novembro 10, 2010

****** WALTER SALLES COM O PÉ NA ESTRADA


walter salles

Passados 30 anos a Geração Beat ainda continua fascinando. Talvez porque ensaiou um modo rebelde de ser jovem ainda hoje imitado. Atacado pela imprensa conservadora da época, a definição Beat foi pejorativamente divulgada como “beatnik”, numa alusão ao Sputnik lançado ao espaço pelos soviéticos. Esse estilo de vida não somente mudou costumes como também exerceu uma constante influência na poesia, no cinema e na música. Prova disso é o novo filme do carioca WALTER SALLES (o diretor de “Central do Brasil”), ON THE ROAD/Pé na Estrada, uma adaptação do célebre livro homônimo do escritor da contracultura Jack Kerouac. O filme está sendo co-produzido pela American Zoetrope, de Francis Ford Coppola, que detém os direitos do livro para o cinema desde 1979 e nunca conseguiu tirar o projeto da gaveta. Gus Van Sant também tentou dirigi-lo. Até Walter Salles chegou a acreditar que tampouco conseguiria tirar o projeto do papel. Ele dizia que precisaria de um “milagre” para que “On the Road” deixasse de ser o filme de seus sonhos para se materializar nos cinemas. Rodado em locações nos Estados Unidos, no Canadá e no México, o filme tem no elenco Viggo Mortensen, Kristen Stewart, Kirsten Dust, Alice Braga e Amy Adams. A estréia está prevista para 2011.


Salles reverteu todas as dificuldades com uma enorme dedicação: fez uma longa viagem pelos EUA, atrás dos locais e das pessoas citadas por Kerouac em seu livro, e fez dessa pesquisa um documentário, "Em busca de On the Road", ainda inédito. Para quem ainda não leu “On the Road”, traduzido no Brasil como “Pé na Estrada”, tem uma séria falha em sua formação cultural. O livro, fortemente autobiográfico, foi eleito pela revista “Time” como um dos 100 melhores livros escritos na língua inglesa no século 20. Lançado em 1958, transformou Jack Kerouac em estrela pop literária e abriu caminho para uma geração desapegada, mais livre, contestatória, boêmia, fã de jazz e revolucionária.


CONVERSANDO

A história de "On the road" pode ter o mesmo efeito nos jovens de hoje como teve nos anos 1950 e 1960? Por exemplo: será que a idéia de ultrapassar os limites, ir além das fronteiras, será que isso tudo ainda teria o mesmo efeito?

SALLES: A viagem aqui é, basicamente, interior. Estamos falando de personagens que tiveram a coragem de se reinventar contra a sua época, contra tudo e contra todos. Em muitos casos, os anos que estamos vivendo são tão conservadores quanto os anos 50. É nisso que essa história é interessante: ela permite entender que, mesmo quando tudo conspira contra, é possível inventar novas formas de nos relacionar com o mundo. Repensar o conceito de família, as relações afetivas, o sexo. Essa qualidade libertária e também transgressora é o que torna a história tão moderna.

Qual foi sua principal descoberta na pesquisa?

SALLES: Cruzando os Estados Unidos de ponta a ponta nos passos de Kerouac, encontramos não só os personagens do livro que ainda estão vivos, mas também os poetas da sua geração. Acabei percebendo que esses homens e mulheres que tiveram a coragem de abrir essas janelas nos anos 50 e 60 são muito mais jovens do que muitos jovens de hoje em dia.

(Fragmento de entrevista publicada em “O Globo”)


20 comentários:

Rubens disse...

O seu blog aborda, de forma original e elegante, histórias, mini-biografias e filmes clássicos. Sem vacilar, demonstra concisão, eficiência, graça e efeito desconcertante.
É UMA LEITURA VALIOSA.

Rubens Ewald Filho

Betinho Vasconcelos disse...

Pra nós jovens acostumados a nos entreter com as atuais superproduções nem tomamos noção do que não acopanhamos no passado cinematográfico.Graças a iniciativas como a sua, pessoas como eu passarão a conhecer melhor alguns desses trabalhos magníficos, que mesmo pelo fato de serem antigas não deixam de ser superproduções.

Um abraço!

Betinho Vasconcelos

Marcos Sá de Paula disse...

parabéns, amigo!!!
amanhã tem nota na minha coluna registrando o sucesso.
xêro.

Dilberto L. Rosa disse...

Gosto muito do deSica, conheço pouco do Fassbinder e acho a Florinda mais bonita que atriz... Puxa, bastou uma semana ausente para ter inúmeras novidades com que me atualizar: parabéns pelo profícuo trabalho!

