dezembro 03, 2016

*********** MARLENE DIETRICH – A DIVA INSPIRAÇÃO


“Na vida real, a maioria dos atores de cinema é uma decepção. Eu, por outro lado, sou melhor na vida real do que no cinema.”
MARLENE DIETRICH


Ela é um ícone do século 20, uma das mais famosas representantes da Era de Ouro de Hollywood. Dona de uma voz singular e de um corpo escultural, ela lançava moda, era corajosa e ousada, sensual e misteriosa. Deixou meio mundo apaixonado ao interpretar a cantora de cabaré Lola-Lola no clássico “O Anjo Azul”, em 1930, lançando-se numa celebrada carreira internacional. Oitenta e seis anos passados, ainda existe um grande fascínio por MARLENE DIETRICH (1901 - 1992). O legado da sereia alemã permanece: é usada como referência nos dias de hoje por cantoras e atrizes. Não sei que idade eu tinha ao vê-la pela primeira vez. Atravessava a fase da inocência, viciado em longas dublados na tevê, após a meia-noite, horário dos clássicos naquele tempo. Tive a sorte de conhecê-la no thriller “Testemunha de Acusação”, de Billy Wilder. A Christine criada por Agatha Christie é a sua melhor atuação, embora a beleza indomável sem frescor denuncie a meia-idade.

Hipnotizado pelo magnetismo do espetacular animal cujas escamas brilham dia e noite, fixei-me nos grandes olhos gélidos, no sorriso astuto e sobrancelhas desenhadas. Passei a garimpar seus filmes, entre eles, os sete rodados pelo seu mentor e amante Josef von Sternberg. Em “O Anjo Azul”, de meias provocantes e liga, na famosa cena na qual canta “Estou Pronta para o Amor da Cabeça aos Pés”, exibindo suas longas pernas, é lembrada como uma das mais antológicas do cinema. Trabalhou em dezenas de filmes durante seis décadas, muitos deles dirigidos por reconhecidos mestres como Ernst Lubitsch, Rouben Mamoulian, Jacques Feyder, Raoul Walsh, Billy Wilder, René Clair, Alfred Hitchcock, Fritz Lang e Orson Welles.

Li autobiografias que pouco revelam, mentiras escritas como se fossem verdade; e biografias que tentam, honestamente, narrar sua trajetória espetacular. Mas o enigma da diva permanece intacto. De férias em Paris, visitei o majestoso prédio onde morava, na Avenida Montaigne. Tempos depois, caiu em minhas mãos o documentário Marlene (1984) dirigido pelo ator alemão Maximilian Schell, parceiro de elenco em “Julgamento em Nuremberg”. Na época, não engoli as declarações amargas de sua filha Maria, na BBC, denunciado amargamente uma MARLENE DIETRICH fria, calculista, temperamental e violenta. Mergulhando na experiência da beleza dilacerante, terminei por idealizá-la a tudo o que convém à promoção do encantamento. Armadilhas amorosas, perfídias, sensualidade, neurônios acesos, jogos sexuais, álcool e cigarro. A estrela símbolo da emancipação da mulher moderna. A vênus loira que fazia homens e mulheres de gato e sapato.

marlene, a filha maria e o marido rudolf
O começo da carreira foi duro. Inicialmente, dançando em cabarés e teatros baratos, exibia as suas belas pernas. Ela não escondia a bissexualidade, tornando-se uma “mulher falada”, além dos padrões morais daqueles tempos pudicos, embora os espaços noturnos gays existissem em abundância na capital da Alemanha. MARLENE atraia a atenção de mulheres e homens. Casou-se uma única vez, com o assistente de direção Rudolf Simmer, em 1923. 

Nascida em Berlim, criada numa rígida educação prussiana, estudou música e fez teatro com o celebrado Max Reinhardt. Participou de produções de pouca visibilidade e trabalhou como cantora, mas o sucesso só aconteceu com a direção de Josef von Sternberg, que a levou a Hollywood. A Paramount Pictures imediatamente resolveu transformá-la na mulher mais bela do mundo, disputando com a Metro-Goldwyn-Mayer e sua estrela maior, Greta Garbo, também importada da Europa. A atriz arrepiou plateias com frases dúbias tipo “Foi preciso mais de um homem para trocar o meu nome por Lily Shangai” (de “O Expresso de Shangai”), tornando-se uma estrela admirada em todo o mundo. Felina, a mais bela do cinema do seu tempo, exibia naturalmente um show misterioso de luz e sombra, androgenia e plenitude intelectual. 

