maio 30, 2012

**** MOCINHAS CASTAS OU DAMAS DE SALOON?

john wayne e gail russell em "o anjo e o malvado"
O francês André Bazin, um dos papas da crítica cinematográfica, definiu o faroeste como o “cinema norte-americano por excelência”. Durante muito tempo foi, de fato, o gênero mais popular de Hollywood. Os faroestes lotavam as matinês, abarrotadas de rapazes vibrando com as peripécias de destemidos cowboys, salvando MOCINHAS contra ataques de índios, mexicanos e bandoleiros. Essa “grandeza ingênua”, na definição exemplar de Bazin, pode ser o elemento cativante de seu público há tanto tempo. É fácil a identificação com esses heróis, fortes na luta e, ao mesmo tempo, impulsionados por princípios que atestarão o seu valor pessoal, graças ao respeito pelas leis sociais e morais (que o farão ganhar o amor da mocinha). Nesse gênero, basicamente masculino, algumas garotas de personalidade se destacam: Belle Starr/Gene Tierney em “Bela e Formosa / The Bandit Queen” (1941), Calamity Jane/Doris Day em “Ardida como Pimenta / Calamity Jane” (1953), Altar Keane/Marlene Dietrich em “O Diabo Feito Mulher / Rancho Notorious” (1952) ou Vienna/Joan Crawford em “Johnny Guitar / Idem” (1954). Mas a maior de todas é Barbara Stanwyck, a Rainha do faroeste. Ela fez vários papéis de fazendeira autoritária, poderosa ou malvada. Em “Almas em Fúria”, de Anthony Mann, sua Vance Jeffords briga com o pai, rasga o rosto da madrasta com uma tesoura e cavalga audaciosamente.

Porém, em geral, no faroeste o feminino tem um papel secundário, de mocinha virgem, professorinha casadoira ou DAMAS DE SALOON (prostitutas, mas destemidas e de “bons princípios”). A donzela encontra obstáculos em sua jornada que só será possível ultrapassar com a ajuda de um mocinho-pistoleiro casca-grossa, que termina por conquistar seu coração. Com raras exceções, não me preocupo com o destino dessas garotas pudicas (por exemplo, a Grace Kelly de “Matar ou Morrer / High Noon”, 1952, é dispensável, sou mais a Katy Jurado), preferindo moças que circulam à vontade pelos saloons da vida. Algumas estrelas são especialistas nesse tipo de personagem, quase sempre com firmeza de caráter, caso de Claire Trevor ou Virginia Mayo. Mas qual seriam as atrizes mais importantes do faroeste?

ALEXIS SMITH
(1921-1993)

Principais Faroestes:

SAN ANTONIO, CIDADE SEM LEI (Idem, 1945), de David Butler; MERCADORES DE INTRIGAS (South of St. Louis, 1949), de Ray Enright; MONTANA, TERRA PROIBIDA (Montana, 1950), de Ray Enright.

ANNE BAXTER
(1923-1985)

Principais Faroestes:

CÉU AMARELO (Yellow Sky, 1949), de William A. Wellman; TRINDADE VIOLENTA (Three Violent People, 1956), de Rudolph Maté; CIMARRON (Idem, 1960), de Anthony Mann.

BARBARA STANWYCK
(1907-1990)

Principais Faroestes:

ALMAS EM FÚRIA (The Furies, 1950), de Anthony Mann;  UM PECADO EM CADA ALMA (The Violent Men, 1955), de Rudolph Maté; DRAGÕES DA VIOLÊNCIA (Forty Guns, 1957), de Samuel Fuller.

CLAIRE TREVOR
(1910-2000)

Principais Faroestes:

NO TEMPO DAS DILIGÊNCIAS (Stagecoach, 1939), de John Ford; COMANDO NEGRO (Dark Command, 1940), de Raoul Walsh; HOMEM SEM RUMO (Man Without a Star, 1955), de King Vidor.

DONNA REED
(1921-1986)

Principais Faroestes:

IRMÃOS INIMIGOS (Gun Fury, 1953), de Raoul Walsh; AVENTURA SANGRENTA (The Far Horizons, 1955), de Rudolph Maté; PUNIDO PELO PRÓPRIO SANGUE (Backlash, 1956), de John Sturges.

DOROTHY MALONE
(nasceu em 1925)

Principais Faroestes:

GOLPE DE MISERICÓRDIA (Colorado Territory, 1949), de Raoul Walsh; MINHA VONTADE É A LEI (Warlock, 1959), de Edward Dmytryk; O ÚLTIMO PÔR-DO-SOL (The Last Sunset, 1961), de Robert Aldrich.