Quanto ao Waltinho, excelente notícia: apesar do insípido "Diários de Motocicleta", o mestre de "Central do Brasil" e "Terra Estrangeira" sabe lidar com a íntima profundidade humana diante de 'road movies', acho que será uma excelente adaptação!

Abração e ainda aguardando sua visita aos Morcegos!

Pedro Maciel disse...

Parabéns pelo blog

Olympio de Azevedo Neto disse...

Antonio amigo,
Vc é retado mesmo.
Parabéns e fico feliz.

Olympio de Azevedo
http://colymaster.spaces.live.com/

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Bacana, Betinho. Obrigado. A idéia é essa: resgatar o passado cinematográfico.
Abração

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dilberto, também gosto muito de De Sica. A Florinda realmente não teve grandes oportunidades no cinema, mas só sua atuação em AMARGO DESPERTAR vale sua carreira. E também acho que Waltinho Salles vai acertar com ON THE ROAD.
Tudo de bom,

Alexis Smith disse...

Parabéns pelo Blog...está maravilhoso!!!!

Yasodhara Barata disse...

FICO FELIZ COM O SUCESSO DO BLOG.VC MERECE MUITO MAIS
BJOS
DHARA

CIVONE MEDEIROS disse...

Parabéns querido!


Muito Bom! Excelente...


Brindemos...

Henrique Passos Wagner disse...

Puxa, em três semanas tantos visitantes, comentários e seguidores... Genial... Darei uma olhada no blog.

Parabéns.

H.

P.S.: ando procurando os filmes do Max Ophuls. Tem no blog para vender? Principalmente Lola Montés e Lieberlie.

Cássio Delmanto disse...

gostei bastante do seu blog... parabéns... vai como dica um link com algumas críticas q faço...

http://www.rottentomatoes.com/user/324086/reviews/ ... abr...

Kley disse...

Antônio, O Falcão Maltês é seu filme preferido? Li o livro do Dashiell Hammett e vi o filme, achei ótimos. Só não enttendo até hoje porque aqui no Brasil o filme também é chamado de Relíquia Macabra.
Seus filmes preferidos são aqueles que você colocou no rodapé do site?
O que voce acha de ...E o Vento Levou?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Kley, O FALCÃO MALTÊS não é o meu filme favorito. Mas gosto muito dele. Talvez por Bogart, Huston, Hammett, Lorre, Astor... No rodapé está a minha lista "mais recente" dos meus favoritos, mas ela não é permanente, está sempre sofrendo mutações... rs... Acho E O VENTO LEVOU um belo filme, mas não me convence o suficiente... Sinto o mesmo por outra obra lendária: CASABLANCA...

Ludmila Naud disse...

Adoro seu blog, parente (?). Lembro de ler aos 14 anos On The Road achando genial. Sempre achei genial a literatura que ou nos identificamos, ou que, principalmente, nos projeta para um alguém que só conseguimos ser nos braços de Orfeu. Espero que o filme faça jus ao livro. Abraços

Ana Catarina disse...

Que boa notícia, parabéns pelo sucesso do blog, é realmente maravilhoso!

Bjo.

Lady disse...

Pronto! Ja estou la te seguindo! Seu blog é bem interessante, parabéns! Gostei do post dos atores que posaram nus! hahaha Também ja vi todas as fotos,eu acho. A do Victor Mature então me deixou traumatizada!! hahahaha Depois pretendo fazer um blog também, vou te pedir umas dicas! rs Beijinhos e sucesso pra você e pro seu blog! = )

Lúcia Helena Pereira disse...

Gostei do seu blogue. Santo Deus, com toda essa maravilhosa arte que é o cinema (sou apaixonada por cinema.
Creio que assisti aqueles clássicos: SISSI (os três), OS GIRASSÓIS DA RÚSSIA, FÉRIAS DE AMOR (PIC-NIC), IMITAÇÃO DA VIDA (AS DUAS VERSÕES), E O VENTO LEVOU, SUPLICIO DE UMA SAUDADE, TARDE DEMAIS PARA ESQUECER, DR. JIVAGO, POR QUEM OS SINOS DOBRAM, DESIRÉE, TODOS ESSES E MAIS. GOSTO DE FILMES DE ESPIONAGEM, POLICIAIS. SOU FASCINADA POR ESSE MUNDO GIRATÓRIO.

SEU BLOGUE ESTÁ PERFEITO.

BEIJOS.

L.HELENA

Paulo Hesse disse...

Adorei ter visto.
Realmente o blog é ótimo, pelo menos para os que gostam muito de cinema.
Tomei a liberdade e repassei para vários amigos afins .
Valeu . Parabéns ao Antonio Nahud Jr.