outubro 25, 2010

************** SALA VIP: "NARCISO NEGRO"


NARCISO NEGRO
BLACK NARCISSUS
(1947)

País: Inglaterra
Gênero: Drama
Duração: 100 mins.
Cor
Produção, Direção e Roteiro: Emeric Pressburger e
Michael Powell (Rank)
Adaptação da novela de Rumer Godden
Fotografia: Jack Cardiff
Edição: Reginald Mills
Música: Brian Easdale
Cenografia: Alfred Junge
Vestuário: Hein Heckroth
Elenco:
Deborah Kerr (“Irmã Clodagh”), Sabu (“Dulip Rai”),
David Farrar (“Mister Dean”), Flora Robson (“Irmã Philippa”),
Esmond Knight, Kathleen Byron (“Irmã Ruth”),
Jean Simmons (“Kanchi”), Jenny Laird e Judith Furse

Nota: ***** (ótimo)

Prêmios:
Oscar de Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte;
Globo de Ouro de Melhor Fotografia;
Melhor Atriz (Kerr) do Círculo dos Críticos
de Cinema de Nova Yorque

NO CORAÇÃO DO DELÍRIO

De poderosa personalidade visual e arrebato estético, capaz de encantar com o estilo clássico, considerou-se no seu lançamento como um capricho exótico e inclassificável dos ingleses Powell e Pressburger. Impressiona pela concentração dramática e elenco feminino de peso, com Deborah Kerr numa vibrante atuação que a levou ao estrelado (e a Hollywood), seguida de perto pelo talento de Flora Robson, Kathleen Byron e uma jovem e lasciva Jean Simmons. O argumento fala de um grupo de feiras que chegam a um improvisado convento, situado num antigo palácio de um remoto lugar no Himalaia. Só que a história pouco importa, os diretores optaram por potencializar a atmosfera voluptuosa e a excitação física, num frenesi sem pudor e expressionista, beirando o fantástico ou o delírio. Obra-prima genuína, de cenários inquietantes e fotografia de sonho, seduz pela narrativa irracional, lirismo, relâmpagos simbolistas e dimensão metafórica. Um filme de muitos quilates.


2 comentários:

Jamil Jackyson Landim disse...

Segui seu conselho e assisti "Narciso Negro". Uaaalll! É pura magia visual. A Deborah Kerr é de uma força expressiva... Sem contar a presença marcante de Jean Simmons. Só não gostei do David Farrar. É muito sem graça.

O FALCÃO MALTÊS disse...

Também não gosto de David Farrar. É aquele estilo inglês - no mau sentido... rs -. Lembra o Stewart Granger e o Michael Rennie. Bons atores, mas aborrecidos. A Jean Simmons está fantástica. Já revela neste filme o seu talento que ganharia mundo.