dezembro 20, 2015

******** JENNIFER JONES - RETRATO DE UMA LADY



O poeta Vinicius de Moraes, enquanto crítico de cinema, atacou impiedosamente JENNIFER JONES (1919 - 2009) num artigo intitulado “La Femme à Trent’ans”: “Tão bonitinha, tão ruinzinha. Enfim, cada um tem lá seus tico-ticos. Ela tem mania de ser grande atriz: deixá-la... Seria pior se ela tivesse mania de saltar de bonde andando”. Com certeza, um juízo equivocado. A atriz tinha força dramática como poucas. Durante cerca de duas décadas fez personagens memoráveis, construindo uma trajetória reconhecida e premiada. “A Canção de Bernadette”, que a lançou ao estrelato, marcou época, e ainda hoje é reprisado na tevê. Fez santas e devassas, loucas e ambiciosas. Pode ser comparada às melhores atrizes. 

Na pele de “lady” hollywoodiana, consequentemente, foi criticada pelo romance adúltero com o poderoso produtor David O. Selznick. Mas, e daí? O que seria de Norma Shearer sem Irving Thalberg, Joan Bennett sem Walter Wanger, Sophia Loren sem Carlo Ponti ou Silvana Mangano sem Dino De Laurentiis? É uma questão de sorte, claro que ajuda muito, mas sem competência ninguém sobrevive (caso da ucraniana Anna Sten - lançada por Samuel Goldwyn - ou da polonesa Bella Darvi - por Darryl F. Zanuck).

jennifer e o oscar
Nascida em Tulsa, Oklahoma, JENNIFER JONES chegou à Hollywood em 1939, aos 20 anos de idade, ainda chamando-se Phyllis Lee. Depois de alguns testes cinematográficos, no mesmo ano atuou no faroeste “New Frontier”, com John Wayne, e no seriado “Novas Aventuras de Dick Tracy / Dick Tracy's – Men”, ambos produzidos pela Republic Pictures. Em 1941, depois de fracassar num teste para a Paramount Pictures, ela conseguiu um papel na peça “Hello Out There”, em Santa Bárbara, que foi um tremendo sucesso.

Contratada pela companhia independente Selznick International (no seu all star cast, Vivien Leigh, Gregory Peck, Ingrid Bergman, Joseph Cotten, Joan Fontaine, Louis Jourdan, Alida Valli etc.), David O. Selznick prometeu torná-la uma atriz do primeiro escalão. Trocou o seu nome de batismo e cuidadosamente a preparou para o estrelato. Ao tomar conhecimento que a 20th Century-Fox andava em busca de uma revelação feminina para protagonizar “A Canção de Bernadette”, sugeriu seu nome. Impressionando o diretor Henry King, ela foi escolhida para o cobiçado papel, superando centenas de candidatas.

robert walker e jennifer
O marido da atriz, o ator em ascensão Robert Walker (seu melhor personagem, o psicopata Bruno Anthony de “Pacto Sinistro / Strangers on a Train”, 1951, de Alfred Hitchcock), com a ajuda de Selznick conseguiu um contrato na Metro-Goldwyn-Mayer, indicando um futuro promissor. Ao iniciar um affair com seu protetor, JENNIFER JONES acelerou o fim do  casamento, desgastado em intermináveis cenas de ciúmes e acusações de traição. Durante as filmagens de “Desde que você foi Embora”, em que ambos atuam sob a produção de Selznick, a tensão era insustentável. O divórcio levou o ator, ferido de amor, a uma morte prematura em 1951, depois de alguns anos de álcool, drogas, colapso nervoso e desilusão. 

O sucesso de “A Canção de Bernadette” deu à iniciante JENNIFER JONESstatus de estrela, principalmente quando agraciada com o Globo de Ouro de Melhor Atriz-Drama e um merecido Oscar de Melhor Atriz pelo comovente desempenho da inocente e doente adolescente que tem visões da Virgem Maria (a bela Linda Darnell). Ela venceu fortes concorrentes: Ingrid Bergman (que se tornaria uma de suas melhores amigas), Jean Arthur, Joan Fontaine e Greer Garson. Enquanto isso, o relacionamento com Selznick se intensificava, mas só casariam em 1949, depois do divórcio dele com Irene Mayer – a filha do chefão da Metro-Goldwyn-Mayer -, num iate ao longo da costa italiana. Segundo depoimento dela, Selznick foi o maior amor de sua vida.


