete, lançou um livro de fotografias que tirou nestas viagens. Ele tornou-se vegetariano e está ligado a manifestações ligadas à paz, aos direitos humanos e dos animais.

Criado numa fazenda até ganhar uma bolsa de estudos para estudar filosofia na Universidade de Massachusetts, RICHARD GERE começou sua carreira na Broadway e, nos cinemas, sua primeira participação foi em “Perigos / Report to the Commissioner” (1975), tornando-se um astro em 1980 no papel-título do drama “Gigolô Americano”. Antes de começar a atuar, fez parte de diversas bandas de rock.

Na juventude, teve sorte ao protagonizar bons filmes rejeitados por John Travolta. Experimentou também uma fileira de fracassos cinematográficos. Foi casado com as modelos Cindy Crawford e Carey Lowell, e teve com esta última um filho, Homer James Jigme Gere, em 2000. Além dos casamentos oficiais, viveu um conhecido romance com a artista plástica brasileira Sylvia Martins, nos anos 80. “Estive algumas vezes no Brasil e adorei. Tenho bons amigos lá”, disse em entrevista.

Concorreu a quatro Globos de Ouro, ganhando um deles, em 2002, por “Chicago”. RICHARD GERE nunca foi indicado ao Oscar, não se rendeu ao cinema de ação nem teve uma série de TV. O seu talento sempre foi eclipsado por sua beleza e charme. Uma grande injustiça, pois o galã já provou diversas vezes sua capacidade dramática e cômica.

Entre 51 filmes de sua versátil e atraente filmografia, o blog “O Falcão Maltês” escolheu quinze, por ordem de lançamento. Confira!

01
Tony em
À PROCURA de MR. GOODBAR
(Looking for Mr. Goodbar, 1977)

direção de Richard Brooks

Baseado em uma história real. Durante o dia, professora católica fervorosa (excelente Diane Keaton) dá aula para crianças surdas, sendo considerada um modelo de bom comportamento. À noite, assume sua compulsão por sexo, frequentando bares de Nova York em busca de parceiros. Volta para casa sempre acompanhada de desconhecidos, um dos quais seria o responsável por seu trágico assassinato.

Assustador, estranho e cru, o drama mostra o lado mais escuro de encontros ocasionais sexuais. Aos 28 anos, Gere faz um dos amantes da professora, revelando desde já seu charme imbatível. Boa fotografia em tons escuros e trilha sonora composta por clássicos da disco music.

02
Bill em
CINZAS no PARAÍSO
(Days of Heaven, 1978)

direção de Terrence Malick

Sem dinheiro ou mesmo morada fixa, o personagem de RICHARD GERE e a namorada, Abby (Brooke Adams), partem de Chicago ao Texas para trabalhar numa fazenda. O patrão, portador de uma doença terminal, apaixona-se pela jovem, algo que o casal vê como oportunidade. Fingindo-se irmãos, eles levam a mentira às últimas consequências. O ator se sobressai pela força de seu protagonista em um choque violento de emoções. A beleza plástica da fotografia de Néstor Almendros foi premiada com o Oscar.

03
Julian Kay em
GIGOLÔ AMERICANO
(American Gigolo, 1980)

direção de Paul Schrader

Na história de sexo e política, Gere interpreta um personagem que leva uma vida luxuosa em Los Angeles, trabalhando como acompanhante de mulheres ricas. Sua rotina é abalada por dois acontecimentos: o relacionamento afetivo que começa a desenvolver com Michelle (Lauren Hutton), esposa de um senador, e a acusação do assassinato de uma de suas clientes. Sem poder revelar muito sobre as suas práticas pela natureza do próprio trabalho, ele começa a suspeitar que está sendo incriminado.

Influenciado por Robert Bresson, Schrader filma essa mistura de drama e suspense com uma frieza refinada, retratando um universo de jogos de aparências. Trafegando por meios em que a opulência é regra, o garoto de programa Julian Kay cheira cocaína, topa fazer sexo sadomasoquista e ganha a vida transando com socialites e esposas de políticos. Dentro deste cenário, o ator representa com brilho o homem que por trás do charme carrega doses de fragilidade e solidão. Além de tornar Gere um astro, o filme ficou marcado pelos ternos Armani impecáveis, carros de luxo, a trilha sonora de Giorgio Moroder e a canção “Call me”, do Blondie. 