ELLEN DREW
(1915-2003)

Principais Faroestes:

NO VELHO COLORADO (The Man from Colorado, 1948), de Henry Levin; O TESTAMENTO DE DEUS (Stars in my Crown, 1950), de Jacques Tourneur; TERRA DO INFERNO (Man in the Saddle, 1951), de Andre de Toth.

GAIL RUSSELL
(1924-1961)

Principais Faroestes:

O ANJO E O MALVADO (Angel and the Badman, 1947), de James Edward Grant; BARREIRAS DE SANGUE (El Paso,1949), de Lewis R. Foster; SETE HOMENS SEM DESTINO (Seven Men from Now, 1956), de Budd Boetticher.

JANE RUSSELL
(1921-2011)
        
 Principais Faroestes: 

O PROSCRITO (The Outlaw, 1943), de Howard Hawks e Howard Hughes; BELA E BANDIDA (Montana Belle, 1952), de Allan Dwan;  NAS GARRAS DA AMBIÇÃO (The Tall Men, 1955), de Raoul Walsh.

JOANNE DRU
(1922-1996)

Principais Faroestes:

RIO VERMELHO (Red River, 1948), de Howard Hawks; LEGIÃO INVENCÍVEL (She Wore a Yellow Ribbon, 1949), de John Ford; CARAVANA DE BRAVOS (Wagon Master, 1950), de John Ford.

JULIE ADAMS
(nasceu em 1926)

Principais Faroestes:

E O SANGUE SEMEOU A TERRA (Bend of the River, 1952), de Anthony Mann; IMPÉRIO DO PAVOR (Horizons West, 1952), de Budd Boetticher; BANDO DE RENEGADOS (The Lawless Breed, 1953), de Raoul Walsh.

MAUREEN O’HARA
(nasceu em 1920)

Principais Faroestes:

BUFFALO BILL (Idem, 1944), de William A. Wellman; RIO BRAVO (Idem, 1950), de John Ford; RAÇA BRAVA (The Rare Breed, 1966), de Andrew V. McLaglen.

RHONDA FLEMING
(nasceu em 1923)

Principais Faroestes:

AS AVENTURAS DE BUFFALO BILL (Pony Express, 1953), de Jerry Hopper; A AUDÁCIA É A MINHA LEI (Tennessee’s Partner, 1955), de Allan Dwan; SEM LEI E SEM ALMA (Gunfight at O.K. Corral, 1956), de John Sturges.

RUTH ROMAN
(1922-1999)

Principais Faroestes:

VINGADOR IMPIEDOSO (Dallas, 1950), de Stuart Heisler; REGIÃO DE ÓDIO (The Far Country, 1954), de Anthony Mann; SANGUE DA TERRA (Blowing Wild, 1954), de Hugo Fregonese.

SHELLEY WINTERS
(1920-2006)

Principais Faroestes:

WINCHESTER 73 (Idem, 1950), de Anthony Mann; PACTO DE HONRA (Saskatchewan, 1954), de Raoul Walsh; REVANCHE SELVAGEM (The Scalphunters, 1968), de Sidney Pollack.

VERA MILES
(nasceu em 1930)

Principais Faroestes:

CHOQUE DE ÓDIOS (Wichita, 1955), de Jacques Tourneur; RASTROS DE ÓDIO (The Searchers, 1956), de John Ford; O HOMEM QUE MATOU O FACÍNORA (The Man From who Shot Liberty Valance, 1962), de John Ford.

VIRGINIA MAYO
(1920-2005)

Principais Faroestes:

GOLPE DE MISERICÓRDIA (Colorado Territory, 1949), de Raoul Walsh; EMBRUTECIDOS PELA VIOLÊNCIA (Along the Great Divide, 1951), de Raoul Walsh; À BORDA DA MORTE (The Proud Ones, 1956), de Robert D. Webb.

YVONNE DE CARLO
(1922-2007)

Principais Faroestes:

CORAÇÃO SELVAGEM (Tomahawk, 1951), de George Sherman; PECADORES DE SÃO FRANCISCO (The San Francisco Story, 1952), de Robert Parrish; SOB A LEI DA CHIBATA (Passion, 1954), de Allan Dwan.

64 comentários:

Alexis Smith Beraldo disse...

oba...o mocinho adora ela :)

José Carlos Saenger disse...

as duas coisas

Marcelo Bonavides de Castro disse...

Muito bom!

renatocinema disse...

Eu sempre prefiro as mocinhas. mas......cada caso é um caso. kkkk

Bela questão.

abraços

disse...

