dezembro 11, 2011

*********** ESSES ADORÁVEIS CANASTRÕES


victor mature e hedy lamarr em "sansão e dalilah"
O cinema é uma arte que freqüentemente privilegia os CANASTRÕES. Não que eu tenha nada contra, muito pelo contrário, sem esses galãs a magia inventada por Méliès seria menos divertida e apaixonante. Entretanto, o que realmente significa o termo canastrão? Possivelmente aquele que cativa pelo seu tipo imutável em qualquer filme, seja um melodrama ou uma fita de ação, apresentando expressão facial praticamente nula. Poderosos e populares, eles provam que uma carreira de décadas nem sempre é sinônimo de talento dramático. Geralmente bonitos ou charmosos, participam de produções que rendem milhões de dólares - alguns incrivelmente ganharam o Oscar de Melhor Ator (Warner Baxter, Bing Crosby, William Holden, Yul Brynner, Charlton Heston, Cliff Robertson, John Wayne etc.) - e trabalham muitas vezes com bons diretores e grandes atrizes, mas sobrevivem nas telas amparados principalmente no carisma pessoal. Alguns até disfarçam a falta de talento, outros acreditam que utilizam uma técnica seca, sem emoção. O concreto é que os CANASTRÕES se valem da beleza ou do carisma, desviando a atenção do público para seus dotes físicos, numa espécie de sedução mais hipnotizante do que o próprio personagem. Reduzidos ao rótulo que o mercado cinematográfico os condicionou, são adoráveis ícones. Confira alguns inesquecíveis atores de irremediável canastrice:

CORNEL WILDE
(1912-1989)

Melhores momentos: 
“À Noite Sonhamos / A Song to Remember” (1945); 
“Sangue Ardente / Hot Blood” (1956).

GEORGE BRENT
(1899-1979)

Melhores momentos: 
“Vitória Amarga / Dark Victory” (1939);
 “Silêncio nas Trevas / The Spiral Staircase” (1945).

GEORGE PEPPARD
(1928-1994)

Melhores momentos: 
“Herança da Carne / Home From the Hill” (1960);
“Bonequinha de Luxo / Breakfast at Tiffany's” (1961).

JOHN GAVIN
(n. em 1931)

Melhores momentos: 
“Imitação da Vida / Imitation of Life”; 
“Psicose / Psycho” (1960).

JOHN PAYNE
(1912-1989)

Melhores momentos: 
“O Fio da Navalha / The Razor’s Edge” (1946);
“De Ilusão Também se Vive / Miracle on 34th Street” (1947).

LOUIS JOURDAN
(n. em 1921)

Melhores momentos: 
“Carta de Uma Desconhecida / Letter From a Unknown Woman” (1948); 
“Gigi / Idem” (1958).

ROBERT TAYLOR
(1911-1969)

Melhores momentos: 
“A Dama das Camélias / Camille” (1936);
“Quo Vadis / Idem” (1951).

VAN JOHNSON
(1916-2008)

Melhores momentos: 
“O Preço da Glória / Battleground” (1949); 
“A Última Vez Que Vi Paris / The Last Time I Saw Paris” (1954).

VICTOR MATURE
(1913-1999)

Melhores momentos: 
“O Beijo da Morte / Kiss of Death” (1947); 
“O Manto Sagrado / The Robe” (1953).

YUL BRYNNER
(1920-1985)

Melhores momentos: 
“Os Dez Mandamentos / The Ten Commandments” (1956); 
“O Rei e Eu / The King and I” (1956).

*******
ESTRÉIA

“CÁLAMO”
(Tatarak, 2009)

Autor de diversas obras-primas, além de vencedor de inúmeros prêmios internacionais, o veterano polonês Andrzej Wajda, após o fabuloso “Katyn / Idem” (2007), está de volta aos 85 anos de idade (ele nasceu em 1926) com o lírico “Cálamo”, baseado em um conto de Jaroslaw Iwaszkiewicz. Poético, fala sobre a morte e a necessidade de se conviver com a possibilidade dela. Marta (Krystyna Janda), uma mulher de meia-idade, casada com um médico (Jan Englert) de uma pequena cidade, não sabe que tem uma doença terminal. Há anos chora a morte de seus dois filhos, massacrados no levante de Varsóvia. Ao conhecer o jovem Bogus (Pawel Szajda), encanta-se com sua juventude e inocência. Este encontro à beira de um rio coberto por cálamos é marcado pela fascinação recíproca de duas existências, onde uma caminha para o fim prematuro e a outra somente acaba de entrar na maturidade. “Cálamo” é também um filme sobre a criação de um filme, e a personagem principal não é somente a fictícia Marta, mas a atriz que a interpreta, com Wajda entrelaçando na narrativa um autêntico monólogo da extraordinária Krystyna Janda (a mesma de vários outros trabalhos do diretor) sobre a morte de seu marido Edward Klosinski, um reconhecido diretor de fotografia, ao qual este filme foi dedicado. Ele morreu durante as filmagens, que pararam, mas retornaram meses depois com depoimentos da atriz protagonista sobre a morte do parceiro. Considerado o maior cineasta polonês de todos os tempos, Andrzej Wajda estudou na Escola de Lodz (assim como Roman Polanski) e surpreendeu o mundo na década de 50 com a famosa trilogia formada por “Geração / Pokolenie” (1955), “Kanal / Idem” (1957) e “Cinzas e Diamantes / Popiól i Diament” (1958), cujo sucesso abriu as portas do cinema polonês para o mundo. Na França realizou os belos “Um Amor na Alemanha / Eine Liebe in Deutschland” (1083, com Hanna Schygulla), “Danton – O Processo da Revolução / Idem” (1983, com Gérard Depardieu) e “Os Possessos / Les Possedés” (1988, com Isabelle Huppert e Omar Sharif). Profundamente engajado politicamente, sem, no entanto, ser panfletário, o cinema de Wajda fez história. “Cálamo” demonstra que ele continua em plena forma. Não é a toa que está rodando “Walesa”.