04
Zack Mayo em
A FORÇA do DESTINO
(An Officer and a Gentleman, 1982)

direção de Taylor Hackford

A história centraliza-se no rebelde Zack Mayo (RICHARD GERE, em papel planejado para John Travolta, que por acabou por desistir pouco antes das filmagens) que viveu sua adolescência entre prostitutas e brigas nas ruas de Filipinas. Ele decide mudar sua vida tornando-se um oficial da marinha. Para isto passa por um difícil curso preparatório de 13 semanas comandado pelo durão sargento Emil Foley, vivido pelo excelente Louis Gosset Jr (Oscar de Melhor Ator Codjuvante).

Neste curso, ele aprende a importância da disciplina, do amor e da amizade. Debra Winger faz Paula, seu grande amor. O filme recebeu vários prêmios e Gere concorreu ao Globo de Ouro de Melhor Ator-Drama. É um longa emocionante, que une uma história de romance, amizade e amadurecimento, demonstrando a força da superação e a vitória da persistência. Destaque para a famosa “Up Where We Belong”, vencedora do Oscar de Melhor Canção.

05
Jesse Lujack em
A FORÇA de um AMOR
(Breathless, 1983)

direção de Jim McBride

Refilmagem de “Acossado”, famoso clássico francês de Jean-Luc Godard. No auge da fama de símbolo sexual, RICHARD GERE em excelente interpretação faz um foragido da polícia vidrado no roqueiro Jerry Lee Lewis e nos quadrinhos do “Surfista Prateado”. Durante uma perseguição de carros, ele mata acidentalmente um policial e começa uma fuga na direção da fronteira do México, com a namorada, a sensual francesa Valérie Kaprisky, estudante de arquitetura que ele acaba de conhecer em Las Vegas. Na maior parte das bonitas cenas, apresenta o ardente casal em movimentadas aventuras. Incompreendido, é um filme inovador e acima da média.

06
Dixie Dwyer em
COTTON CLUB
(The Cotton Club, 1984)

direção de Francis Ford Coppola

Misto de musical e filmes de gangsters durante a Grande Depressão. No centro, Dixie Dwyer (RICHARD GERE), trompetista que salva a vida de um gangster judeu, recebendo em troca um emprego no badalado clube noturno do título, no Harlem. No local, conhece a sedutora cantora Vera (Diane Lane), com quem tem um romance. A relação do casal é explosiva, entre brigas e momentos de carinho e paixão. Eles voltariam a atuar duas décadas depois em “Infidelidade” (2002) e “Noites de Tormenta” (2008). Entre o fascínio do jazz e a violência, não fez o sucesso prometido, mas é uma agradável produção para quem gosta de jazz e crimes. Gere faz um belo trabalho.

07
Pete St. John em
Os DONOS do PODER
(Power, 1986)

direção de Sidney Lumet

O que faz a fama e a fortuna de Pete St. John (RICHARD GERE), um especialista em campanhas políticas vitoriosas, é a atração irresistível que o poder exerce sobre as pessoas. Wilfred Buckley (Gene Hackman), seu amigo e mentor de ofício, só trabalha para candidatos com os quais se identifique politicamente. Já Pete é capaz de trabalhar para qualquer um. Durante campanha para um senador, ele descobre tramas escandalosas. Descobre também que está sendo usado por gente mais esperta do que ele. Termina por ceder às pressões de Wilfred e de sua ex-esposa e repórter do Washington Post, Ellen Freeman (Julie Christie), passando a investigar as circunstâncias que levaram um senador à misteriosa renúncia. No extraordinário elenco, Denzel Washington, E.G. Marshall e Beatrice Straight.

08
Eddie Jillette em
SEM PERDÃO
(No Mercy, 1986)

direção de Richard Pearce

Eddie Jillette (Gere), um policial de Chicago, viaja para Nova Orleans para vingar o assassinato de seu parceiro, mas acaba descobrindo a existência de um complô que mascara as atividades de ricaços descendentes de franceses. Kim Basinger interpreta Michel Duval, que faz a ligação entre o mocinho e o vilão. Neste empolgante policial, o ator num papel durão e Basinger no auge de sua sensualidade. Boa trama com um desfecho tenso.