Em sua vitoriosa carreira de 25 filmes (geralmente escolhidos a dedo pelo marido, que inclusive enviava memorandos volumosos para produtores e diretores que contratavam sua esposa e estrela número um), JENNIFER JONES ganhou um Oscar, concorrendo outras quatro vezes: como Melhor Atriz Coadjuvante em “Desde que você foi Embora”; e como Melhor Atriz em “Um Amor em Cada Vida / Love Letters” (1945), “Duelo ao Sol” (1946); e, finalmente, por sua popular performance em “Suplício de uma Saudade / Love Is a Many Splendored Thing”, 1955. Sua beleza profunda e natureza sensível agradaram ao público, abrindo caminho para uma gama variada de personagens, em clássicos como “O Retrato de Jennie”, “Adeus às Armas / A Farewell to Arms” (1957) – fracassado canto de cisne de Selznick - e “Suave é a Noite / Tender is the Night” (1962). 

O maior êxito da atriz foi o melodrama “Suplício de uma Saudade”, de Henry King, fazendo par romântico com William Holden. Em 1974 encerrou sua participação no cinema na fita de catástrofe “Inferno na Torre / The Towering Inferno”, estrondoso campeão de bilheteria que tem no elenco Fred Astaire, William Holden, Steve McQueen e Paul Newman. A cena de sua morte foi a mais comovente desta superprodução. Ela ajuda duas crianças a escapar de um incêndio de um prédio, quando cai de uma altura de cerca de 110 andares, do elevador que evacuava os frequentadores da festa de inauguração. Esta intervenção marcante lhe rendeu a indicação ao Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante.

selznick, jennifer e a filha deles
Permaneceu com David O. Selznick até o falecimento deste, em 1965, mas ao se ver sem amparo, com a carreira interrompida, endividada e emocionalmente destroçada, JENNIFER JONES tentou se suicidar pulando de um penhasco, em 1967. Hospitalizada em estado de coma, recuperou-se.  Em 1971, seis anos depois de ficar viúva, casou-se pela terceira vez, com o industrial multimilionário e colecionador de arte Norton Simon. Em 1993 voltou a enviuvar. Ela era extremamente tímida, sempre fugindo dos holofotes e optando por uma vida social reservada. Perdeu boas oportunidades ao permitir que o enamorado e dominador Selznick recusasse filmes em seu nome, por considerá-los indignos, entre eles o policial noir “Laura / Idem” (1944), de Otto Preminger, um inesperado sucesso e depois um clássico cult. Aposentada, rejeitou, em 1983, o papel central de “Laços de Ternura / Terms of Endearment”, pelo qual Shirley MacLaine levou o Oscar.

A atriz viveu seus últimos anos tranquilamente, no sul da Califórnia, ao lado de um dos filhos. Ela não dava entrevistas e raramente aparecia em público, morrendo de causas naturais aos 90 anos de idade. Hoje em dia, é relativamente desconhecida em comparação a estrelas como Katharine Hepburn, Bette Davis, Vivien Leigh ou Greta Garbo. Mas não há como negar seu extraordinário talento e fascínio que cativou multidões.

jennifer em "duelo ao sol"
1O FILMES DE JENNIFER JONES

A CANÇÃO DE BERNADETTE
(The Song of Bernadette, 1943)
de Henry King
com: William Eythe e Charles Bickford

DESDE QUE VOCÊ FOI EMBORA
(Since You Went  Away, 1944)
de John Cromwell
com: Claudette Colbert e Joseph Cotten

O PECADO DE CLUNY BROWN
(Cluny Brown, 1946)
de Ernst Lubitsch
com: Charles Boyer e Peter Lawford

DUELO AO SOL
(Duel in the Sun, 1946)
de King Vidor
com: Gregory Peck e Joseph Cotten

O RETRATO DE JENNIE
(Portrait of Jennie, 1948)
de William Dieterle
com: Joseph Cotton e Ethel Barrymore