Fumava com extraordinária sagacidade. Nem Bette Davis ganhava dela na pegada do cigarro entre nuvens de fumaça. Ela pode facilmente ser confundida como produto deslumbrante da imaginação coletiva ou vislumbre paranormal. Ao longo da carreira, moldou a imagem da deusa sedutora e andrógina, valendo-se de uma sexualidade agressiva e atitude dominante: suas personagens não conhecem limites quando se apaixonam. Pegando emprestado peças do guarda-roupa masculino, em diversas ocasiões vestiu terno e cartola. Também se sentia à vontade trajando maravilhosos vestidos. Sempre exigente com sua aparência, utilizava o figurino como uma arma para conquistar tanto o parceiro do filme como o espectador.

josef von sternberg e marlene
No período pós-guerra, insatisfeita com os papeis que recebia em Hollywood - salvo algumas exceções, como “A Mundana / Foreign Affair” (1948), de Billy Wilder, que se passa em uma Alemanha devastada pela Segunda Guerra -, decidiu se dedicar à carreira de cantora. 

Com sua voz rouca e sexy, trajando smokings e vestidos transparentes, etérea e radiante, cantou em palcos sofisticados de meio mundo, sempre com casa lotada, iniciando a série de espetáculos em Las Vegas, no Sahara Hotel. No Rio de Janeiro, em 1959, no Copacabana Palace, fez um grande sucesso e teve sensacional cobertura da mídia. Vestido colante, casaco de plumas de cisne e joias, conquistou o público com charme e senso de humor. Cantou em inglês, francês e alemão. Na segunda parte, apareceu com um traje masculino e bengala. Ainda no Brasil, gravou uma versão de “Luar do Sertão”, clássico de Luiz Gonzaga.

A figura erótica, porte aristocrático e magníficas pernas colocadas no seguro por um milhão de dólares, fizeram dela o protótipo da sedutora, aquela que tudo pode. Indicada ao Oscar por “Marrocos”, MARLENE DIETRICH era mais que uma atriz. Difícil não se encantar com seu rosto iluminado por pontos de luz, olhar duro repleto de promessas, impassível sarcasmo. Inventou-se como réptil único, de reações magnéticas e sensibilidade cintilante. Após “Marrocos”, seguiram-se outros sucessos como “O Expresso de Xangai” e “A Vênus Loura / Blonde Venus” (1932). Neste último, ela tem de trabalhar em um cabaré para pagar o tratamento médico do marido. Lá conhece um milionário (Cary Grant) e se apaixona por ele. Em muitos de seus filmes, utiliza sua bela voz em números musicais que transbordam volúpia, e nesse filme cantou “Hot Vodoo”, evocando o caráter místico de seus encantos.


Ao chegar a Hollywood em 1930, morena e um pouco gorda, o pigmalião Sternberg pintou os seus cabelos de um quase dourado, afinou o rosto arrancando os dentes traseiros, esculpiu o corpo através de dieta e massagista, arqueou as sobrancelhas além do normal, alongou e escureceu as pestanas superiores, deu aos olhos a ilusão de serem enormes pelo artifício da maquilagem - uma linha branca desenhada no interior das pálpebras e que ela estoicamente suportava sem lacrimejar. Nascia assim a estrela andrógina, a vamp que escandalizaria a opinião pública ao aparecer de smoking na estreia do épico “O Sinal da Cruz / The Sign of the Cross”, em 1932, protagonizado por sua amante Claudette Colbert. 