09
Edward Lewis em
Uma LINDA MULHER
(Pretty Woman, 1990)

direção de Garry Marshall

Concebido para ser um drama, foi reformulado quando caiu nas mãos do diretor Marshall e se tornou uma comédia romântica. Na história simples, um ricaço (RICHARD GERE) encontra uma prostituta (Julia Roberts) no Hollywood Boulevard e a leva para um hotel. Ele se encanta pela moça e acaba contratando-a como companhia pelos próximos dias. Julia Roberts brilha com sua mais que carismática Vivian Ward, mas a personagem não seria tão interessante sem um contraponto como Edward Lewis.

Graças à sensibilidade colocada no personagem de Gere, suas dúvidas, seu jeito tímido e a química com sua parceira, é que o filme nos conquista. O ator recebeu uma indicação ao Globo de Ouro. “Uma Linda Mulher” emociona e diverte. Mérito de seu realizador, de um galã bonitão e de um sorriso feminino que se tornaria lendário.

10
Dennis Peck em
JUSTIÇA CEGA
(Internal Affairs, 1990)

direção de Mike Figgis

Dennis Peck (Gere) é um policial de Los Angeles que sabe o caminho para burlar a lei, e, por isso, o investigador Raymond Avilla (excelente Andy Garcia) recebe a missão de arrastá-lo aos tribunais, a fim de que o faça pagar pelos seus crimes. Porém, ele não vai se entregar facilmente, fazendo de tudo para se livrar das grades. O conflito selvagem entre os dois policiais é tenso e implacável. RICHARD GERE faz um tira sedutor, corrupto e cínico com garra.

11
Jack em
SOMMERSBY – O RETORNO de um ESTRANHO
(Sommersby, 1993)

direção de Jon Amiel

Adaptação do francês “O Retorno de Martin Guerre / Le Retour de Martin Guerre” (1982), de Daniel Vigne. Gere interpreta um militar dado como morto na Guerra Civil norte-americana. Depois de seis anos, ele retorna ao lar. Sua mulher Laurel (Jodie Foster) fica em dúvida se é mesmo o homem com quem casara, já que seu marido era rude e o que retornou é gentil e dedicado. Teria a guerra o transformado tanto assim ou seria um impostor? O amor cresce na mesma proporção que as suspeitas. Se ele não é o mesmo com quem se casou, ela sabe que este é o homem que sempre sonhou. A dupla central rende bonitas atuações nesta história de paixão e mistério.

12
Martin Vail em
As DUAS FACES de um CRIME
(Primal Fear, 1996)

direção de Gregory Hoblit

Esta produção é mais lembrada por revelar Edward Norton, que logo em sua estreia rouba as cenas em que aparece. Mas é inegável que RICHARD GERE tem uma expressiva atuação como o arrogante advogado Martin Vail, que adora aparecer e parece trabalhar mais pela fama que seus casos podem lhe trazer. Ao defender o coroinha Aaron Stampler (Norton), acusado de assassinar um adorado arcebispo, vemos o desenrolar de um thriller inteligente e com boas surpresas, onde o ator encarna convincentemente o ego do protagonista, que aos poucos passa a se preocupar com o caso que tem em mãos ao invés de apenas com sua imagem.

13
Declan Mulqueen em
O CHACAL
(The Jackal, 1997)

direção de Michael Caton-Jones

Um famoso terrorista e assassino (Bruce Willis) é contratado por setenta milhões de dólares para cometer o assassinato de um influente político norte-americano. Os órgãos de segurança dos EUA descobrem o complô, mas se equivocam quanto a vítima, protegendo a pessoa errada. No entanto, existe um preso, membro do IRA (Gere), que é a única pessoa que conhece o rosto deste frio e temível matador de aluguel e tem motivos particulares para ajudar na perseguição.

14
Billy Flynn em
CHICAGO
(Idem, 2002)

direção de Rob Marshall

Um musical primoroso, mordaz e satírico. Entre a realidade e a fantasia, são 113 minutos de prazer. O teatro musical invade uma prisão para mulheres onde a sonhadora Roxie (Renée Zellweger) se encontra com Velma (Catherine Zeta-Jones) e outras tantas assassinas de maridos e amantes. Zellweger, Zeta-Jones e RICHARD GERE têm desempenhos primorosos. O advogado porta de cadeia charmoso é um marco na carreira do ator. Astuto, esperto, safado, dinheirista e competente, ele investe no sensacionalismo e se destaca em cena. Ganhou o Globo de Ouro.