RESGATE DE SANGUE
(We Were Strangers, 1949)
de John Huston
com: John Garfield e Pedro Armendáriz

MADAME BOVARY
(Idem, 1949)
de Vincente Minnelli
com: James Mason, Van Heflin e Louis Jourdan

PERDIÇÃO POR AMOR
(Carrie, 1952)
de William Wyler
com: Laurence Olivier e Miriam Hopkins

A FÚRIA DO DESEJO
(Ruby Gentry, 1952)
de King Vidor
com: Charlton Heston e Karl Malden

QUANDO UMA MULHER ERRA
(Stazione Termini, 1953)
de Vittorio De Sica
com: Montgomery Clift

GALERIA DE FOTOS

 
 

24 comentários:

Flavia Telles disse...

Adoro a Jennifer Jones
E especialmente a "Sedutora madame Bovary.

Thomaz Antônio de Freitas Dantas disse...

Muito bom o seu texto, Antônio!

Jennifer Jones é uma de minhas atrizes preferidas. Vinícius de Morais perdeu a oportunidade de ficar de boca fechada!

Para mim a melhor performance de uma atriz é a dela em "A Canção de Bernadette". Para a cena em que Bernadette tem a visão de Maria, o próprio Henry King dirigiu os testes de tela, instruindo suas atrizes para olhar para além da câmera em uma luz brilhante. Jennifer Jones foi a primeira e - de acordo com King - "ela não apenas olhou, ela viu".

Um abraço!

Luiz Barbosa disse...

Beleza

Vera Hilda Bezerra Rodrigues disse...

Assisti Suplício de uma Saudade. ...faz tempo, mas lembro que gostei e achei triste!

Angela Pieruccini disse...


lembrei de o retrato de jennie, estava perfeita

William Neville disse...

The most fascinating actress ever...

Eduardo Cabús disse...

"Quando a Mulher Erra". Inesquecível.

lavia Maria Canhim Pimentel disse...

Linda e talentosa. Amo demais.

Zita Salviano disse...

Suplício de uma saudade, filme inesquecível, grande Jennifer Jones, deixou muita saudade. Parabéns pelo blog Nahud, tá show.

Marcos Pedini disse...

Ded peruca loura em O Diabo Riu POr Ultimo e em Suave e a noite

Eraldo Urano disse...

Belíssima morena, é uma das grandes heroínas românticas do cinema.

Pedro Henrique de Brito disse...

Memorável em A canção de Bernadete, Desde que partiste, Duelo ao sol e é claro, O suplício de uma saudade.

Rafael Amaral disse...

Grande atriz!!! Em Duelo ao Sol ela destrói.

Fernando Sobrinho disse...

Minha mãe gostava muito dela, principalmente em "A Canção de Bernadette" ,"Duelo Ao Sol" e "Suplício de Uma Saudade".

Luna Hepburn disse...


Duelo ao Sol,Madame Bovary e Súplicio de uma saudades, meus filmes favotitos dela.

Paulo Telles disse...

Grande atriz que também esta entre as minhas prediletas. Foi santa em A CANÇÃO DE BERNADETE e a sensual Perla de DUELO AO SOL, entre outros trabalhos de notabilíssimo talento.

Daniele Moura disse...

Estava com saudades das suas marcações, Antonio Nahud! Jennifer eu amo demais, pra sempre! Uma das minhas favoritas. Ótima atriz, intensa, com uma capacidade incrível de nos prender. Principalmente no Drama.

Danielle Carvalho disse...

Que linda essa mulher! Que bom vê-lo voltar à ativa, Antonio Nahud!

Marcos Pedini disse...

Stazione termmini, co Montgomery clift

Sibely Vieira Cooper disse...

Eu gosto muito , é uma das minhas colecionáveis, me faltam poucos dela.

Gabriela Syring disse...

Deusa... provavelmente uma de minhas atrizes favoritas Emoticon heart

Thais Negrão Furini disse...

Adoro essa atriz

Angela Pieruccini disse...

Remember suplício de uma saudade

Maria Jose Saffi Boso disse...


Duelo ao Sol , maravilhoso . Linda e otima atriz .