Bissexual, ela teria romances também com Greta Garbo, Edith Piaff e a roteirista Mercedes de Acosta. Namorou o ator francês Jean Gabin e os escritores Ernest Hemingway e Erich Maria Remarque. Ganhou notoriedade por manter inúmeras relações amorosas, tanto com homens como com mulheres. Deslumbrantemente feminina, tinha fama de devastar corações. Nas rodas dos poderosos de Hollywood era conhecida como “amante voraz”.

douglas fairbanks jr., marlene e fritz lang
Dizem que a diva podia derreter um homem com um levantar de sobrancelhas e destruir uma rival com o olhar. Enigmática, ela zelava por sua privacidade, contando mentiras e inventando histórias sobre si mesma. Josef von Sternberg e ela se uniram como um visionário e sua invenção bendita, o criador e a criatura. “Marlene sou eu”, disse o cineasta numa entrevista. MARLENE DIETRICH devorou o mentor, que nunca mais foi o mesmo depois dela. Ela se destacou desde o primeiro filme norte-americano, provocando reações confusas no público ao beijar a boca de uma mulher numa cena de “Marrocos”.

Em 1933, Hitler a convidou para estrelar filmes nazistas, oferecendo uma fortura. Ela recusou e, em 1937, tornou-se cidadã norte-americana. Descontente com o nazismo, durante a Segunda Guerra se dedicou a ajudar as tropas aliadas, visitando hospitais do front e entretendo soldados com shows especiais, onde cantava “Lili Marlene”. Condecorada com medalhas nos EUA e considerada uma traidora em seu país de origem. Ao retornar a Berlim, em 1960, foi vaiada, recebida com faixas tipo “Marlene, go home”. Só retornaria ao seu país natal depois de morta. Apesar do ressentimento, foi enterrada em Berlim.

marlene e jean gabin
Femme fatalle por definição, destas que dão um sentido à vida mesmo nos convertendo em objetos usados e jogados fora, não é à toa que seu verdadeiro nome é Maria Madalena. Ao vê-la como Concha Perez em “Mulher Satânica / The Devil Is a Woman, passei a acreditar que amava a si mesmo e não podia permitir rival neste amor intenso. MARLENE DIETRICH não levava o casamento a sério. Idosa, deixou-se esculpir por cirurgiões plásticos, silhueta mantida por apertados corpetes, bicos dos seios eroticamente recriados por pérolas colocadas no soutien. No ano de 1975, deixa os palcos. Seu último trabalho no cinema foi em “Apenas um Gigolô / Schoner Gigolo, Armer Gigolo”, de 1978, estrelado por David Bowie, onde fez a Baronesa von Semering.

Vaidosa, não se deixou ser filmada ou fotografada em idade avançada. Com o corpo em ruínas, em cadeira de rodas, refugiou-se até a morte no apartamento parisiense, evitando entrevistas e não permitindo que a vissem em decadência física. A imagem reclusa, daquela que foi uma das mulheres mais belas de sempre, era algo que a revoltava. Apenas a filha, netos e o médico tinham permissão de visitá-la. Tornou-se, nos anos finais de vida, alcoólatra e dependente de calmantes. Sua morte foi tardia, somente aos 90 anos, de falência renal. Alguns acreditam que ela sofria de Alzheimer. Dizem também que teria se suicidado, através de ingestão proposital e excessiva de tranquilizantes. Mas estes buxixos nunca foram confirmados.


O canto de MARLENE DIETRICH, numa vocalização quase falada, provoca estremecimento, mas ela não era cantora, talvez nem mesmo atriz, estava além de rótulos. Em Londres, numa exposição do figurino do filme “Kismet / Idem” (1944), da russa Barbara Karinska, compreendi que os belos vestidos e adereços expostos não tinham viço pela falta do recheio da atriz. A diaba dissimulada, ar afetado, olhar lascivo, sugestivo sorriso. Convite aos sonhos mais lúbricos. A diaba idolatrada por milhões morreu solitária, nos braços da empregada doméstica. Em 1999, o American Film Institute (AFI) a nomeou entre as dez maiores estrelas de todos os tempos.

Por que não mais existem belezas como ela? Belezas que nos iludia e nos faça sonhar. Talvez responda a Norma Desmond (Gloria Swanson) de “O Crepúsculo dos Deuses / Sunset Boulevard” (1950), sob a luz do projetor, revendo-se numa película muda do seu apogeu de estrela: “Continua a ser maravilhoso, não continua? E sem diálogos. Não precisávamos de diálogos. Tínhamos rostos. Já não há rostos como aquele”.