15
Robert Miller em
A NEGOCIAÇÃO
(Arbitrage, 2012)

direção de Nicholas Jarecki

O empresário Robert Miller (Gere) é um embusteiro. Trai a mulher, Ellen (Susan Sarandon), com uma amante francesa (Laetitia Casta) e mexe nos números de suas firmas, com o propósito de vendê-las a um grande banco. Tentando manter as aparências, se vê encurralado pela pressão exercida por sua esposa, pela filha contadora e também por sua amante. O ator é a personificação da ambiguidade moral na pele de um personagem que mantêm ocultas suas imprudências fiscais a fim de preservar o alto estilo da vida que leva. Numa de suas mais bonitas performances, RICHARD GERE traduz com competência essas lacunas éticas no caráter do bem-sucedido enganador.


março 10, 2018

***************** As DUPLAS ROMÂNTICAS - PARTE I



Ao longo da história, a indústria cinematográfica juntou duplas lendárias cuja química arrebatou o público, além de valorizar o amor romântico e os mais absurdos enredos nas telas. Engrenagem fundamental de inúmeras produções, garantindo sucessos de bilheteira, elas constituíram uma das características do star system, nos anos dourados do cinema, representando a união de estrelas carismáticas e apaixonantes.

Recordo aqui as principais DUPLAS ROMÂNTICAS e seus filmes. Essas combinações mágicas incendiaram as telas e os corações de milhares de fãs de todo o mundo. A pesquisa, evidentemente, não é completa, e levou em conta principalmente os pares que fizeram quatro ou mais filmes juntos, abrindo exceção para Doris Day e Rock Hudson, que trabalharam em apenas três comédias e causaram forte impacto.

Qual seria a mais bem sucedida de todos os tempos? É uma questão pessoal. Listo 48, divididas em duas postagens. A decisão final é sua.

ALICE TERRY e RAMON NOVARRO
05 filmes, de 1922 a 1927

O PRISIONEIRO DE ZENDA
(The Prisoner of Zend, 1922)
direção de Rex Ingram

 WHERE THE PAVEMENT ENDS
(1922)
direção de Rex Ingram

SCARAMOUCHE
(Idem, 1923)
direção de Rex Ingram

O ÁRABE ARISTOCRATA
(The Arab, 1924)
direção de Rex Ingram

AMANTES
(Lovers?, 1927)
direção de John M. Stahl

BETTE DAVIS e GEORGE BRENT
10 filmes, de 1932 a 1942

NO PALCO DA VIDA
(So Big!, 1932)
direção de William A. Wellman

DONA DE CASA
(Housewife, 1934)
direção de Alfred E. Green

MISS REPÓRTER
(Front Page Woman, 1935)
direção de Michael Curtiz

NAS GARRAS DA LEI
(Special Agent, 1935)
direção de William Keighley

A FLECHA DE OURO
(The Golden Arrow, 1936)
direção de Alfred E. Green

JEZEBEL
(Idem, 1938)
direção de William Wyler

VITÓRIA AMARGA
(Dark Victory, 1939)
direção de Edmund Goulding

EU SOUBE AMAR
(The Old Maid, 1939)
direção de Edmund Goulding

A GRANDE MENTIRA
(The Great Lie, 1941)
direção de Edmund Goulding

NASCIDA PARA O MAL
(In This Our Life, 1942)
direção de John Huston

CATHERINE DENEUVE e GÉRARD DEPARDIEU
08 filmes, de 1980 a 2017

O ÚLTIMO METRÔ
(Le Dernier Metro, 1980)
direção de François Truffaut

JE VOUS AIME
(Idem, 1980)
direção de Claude Berri

FORTE SAGANNE
(Idem, 1984)
direção de Alain Corneau

AS CENTO E UMA NOITES
(1995)
direção de Agnès Varda

TEMPOS QUE MUDAM
(2004)
direção de André Téchiné

POTICHE - ESPOSA TROFÉU
(Potiche, 2010)
direção de François Ozon

ASTÉRIX E OBÉLIX: A SERVIÇO DE SUA MAJESTADE
(Astérix & Obélix: Au Service de sa Majesté, 2012)
direção de Laurent Tirard