Eu prefiro as mulheres que vão à luta nos faroestes, não é à toa que meu preferido do gênero seja Johnny Guitar. Mas sem dúvida Barbara Stanwyck é a atriz que melhor interpretou mulheres fortes em faroestes.
Abraços!

Magda Miranda disse...

Oi Antonio,

E eu que não conhecia a fundo tudo sobre elas, pois as mesmas eram de um tudo. Mas a bandidona mor sempre foi Belle Star! Abraço e ótima semana.

Pedro Ferreira de Freitas disse...

Angie Dickinson tem um papel importante no filme "Onde Começa o Inferno". Ela tem preponderancia sobre os homens e tem um duelo verbal fenomenal com o Xerife chance

Sonia Brazão disse...

.....L◯ve ........Wooooooooooow..... A Jane Russell é linda demais!......./

Nádia Diniz disse...

Massa!

Random Walker disse...

Certamente que a menina saloon. Eu ainda tenho sentimentos por Feathers (Angie Dickinson) em Howard Hawks "Rio Grande" (1959) ...jus'sayin'

Alan Raspante disse...

Preciso conferir alguns faroestes...

Enaldo disse...

Eu voto na Jane Russell.

Mario Salazar disse...

Me gustan de ambas, aunque ni muy avispadas ni muy mojigatas, sensuales o dulces, me gusta Vera Miles que bella que era, aunque hablaba horrible en los western, Janne Russell sale con una rostro muy fuerte poco estético pero se le ve salvaje con ese busto prominente. A Yovnne de Carlo la recuerdo por los monsters pero era guapa, quisiera ver cintas suyas, buscaré. Un abrazo.

Eddie Lancaster disse...

NAHUD, BELO TRABALHO CONCERNENTE ÀS "MOCINHAS" DO GÊNERO WESTERN.
EM LINHAS GERAIS, EU DIRIA QUE FALTARAM ALGUMAS MOCINHAS, QUE PODERIAM CONSTAR DA BELA LISTA,APRESENTADA, TAIS COMO:ANGIE DICKINSON;RAQUEL WELCH; MARTHA HYER;E, DEBRA PAGET.ISTO SEM CONTAR AS MOCINHAS DO CHAMADO WESTERN "B".
ANJO E O BANDIDO, O TÍTULO QUE FOI EXBIDO NOS CINEMAS É ANJO E O MALVADO.
EL PASO O TÍTULO É BARREIRAS DE SANGUE;RIO GRANDE QUANDO EXIBIDO NOS CINEMAS, TEVE O TÍTULO DE RIO BRAVO; UNIDOS PELO PRÓPRIO SANGUE, TEVE O TÍTULO DE PUNIDO PELO PRÓPRIO SANGUE; THE PROUD ONES, COM VIRGINIA MAYO, O TÍTULO CORRETO É À BORDA DA MORTE, E NÃO HOMENS SEM MEDO!
PARABÉNS!

Darci Fonseca disse...

Nahud, como é que você cita a maravilhosa Doris Day e não coloca nenhuma foto da mais esfuziante Calamity Jane do cinema? - Darci Fonseca, WESTERNCINEMANIA

Cefas Carvalho disse...

Ótimo post, Nahud. Sou devoto de "Johnny Guitar", filme que revejo todo ano. E gosto muito de "O proscrito". Abração!

Elisabete Cardoso disse...

Gosto muito de westerns e de mulheres fortes. Essa força é sempre maior nas mulheres do saloon, as Joan Crawfords do oeste. Também gosto muito da Barbara Stanwyck!!!

Edivaldo Martins disse...

BELA SELEÇÃO!

Madalena Mendonça disse...

adorei a reportagem

Edivaldo Martins disse...

GOSTEI DE MOCINHAS CASTAS OU DAMA DE SALOON!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Lemarc disse...

Bela seleção, Nahud! Aí tem moça pra tudo que é gosto. Gosto de todas.
Lemarc

Rubi disse...

Com uma lista dessas fica até difícil opinar, no entanto, fico com Jane Russell em O Proscrito. Aliás, não sei se é impressão minha ou esse filme não ganhou muita notoriedade (o que é uma pena, porque eu particularmente o achei fantástico). Geralmente quando se fala de Jane Russell, é mais fácil associarmos ao clássico Os Homens Preferem as Loiras. Será que estou enganada?

Ótimo post!

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
ecos
de
la
tarde
callada
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
ANTONIO

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE THE ARTIST, TITANIC SIÉNTEME DE CRIADAS Y SEÑORAS, FLOR DE PASCUA ENEMIGOS PUBLICOS HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA,JEAN EYRE , TOQUE DE CANELA, STAR WARS,

José
Ramón...