Fontes
“A Beleza – Der Blaue Engel”, de Manuel Dias Coelho; “A Bela e a Fera”, de Fabio Cypriano; “Desejo-lhe Amor – Conversas com Marlene Dietrich”, de Erik Hanut, e “Marlene de A a Z”.


10 VEZES MARLENE
(filmes por ordem de preferência)

01
Tana em
A MARCA DA MALDADE
(Touch of Evil, 1958)
de Orson Welles

02
Christine em
TESTEMUNHA DE ACUSAÇÃO
(Witness for the Prosecution, 1957)
de Billy Wilder

03
Sra. Bertholt em
JULGAMENTO EM NUREMBERG
(Judgment at Nuremberg, 1961)
de Stanley Kramer

04
Lola Lola em
O ANJO AZUL
(Der Blaue Engel, 1930)
de Josef von Sternberg

05
Shanghai Lily em
O EXPRESSO DE SHANGHAI
(Shanghai Express, 1932)
de Josef von Sternberg

06
Princesa Sophia Frederica / Catherine II em
A IMPERATRIZ GALANTE
(The Scarlet Empress, 1934)
de Josef von Sternberg

07
Maria 'Angel' Barker / Sra. Brown em
ANJO
(Angel, 1937)
de Ernst Lubitsch

08
Madeleine de Beaupre em
DESEJO
(Desire, 1936)
de Frank Borzage

09
Domini Enfilden em
O JARDIM DE ALAH
(The Garden of Allah, 1936)
de Richard Boleslawski

10
Mademoiselle Amy Jolly em
MARROCOS
(Morocco, 1930)
de Josef von Sternberg

GALERIA de FOTOS

 
 


novembro 20, 2016

************ CINEMA EUROPEU – 50 LENDAS VIVAS

brigitte bardot
Eles são veteranos do cinema europeu. Para nós, cinéfilos, um prazer  muito especial saber que estão vivos, alguns beirando os 100 anos de idade - as atrizes francesas Danielle Darrieux e Suzy Delair, 99 anos; e Michèle Morgan, 96 anos. São estrelas que começaram a carreira entre os anos 1930 e 1950. Muitos ainda trabalham no cinema e TV. Por exemplo, a diva Darrieux acaba de rodar o curta “Tournons Ensemble, Mademoiselle Darrieux” (2016).

Confira abaixo as LENDAS VIVAS DO CINEMA EUROPEU. Tenho certeza que irá se emocionar. Das 50 listadas, não consegui fotografias atuais de apenas cinco belezas: Antonella Lualdi, Carla Gravina, Lea Massari, May Britt e Yvonne Furneaux.

ALAIN DELON
(Sceaux, França. 8 de Novembro de 1935)
81 anos

Estreia: “Uma Tal Condessa / Quand la Femme s'en Mêle” (1957), de Yves Allégret

ANOUK AIMÉE
(Paris, França. 27 de abril de 1932)
84 anos

Estreia: “La Maison sous la Mer” (1947), de Henri Calef

ANTONELLA LUALDI
(Beirute, Líbano. 6 de julho de 1931)
85 anos
 

Estreia: “Canção Inolvidável / Signorinella” (1949), de Mario Mattoli

BRIGITTE BARDOT
(Paris, França. 28 de Setembro de 1934)
82 anos

Estreia: “Le Trou Normand” (1952), de Jean Boyer

CARLA GRAVINA
(Gemona del Friuli, Itália. 5 de agosto de 1941)
75 anos

Estreia: “Guendalina” (1957), de Alberto Lattuada

CATHERINE DENEUVE
(Paris, França. 22 de outubro de 1943)
73 anos

Estreia: “Amores de Colegiais / Les Collégiennes” (1957), de André Hunebelle

CLAIRE BLOOM
(Londres, Inglaterra. 15 de Fevereiro de 1931)
85 anos

Estreia: “The Blind Goddess” (1948),  de Harold French

CLAUDIA CARDINALE
(La Goulette, Tunísia. 15 de abril de 1938)
78 anos

Estreia: “Goã” (1958), de Jacques Baratier

DANIELLE DARRIEUX
(Bordéus, França. 1 de maio de 1917)
99 anos

Estreia: “Le Bal” (1931), de Wilhelm Thiele

ELSA MARTINELLI
(Grosseto, Itália. 30 de janeiro de 1935)
81 anos

Estreia: “Se Vincessi Cento Milioni” (1953), de Carlo Campogalliani e Carlo Moscovini