BONNE POMME
(2017)
direção de Florence Quentin

CLAUDETTE COLBERT e FRED MacMURRAY
07 filmes, de 1935 a 1948

O LÍRIO DOURADO
(The Gilded Lily, 1935)
direção de Wesley Ruggles

ROUBADA DO ALTAR
(The Bride Comes Home, 1935)
direção de Wesley Ruggles

A DONZELA DE SALEM
(Maid of Salem, 1937)
direção de Frank Lloyd

SEM TEMPO PARA AMAR
(No Time for Love, 1943)
direção de Mitchell Leisen

ADORÁVEL ENGANO
(Practically Yours, 1944)
direção de Mitchell Leisen

O OVO E EU
(The Egg and I, 1947)
direção de Chester Erskine

LUA DE MEL COM PIMENTA
(Family Honeymoon, 1948)
direção de Claude Binyon

CYD CHARISSE e GENE KELLY
05 filmes, de 1948 a 1955

MINHA VIDA É UMA CANÇÃO
(Words and Music, 1948)
direção de Norman Taurog

CANTANDO NA CHUVA
(Singin' in the Rain, 1952)
direção de Stanley Donen e Gene Kelly

A LENDA DOS BEIJOS PERDIDOS
(Brigadoon, 1954)
direção de Vincente Minnelli

BEM NO MEU CORAÇÃO
(Deep in My Heart, 1954)
direção de Stanley Donen

DANÇANDO NAS NUVENS
(It's Always Fair Weather, 1955)
direção de Stanley Donen e Gene Kelly

DEBORAH KERR e ROBERT MITCHUM
04 filmes, de 1957 a 1985

O CÉU É TESTEMUNHA
(Heaven Knows, Mr. Allison, 1957)
direção de John Huston

PEREGRINO DA ESPERANÇA
(The Sundowners, 1960)
direção de Fred Zinnemann

DO OUTRO LADO, O PECADO
(The Grass Is Greener, 1960)
direção de Stanley Donen

REUNION AT FAIRBOROUGH
(Idem, 1985)
direção de Herbert Wise

DIANE KEATON e WOODY ALLEN
06 filmes, de 1972 a 1978

SONHOS DE UM SEDUTOR
(Play It Again, Sam, 1972)
direção de Herbert Ross

O DORMINHOCO
(Sleeper, 1973)
direção de Woody Allen

A ÚLTIMA NOITE DE BORIS GRUSHENKO
(Love and Death, 1975)
direção de Woody Allen

NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA
(Annie Hall, 1977)
direção de Woody Allen

MANHATTAN
(Idem, 1978)
direção de Woody Allen

UM MISTERIOSO ASSASSINATO EM MANHATTAN
(Manhattan Murder Mystery, 1993)
direção de Woody Allen