Gilberto Carlos disse...

Das citadas, gosto de Maureen O'Hara, Vera Miles e Shelley Winters.

Marcelo C,M disse...

JANE RUSSEL era um show de mulher

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Com certeza, Magda. Belle Starr foi interpretada por inúmeras atrizes, de Gene Tierney a Jane Russel, passando por Ruth Roman.
Abraços,

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Pedro, realmente a Angie Dickinson está fabulosa em ONDE COMEÇA O INFERNO. Linda e com personalidade.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Mario, gosto muito da Yvonne de Carlo. Tão bela e exótica. Vejo com o maior encantamento filmes dela bem fraquinhos.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Obrigado pelas dicas, Eddie. Títulos corrigidos!
Abraços,

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Darci, deixei a Doris Day de fora porque na verdade ARDIDA COMO PIMENTA é uma comédia musical, mesmo tendo o velho Oeste como cenário.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Cefas, já eu não gosto de JOHNNY GUITAR. É o único filme de Ray que acho ruim. Mas O PROSCRITO é maravilhoso...
Cumprimentos cinéfilos!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Tem toda razão, Rubi. O filme teve problemas com a censura e passou anos engavetado. Além disso, o produtor Howard Hughes era um problemático.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Que belo poema, José Ramon. Gracias!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Gilberto, mesmo muito bela (lembra a Grace Kelly), a Vera Miles era chatinha e tinha uma voz péssima...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Um furacão, Marcelo! E que corpaço ela tinha.

Ruben Celso Nigro Paschoal disse...

parabéns Antonio Nahud Júnior pela excelente matéria.

Sibely Vieira disse...

As duas, rs

Cynthia (Astroterapia Junguiana) disse...

Um verdadeiro arsenal de belas mulheres. Cynthia

Anônimo disse...

jane russell é minha favorita josé simões filho{Guaçui-ES}

Daniele Rodrigues de Moura disse...

Adoro este tema. Que máximo!!!

Jamil disse...

Não perdoo a não inclusão de Angie Dickinson nesta lista. Mas, entre todas essas deusas, fico com Maureen O'Hara. Linda!

Fábio Henrique Carmo disse...

Nahud,

Acho que só por Johnny Guitar a Joan Crawford já merecia ser citada na lista. Mas entendo que a excluiu porque não gosta do filme, o que respeito, mas não compreendo. Abraço!

Anônimo disse...

Caro Antonio

Muito bom a emenda do tema dos rapazes para as garotas.
A Barbara realmente era ótima, alias ela faz um ordinária como ninguem.Que tal esse tema As Ordinárias do cinema?
Uma mocinha que gosto era a Jean Arthur em Shane.Ela já estava na casa dos 50 e pediu para o diretor
usar filtros nas suas tomadas.
Seu papel é muito bomm mas um pouco triste.
Grd abs
Marco Antonio

Brenda Rosado disse...

A Jane Russell era estranha. Tinha um corpo inacreditável, sensual, mas o rosto não funcionava nas telas, parecia um gafanhoto gigante. Além disso, perdeu muito tempo sem filmar, só se destacando depois dos trinta. Também não sabia dançar nem cantar, mas estava sempre fazendo isso nos seus filmes.

Brenda Rosado disse...

Acho a Virginia Mayo tão fofa. Sei que não era uma grande atriz, mas foi símbolo sexual e trabalhou com grandes atores. Que tal um post sobre ela, Falcão?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Foi uma falha, Jamil. A Angie deveria estar entre essas beldades.
Abração,

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Fábio, só citei atrizes que fizeram vários faroestes. Não foi o caso de Joan. Que eu lembre, ela só fez JOHNNY GUITAR e, além do mais, odiou o filme.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótima sugestão, Marco Antonio. Vou começar a garimpar tais personagens. Começando pela Anne Baxter de "A Malvada"... rs...
A Jean Arthur era maravilhosa. Encerrou sua carreira com um grande filme, mas concordo com você, seu personagem é solitário, melancólico...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Vero, Brenda. A Jane tinha essa mania de bancar a cantora, sem qualquer habilidade para isso. Mas gosto dela. É uma explosão de erotismo. E anotei a sugestão. Aguarde Virginia Mayo.
Cumprimentos cinéfilos!

Rodrigo Duarte disse...

Poxa Antônio, você não gosta de Johnny Guitar??? É verdade que talvez seja o western mais estranho que existe, mas não imaginaria que você não gosta.
Bela seleção, nem sabia que existiam tantas cowgirls assim...