EMMANUELLE RIVA
(Cheniménil, França. 24 de fevereiro de 1927)
89 anos

Estreia: “Hiroshima Meu Amor / Hiroshima Mon Amour” (1959), de Alain Resnais

FRANÇOISE ARNOUL
(Constantina, Argélia. 3 de junho de 1931)
85 anos

Estreia: “Tormentos do Desejo / L'Épave” (1949), de Willy Rozier

FRANÇOISE FABIAN
(Argélia. 10 de maio de 1933)
83 anos 

Estreia: “Mademoiselle Pigalle / Idem” (1956), de Michel Boisrond

GINA LOLLOBRIGIDA
(Subiaco, Itália. 4 de Julho de 1927)
89 anos

Estreia: “Águia Negra / Aquila Nera” (1946), de Riccardo Freda

HARRIET ANDERSSON
(Estocolmo, Suécia. 14 de fevereiro de 1932)
84 anos

Estreia: “Motorkavaljerer” (1950), de Elof Ahrle

IRENE PAPAS
(Chiliomodi, Grécia. 3 de setembro de 1926)
90 anos

Estreia: “Hamenoi Angeloi” (1948), de Nikos Tsiforos

JACQUES CHARRIER
(Metz, França. 6 de novembro de 1936)
80 anos

Estreia: “Os Trapaceiros / Les tricheurs” (1958), de Marcel Carné

JACQUES PERRIN
(Paris, França. 13 de julho de 1941)
75 anos

Estreia: “La Peau de l'Ours” (1957), de Claude Boissol

 JEAN-LOUIS TRINTIGNANT
(Piolenc, França. 11 de dezembro de 1930)
85 anos

Estreia: “Se Todos os Homens do Mundo / Si tous les Gars du Monde...” (1956), de Christian-Jaque

JEAN-PAUL BELMONDO
(Neuilly-sur-Seine, Hauts-de-Seine, França. 9 de abril de 1933)
83 anos

Estreia: “À Pied, à Cheval et en Voiture (1957), de Maurice Delbez

JEAN ROCHEFORT
(Paris, França. 29 de abril de 1930)
86 anos

Estreia: “Pecados Pagos com Sangue / Une Balle dans le Canon” (1958), de Michel Deville e Charles Gérard

JEAN SOREL
(Marselha, França. 25 de setembro de 1934)
82 anos

Estreia: “Cuspirei no teu Túmulo / J'Irai Cracher sur vos Tombes” (1959), de Michel Gast

JEANNE MOREAU
(Paris, França. 23 de janeiro de 1928)
88 anos

Estreia: “Dernier Amour” (1949), de Jean Stelli

JOAN COLLINS
(Londres, Inglaterra. 23 de Maio de 1933)
83 anos

Estreia: “The Woman's Angle” (1952), de Leslie Arliss

LEA MASSARI
(Roma, Itália. 30 de julho de 1933)
83 anos

Estreia: “Proibito” (1954), de Mario Monicelli

LESLIE CARON
(Boulogne-Billancourt, França. 1 de julho de 1931)
85 anos

Estreia: “Sinfonia de Paris / An American in Paris” (1951), de Vincente Minnelli

LISELOTTE PULVER
(Berne, Suíça. 11 de outubro de 1929)
87 anos

Estreia: “Triângulo de Amor / Swiss Tour” (1950), de Leopold Lindtberg

LUCIA BOSÉ
(Milão, Itália. 28 de janeiro de 1931)
85 anos

Estreia: “Páscoa de Sangue / Non c'è Pace tra gli Ulivi” (1950), de Giuseppe De Santis