DOLORES DEL RIO e PEDRO ARMENDARIZ
07 filmes, de 1943 a 1958

FLOR SILVESTRE
(Idem, 1943)
direção de Emilio Fernández

MARIA CANDELÁRIA
(Idem, 1944)
direção de Emilio Fernández

CORAÇÃO TORTURADO
(Bugambilia, 1945)
direção de Emilio Fernández

AS ABANDONADAS
(Las Abandonadas, 1945)
direção de Emilio Fernández

DOMÍNIO DE BÁRBAROS
(The Fugitive, 1947)
direção de John Ford

CORAÇÃO TORTURADO
(La Malquerida, 1949)
direção de Emilio Fernández

LA CUCARACHA
(Idem, 1958)
direção de Ismael Rodríguez

DORIS DAY e ROCK HUDSON
03 filmes, de 1959 a 1964

CONFIDÊNCIAS À MEIA-NOITE
(Pillow Talk, 1959)
direção de Michael Gordon

VOLTA MEU AMOR
(Lover Come Back , 1961)
direção de Delbert Mann

NÃO ME MANDEM FLORES
(Send Me no Flowers, 1964)
direção de Norman Jewison

DOROTHY LAMOUR e BING CROSBY
11 fimes, de 1940 a 1962

A SEREIA DAS ILHAS
(Road to Singapore, 1940)
direção de Victor Schertzinger

TENTAÇÃO DE ZANZIBAR
(Road to Zanzibar, 1941)
direção de Victor Schertzinger

A SEDUÇÃO DE MARROCOS
(Road to Morocco, 1942)
direção de David Butler

COQUETEL DE ESTRELAS
(Star Spangled Rhythm, 1942)
direção de George Marshall

A CANÇÃO DE DIXIE
(Dixie, 1943)
direção de A. Edward Sutherland

DOIS MALANDROS E UMA GAROTA
(Road to Utopia, 1945)
direção de Hal Walker

CARNAVAL DE ESTRELAS
(Duffy`s Tavern, 1945)
direção de Hal Walker

A CAMINHO DO RIO
(Road to Rio, 1948)
direção de Norman Z. McLeod

ORFÃS DA TEMPESTADE
(Here Comes the Groom, 1951)
direção de Frank Capra

DE TANGA E SARONGUE
(Road to Bali, 1952)
direção de Hal Walker

DOIS ERRADOS NO ESPAÇO
(The Road to Hong Kong, 1962)
direção de Norman Panama

ELIZABETH TAYLOR e RICHARD BURTON
11 filmes, de 1963 a 1973

GENTE MUITO IMPORTANTE
(The V.I.P.s, 1963)
direção de Anthony Asquith

CLEÓPATRA
(Cleopatra, 1963)
direção de Joseph L. Mankiewicz

ADEUS ÀS ILUSÕES
(The Sandpiper, 1965)
direção de Vincente Minnelli

QUEM TEM MEDO DE VIRGÍNIA WOOLF?
(Who's Afraid of Virginia Woolf?, 1966)
direção de Mike Nichols

A MEGERA DOMARA
(The Taming of the Shrew, 1967)
direção de Franco Zefirelli

DOUTOR FAUSTUS
(Doctor Faustus, 1967)
direção de Richard Burton e Nevill Coghill

OS FARSANTES
(The Comedians, 1967)
direção de Peter Glenville

O HOMEM QUE VEIO DE LONGE
(Boom, 1968)
direção de Joseph Losey

SOB O BOSQUE DE LEITE
(Under Milk Wood, 1972)
direção de Andrew Sinclair

UNIDOS PELO MAL
(Hammersmith Is Out, 1972)
direção de Peter Ustinov

DIVÓRCIO DELE, DIVÓRCIO DELA
(Divorce His - Divorce Hers, 1973)
direção de Waris Hussein

GENE TIERNEY e DANA ANDREWS
05 filmes, de 1941 a 1950

CAMINHO ÁSPERO
(Tobacco Road, 1941)
direção de John Ford

FORMOSA BANDIDA
(Belle Starr, 1941)
direção de Irving Cummings

LAURA
(Idem, 1944)
direção de Otto Preminger

A CORTINA DE FERRO
(The Iron Curtain, 1948)
direção de William A. Wellmann

PASSOS NA NOITE
(Where the Sidewalk Ends, 1950)
direção de Otto Preminger

GINGER ROGERS e FRED ASTAIRE
10 filmes, de 1933 a 1949

VOANDO PARA O RIO
(Flying Down to Rio, 1933)
direção de Thornton Freeland

A ALEGRE DIVORCIADA
(The Gay Divorcee, 1934)
direção de Mark Sandrich

ROBERTA
(Idem, 1935)
direção de William A. Seiter

O PICOLINO
(Top Hat, 1935)
direção de Mark Sandrich

NAS ÁGUAS DA ESQUADRA
(Follow the Fleet , 1936)
direção de Mark Sandrich

RITMO LOUCO
(Swing Time, 1936)
direção de George Stevens

VAMOS DANÇAR
(Shall We Dance, 1937)
direção de Mark Sandrich

DANCE COMIGO
(Carefree, 1938)
direção de Mark Sandrich

A HISTÓRIA DE VERNON E IRENE CASTLE
(The Story of Vernon and Irene Castle, 1939)
direção de H. C. Potter

CIÚME, SINAL DE AMOR
(The Barkleys of Broadway, 1949)
direção de Charles Walters

GREER GARSON e WALTER PIDGEON
08 filmes, de 1941 a 1953

FLORES DO PÓ
(Blossoms in the Dust, 1941)
direção de Mervyn LeRoy

ROSA DE ESPERANÇA
(Mrs. Miniver, 1942)
direção de William Wyler

MADAME CURIE
(Idem, 1943)
direção de Mervyn LeRoy

MRS. PARKINGTON, A MULHER INSPIRAÇÃO
(Mrs. Parkington, 1944)
direção de Tay Garnett