Leandro Afonso disse...

Dessas, ficaria com Anne Baxter e Maureen O'Hara.

Tá certo que pesa aí visita recente a COMO ERA VERDE O MEU VALE, curiosamente um Ford que não é western, mas ali ela O'Hara me conquistou de vez.

Senti falta de Claudia Cardinale, que já entra nos Spaghetti (Leone você gosta até, não?!), mas a lista tá ótima.

Fico no aguardo do próximo, Antonio.

Abraço!

João Roque disse...

Das citadas voto na Shelley Winters, não por ser extraordinariamente bela, mas porque encarna perfeitamente esse tipo de mulher.
Das ausentes, a Angie Dickinson, claro.
E fiquei admirado de ver a falta de admiração por "Johnny Guitar", um dos meus westerns preferidos.

Danielle Carvalho disse...

Bela lista, Antonio!
Você tem razão sobre o sucesso gigante do gênero, não só para a configuração da identidade americana por meio do cinema como para sucesso dele junto ao público mundial - minha mãe, apaixonada por westerns, diz que as sessões de cinema dos anos 60 era quase que apenas composta por eles.
Não conheço uma porção dessas mulheres listadas :C. Da Barbara vc se esqueceu justo de "Union Pacific"! Coooomo??? Aliás, só ontem vi dela "The Cattle Queen of Montana", além de The Big Valley, que a gente assiste como novela há meses... Ela e minha mãe estão me fazendo começar a curtir o gênero...

Bjos
Dani

PS: Queria saber de onde saiu a afirmativa de Bazin, que me interessa muito.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Pois é, Rodrigo, logo eu, um apaixonado por Joan Crawford e Nicholas Ray, além de gostar muito de Sterling Hayden. Mas acho um faroeste estranho, sem rumo...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Leandro, a Claudia Cardinale, além de ERA UMA VEZ NO WESTERN, fez outro faroeste fantástico: OS PROFISSIONAIS. Mas limitei a lista aos anos 30/40/50.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Eu sou louco pela Shelley Winters, João Roque. Ele é meio vulgar, mas muito autêntica e talentosa. E tem uma carreira notável.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dani, adoro UNION PACIFIC, mas como só selecionei três faroestes, ficou de lado. A Barbara fez inúmeros faroestes. Gosto também de NA MIRA DO CORAÇÃO, CALIFÓRNIA e VINGANÇA NO CORAÇÃO. Você acredita que nunca vi BIG VALLEY?
A citação de Bazin veio de um antigo artigo publicado no "Cahiers du Cinema".
Beijos!

Danielle Carvalho disse...

Não sabe o que está perdendo, Antonio ;D
Agora, sério que Annie Oakley é legal? Então eu vou vê-lo - eu vi uns trechos por amostragem e achei tão assim assim...
Agora, sério, passa a indicação inteira do texto do Bazin pra mim no Facebook? Gracias!

Bjs

linezinha disse...

Oi Antonio dei uma sumidinha aqui nos comentários,mas to de volta rs.Tudo de bom essa lista das grandes mulheres do faroeste,curto bastante a Barbara Stanwyck,Shelley Winters e a Maureen O'Hara. Ah e tb a Claudia Cardinale. Abç

J. BRUNO disse...

Olá amigo Antonio!

Eu confesso que durante muito tempo eu tive uma birra com os westerns, que foi amenizada de uns tempos para cá, mas a verdade é que eu sempre preferi os revisionistas e aqueles cuja a trama ia além do simples bang-bang; isso fez com que eu deixasse de ver uma grande número de filmes... vi poucos dentre os que você citou

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dani, NA MIRA DO CORAÇÃO não é um grande faroeste, mas é simpático, principalmente pela junção George Stevens-Barbara-Melvyn Douglas. Vi faz tempo, mas ainda lembro da energia impressionante da jovem Babs.
O texto “O Western ou o Cinema Americano por Excelência”, foi escrito em 1953 por André Bazin. Li-o numa edição espanhola especial da revista “Cahiers du Cinema”, mas você pode encontrá-lo no Brasil em “O Cinema: Ensaios”, de André Bazin, Editora Brasiliense, 1991.
Beijos!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Bom tê-la de volta, Linezinha.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

J. Bruno, como qualquer outro gênero, o faroeste tem grandes filmes e outros descartáveis...

Rafa Amaral disse...

A Dorothy Malone é incrível. Grande atriz infelizmente nem sempre lembrada. Abraços. cinemavelho.com