MARIANNE KOCH
(Munique, Alemanha. 19 de agosto de 1931)
85 anos

Estreia: “Der Mann, der Zweimal Leben Wollte” (1950), de Viktor Tourjansky

 MARIE-JOSÉE NAT
(Bonifacio, França. 22 de abril de 1940)
76 anos

Estreia: “Clube de Mulheres / Club de Femmes” (1956), de Ralph Habib

MARINA VLADY
(Clichy, França. 10 de maio de 1938)
78 anos

Estreia: “Orage d'Été” (1949), de Jean Gehret

MAX VON SYDOW
(Lund, Suécia. 10 de abril de 1929)
87 anos

Estreia: “Bara en Mor” (1949), de Alf Sjöberg

MAY BRITT
(Lidingö, Suécia. 22 de março de 1934)
82 anos

Estreia: “Sangue por Amor / Cavalleria Rusticana”  (1953), de Carmine Gallone

 MICHEL BOUQUET
(Paris, França. 6 de novembro de 1925)
91 anos

Estreia: “Brigade Criminelle” (1947), de Gilbert Gil

MICHEL PICCOLI
(Paris, França. 27 de dezembro de 1924)
91 anos
 

Estreia: “Sortilégios / Sortilèges” (1945), de Christian-Jaque

MICHÈLE MERCIER
(Nice, França. 1 de janeiro de 1939)
77 anos

Estreia: “Os Covardes Também Amam / Retour de Manivelle” (1957), de Denys de La Patellière

MICHÈLE MORGAN
(Neuilly-sur-Seine, França. 29 de fevereiro de 1920)
96 anos

Estreia: “Le Mioche” (1936), de Léonide Moguy

MICHELINE PRESLE
(Paris, França. 22 de agosto de 1922)
94 anos

Estreia: “La Fessée” (1937), de Pierre Caron

MONICA VITTI
(Roma, Itália. 3 de novembro de 1931)
85 anos

Estreia: “Adriana Lecouvreur / Idem” (1955), de Guido Salvini

NINO CASTELNUOVO
(Lecco, Itália. 28 de outubro de 1936)
80 anos

Estreia: “Aquele Caso Maldito / Un Maledetto Imbroglio” (1959), de Pietro Germi

PASCALE PETIT
(Paris, França. 27 de fevereiro de 1938)
78 anos

Estreia: “As Virgens de Salem / Les Sorcières de Salem” (1957), de Raymond Rouleau

SAMI FREY
(Paris, França. 13 de outubro de 1937)
79 anos

Estreia: “Pardonnez nos Offenses” (1956), de Robert Hossein

SANDRA MILO
(Tunes, Tunísia. 11 de março de 1933)
83 anos

Estreia: “O Solteirão / Lo Scapolo” (1955), de Antonio Pietrangeli

SEAN CONNERY
(Edimburgo, Escócia. 25 de agosto de 1930)
86 anos

Estreia: “No Road Back” (1957), de Montgomery Tully

SOPHIA LOREN
(Roma, Itália. 20 de Setembro de 1934)
82 anos

Estreia: “O Coração no Mar / Cuori sul Mare” (1950), de Giorgio Bianchi

STEPHANE AUDRAN
(Versalhes, França. 8 de novembro de 1932)
84 anos

Estreia: “Le jeu de la Nuit” (1957), de Daniel Costelle

SUZY DELAIR
(Paris, França. 31 de dezembro de 1916)
99 anos
 

Estreia: “Um Capricho da Pompadour / Un Caprice de la Pompadour” (1931), de Joë Hamman e Willi Wolff

TOMAS MILIAN
(Havana, Cuba. 3 de março de 1933)
83 anos

Estreia: “A Longa Noite de Loucuras / La Notte Brava” (1959), de Mauro Bolognini

VALENTINA CORTESE
(Milão, Itália. 1 de janeiro de 1923)
93 anos

Estreia: “Orizzonte Dipinto” (1941), de Guido Salvini

YVONNE FURNEAUX
(Roubaix, França, 11 de maio de 1928)
88 anos

Estreia: “Meet Me Tonight” (1952), de Anthony Pelissier