TRAVESSURAS DE JULIA
(Julia Misbehaves, 1948)
direção de Jack Conway

A GLÓRIA DE AMAR
(That Forsyte Woman, 1949)
direção de Compton Bennett

ROMANCE DE UMA ESPOSA
(The Miniver Story, 1950)
direção de H.C. Potter

O MARIDO DE MAMÃE
(Scandal at Scourie, 1953)
direção de Jean Negulesco

GRETA GARBO e JOHN GILBERT
04 filmes, de 1926 a 1933

A CARNE E O DIABO
(Flesh and the Devil, 1926)
direção de Clarence Brown

ANNA KARENINA
(Love, 1927)
direção de Edmund Goulding

MULHER DE BRIO
(A Woman of Affairs, 1928)
direção de Clarence Brown

RAINHA CRISTINA
(Queen Christina, 1933)
direção de Rouben Mamoulian

JANE FONDA e ROBERT REDFORD
04 filmes, de 1966 a 2017

CAÇADA HUMANA
(The Chase, 1966)
direção de Arthur Penn

DESCALÇOS NO PARQUE
(Barefoot in the Park, 1967)
direção de Gene Saks

O CAVALEIRO ELÉTRICO
(The Electric Horseman, 1979)
direção de Sydney Pollack

 NOSSAS NOITES
(Our Souls at Night, 2017)
direção de Ritesh Batra

JANET GAYNOR e CHARLES FARRELL
12 filmes, de 1927 a 1934

SÉTIMO CÉU
(7th Heaven, 1927)
direção de Frank Borzage

O ANJO DAS RUAS
(Street Angel, 1928)
direção de Frank Borzage

ESTRELA DITOSA
(Lucky Star, 1929)
direção de Frank Borzage

UM SONHO QUE VIVEU
(Sunnyside Up, 1929)
direção de David Butler

DIAS FELIZES
(Happy Days, 1930)
direção de Benjamin Stoloff

TRISTEZAS DA ARISTOCRACIA
(High Society Blues, 1930)
direção de David Butler

DIVINO PECADO
(The Man Who Came Back, 1931)
direção de Raoul Walsh

MARY ANN
(Merely Mary Ann, 1931)
direção de Henry King

DELICIOSA
(Delicious, 1931)
direção de David Butler

CASAR É ASSIM
(The First Year, 1932)
direção de William K. Howard

BORRASCA
(Tess of the Storm Country, 1932)
direção de Alfred Santell

O SEU PRIMEIRO AMOR
(Change of Heart, 1934)
direção de John G. Blystone

JANET LEIGH e TONY CURTIS
05 filmes, de 1953 a 1960

HOUDINI, O HOMEM MIRACULOSO
(Houdini, 1953)
direção de George Marshall

O ESCUDO NEGRO DE FALWORTH
(The Black Shield of Falworth, 1954)
direção de Rudolph Maté

VIKINGS, OS CONQUISTADORES
(The Vikings, 1958)
direção de Richard Fleischer

DE FOLGA PARA AMAR
(The Perfect Furlough, 1958)
direção de Blake Edwards

QUEM ERA AQUELA PEQUENA?
(Who Was That Lady?, 1960)
direção de George Sidney

JEAN HARLOW e CLARK GABLE
05 filmes, de 1932 a 1937

TERRA DE PAIXÃO
(Red Dust, 1932)
direção de Victor Fleming

PARA AMAR E SER AMADA
(Hold Your Man, 1933)
direção de Sam Wood

MARES DA CHINA
(China Seas, 1935)
direção de Tay Garnett

CIÚMES
(Wife vs. Secretary, 1936)
direção de Clarence Brown

SARATOGA
(Idem, 1937)
direção de Jack Conway

JEANETTE MACDONALD e NELSON EDDY
08 filmes, de 1935 a 1942

OH, MARIETA!
(Naughty Marietta, 1935)
direção de W.S. Van Dyke e Robert Z. Leonard

ROSE MARIE
(Idem, 1936)
direção de W.S. Van Dyke

PRIMAVERA
(Maytime, 1937)
direção de Robert Z. Leonard

A PRINCESA DO ELDORADO
(The Girl of the Golden West, 1938)
direção de Robert Z. Leonard

CANÇÃO DE AMOR
(Sweethearts, 1938)
direção de W.S. Van Dyke

LUA NOVA
(New Moon, 1940)
direção de W.S. Van Dyke e Robert Z. Leonard

DIVINO TORMENTO
(Bitter Sweet, 1940)
direção de W.S. Van Dyke

CASEI COM UM ANJO
(I Married an Angel, 1942)
direção de W.S. Van Dyke

JENNIFER JONES e JOSEPH COTTEN
04 filmes, de 1944 a 1948

DESDE QUE PARTISTE
(Since You Went Away, 1944)
direção de John Cromell

UM AMOR EM CADA VIDA
(Love Letters, 1945)
direção de William Dieterle

DUELO AO SOL
(Duel in the Sun, 1946)
direção de King Vidor

O RETRATO DE JENNIE
(Portrait of Jennie, 1948)
direção de William Dieterle

JOAN BLONDELL e JAMES CAGNEY
07 filmes, de 1930 a 1934

SINNER`S HOLLIDAY
(Idem, 1930)
direção de ohn G. Adolfi

MULHER DO OUTRO
(O’thers Men Women, 1931)
direção de William A. Wellman

INIMIGO PÚBLICO
(The Public Enemy, 1931)
direção de William A. Wellman

TRAVESSURAS DE UMA LOURA
(Blonde Crazy, 1931)
direção de Roy Del Ruth

DELIRANTE
(The Crowd Roars, 1932)
direção de Howard Hawks

BELEZAS EM REVISTA
(Footlight Parade, 1933)
direção de Lloyd Bacon

O HOMEM QUE EU PERDI
(He Was Her Man, 1934)
direção de Lloyd Bacon

JOAN CRAWFORD e CLARK GABLE
08 filmes, de 1931 a 1940

QUANDO O MUNDO DANÇA
(Dance, Fools, Dance, 1931)
direção de Harry Beaumont

ALMAS PECADORAS
(Laughing Sinners, 1931)
direção de Harry Beaumont

POSSUÍDA
(Possessed, 1931)
direção de Clarence Brown

AMOR DE DANÇARINA
(Dancing Lady, 1933)
direção de Robert Z. Leonard

ACORRENTADA
(Chained, 1934)
direção de Clarence Brown

QUANDO O DIABO ATIÇA
(Forsaking All Others, 1934)
direção de W.S. Van Dyke

DO AMOR NINGUÉM FOGE
(Love on the Run, 1936)
direção de W.S. Van Dyke

ALMAS REBELDES
(Strange Cargo, 1940)
direção de Frank Borzage

JOANNE WOODWARD e PAUL NEWMAN
10 filmes, de 1958 a 1990

O MERCADOR DE ALMAS
(The Long, Hot Summer, 1958)
direção de Martin Ritt

A DELÍCIA DE UM DILEMA
(Rally 'Round the Flag, Boys!, 1958)
direção de Leo McCarey

PAIXÕES DESENFREADAS
(From the Terrace, 1960)
direção de Mark Robson

PARIS VIVE À NOITE
(Paris Blues, 1961)
direção de Martin Ritt

AMOR DAQUELE JEITO
(A New Kind of Love, 1963)
direção de Melville Shavelson

500 MILHAS
(Winning, 1969)
direção de James Goldstone

A SALA DOS ESPELHOS
(WUSA, 1970)
direção de Stuart Rosenberg

A PISCINA MORTAL
(The Drowning Pool, 1975)
direção de Stuart Rosenberg

MEU PAI, ETERNO AMIGO
(Harry & Son, 1984)
direção de Paul Newman

CENAS DE UMA FAMÍLIA
(Mr. & Mrs. Bridge, 1990)
direção de James Ivory

JUDY GARLAND e MICKEY ROONEY
10 filmes, de 1937 a 1948

MENINO DE OURO
(Thoroughbreds Don't Cry, 1937)
direção de Alfred E. Green

O AMOR ENCONTRA ANDY HARDY
(Love Finds Andy Hardy, 1938)
direção de George B. Seitz

SANGUE DE ARTISTA
(Babes in Arms, 1939)
direção de Busby Berkeley

ANDY HARDY E A GRÃ-FINA
(1940)
direção de

O REI DA ALEGRIA
(Strike Up the Band, 1940)
direção de Busby Berkeley

ANDY HARDY CAVA A VIDA
(Life Begins for Andy Hardy, 1941)
direção de George B. Seitz

CALOUROS NA BROADWAY
(Babes on Broadway, 1941)
direção de Busby Berkeley

LOUCO POR SAIAS
(Girl Crazy, 1943)
direção de Norman Taurog e Busby Berkeley

A FILHA DO COMANDANTE
(Thousands Cheer, 1943)
direção de George Sidney

MINHA VIDA É UMA CANÇÃO
(Words and Music, 1948)
direção de Norman Taurog