58 comentários:

Enaldo disse...

Canastrões me irritam. Eu detesto Stallone, Chuck Norris, Bruce Willis, Charles Bronson, Schwarzenegger, esta turma toda. E também não engulo Mickey Rourke.

pinguim disse...

Muito interessante este tema, embora eu discorde de várias das opções tomadas.
Para mim também por exemplo Victor Mature ou John Gavin (embora este tenha sido muito belo), serão canastrões. mas encaixo mais os meus canastrões no tipo dos indicados pelo comentador Enaldo.

M. disse...

Que seria do cinema sem estes caastrões inesquecíveis!?!

As Tertulías disse...

Só nao concordei muito com a inclusao de George Peppard e a "nao mencao" de "The Carpetbaggers" :-)) No mais uma boa lista... faltam porém muitos outros canastroes... Que tal uma lista "brasileira" deles???

Thiago Motta disse...

Adorei a definiçao!
perfeita.
infelizmente(ou felizmente) nao vi nenhum filme com tais atores.

Atualmente logo me vem a mente George clooney.
ele até se esforça (ás vezes) mas sua atuação sempre se resume a um olhar e sorriso sedutores (comédia) ou carinha de cachorro abandonado (drama).

Filmes Antigos Club disse...

Eu ainda curto um carismático canastrão do que um excelente ator sem carisma. E tem mais uma coisa: por piores que eles sejam, eles que vem dando ao longo dos anos suportes imprescindíveis para as grandes produções da Sétima Arte. Afinal, o cinema foi feito para o público, não para os críticos.

Gosto muito do Victor Mature, por exemplo. George Peppard, na minha opinião, era um excelente ator e sabia dar bons desempenhos (OS INSACIÁVEIS, de 1964, que acabou sendo o último filme de Alan Ladd), o que o estragou foi o alcoolismo, e perto do fim da vida foi parar na TV participando da série ESQUADRÃO CLASSE A.

Da sua lista, outros queridos canastrões memoráveis que admiro são Robert Taylor e Yul Brynner, e este, ao menos, enigmatizava as platéias.

Boa semana.

PAULO NÉRY
Filmes Antigos Club Artigos
http://articlesfilmesantigosclub.blogspot.com/

theporcupinelair disse...

Eu acho que o que o Antonio quis dizer foi a incapacidade destes actores singrarem em hollywood, quando provavelmente teriam carisma para desafios maiores...

Actualmente somos proliferos em casos semelhantes. Marisa Tomei que é um exemplo de uma eterna secundária, Melissa Leo ou Laura Linney, Laura Dern ou Naomi Watts.

Paralelamente temos aqueles actores que se colam a um tipo de filmes que Enaldo enumerou e muito bem... são actores inexpressivos e que só servem para um género de filmes. Considero estes canastrões...

Os anteriores, considero actores que não lhes foi dada a devida oportunidade, ou fizeram más escolhas de carreira.

Abraço!

Tunin disse...

Não gosto de canastrões,mas eles marcaram época. Abraços.

Francisco Sobreira disse...

Antonio,
Discordo de você quanto à inclusão de Crosby, Holden (principalmente) e Cliff Robertson no rol de canastrões. E acrescentaria à sua lista Jeff Chandler, Alan Ladd, Georges Marchal, Mario Lanza (este, para piorar, anida cantava), entre, os do passado, que me ocorrem no momento. Abraço.

Rato disse...

O meu preferido de todos é sem dúvida o Victor Mature no "Sansão e Dalila" que, conforme já expliquei no blogue do Rato, é um dos filmes da minha vida.
Existem muitissimos mais nomes que se enquadram na categoria (julgo que é uma definição que não se adapta ao género feminino), mas existem dois cuja inclusão aqui seria obrigatória: Dana Andrews e, claro, o maior de todos, John Wayne

renatocinema disse...

Boa ideia. Falar dos canastrões foi muito bom.

Cada um tem sua lista e seus nomes em listas semelhantes.

Mas, no geral, gostei muito da sua relação.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Esse tipo de canastrão brucutu, que só troca sopapos em cena, também não suporto, Enaldo.Mas o canastrão clássico tem um certo charme. Por exemplo, sou fã de Alan Ladd e ele é um típico canastrão.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ricardo (As Tertúlias), canastrão é que não falta na história do cinema. Daria para listar uma centena facilmente.
A ideia de uma lista nacional é bem interessante. Começaria por Anselmo Duarte, seguido de perto por Jece Valadão, Geraldo Del Rey, Tarcísio Meira, Francisco Cuoco...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Realmente, Francisco, todos os que você citou estariam muito bem nesta lista. Gosto do Crosby e do Holden - que até se esforçava em um ou outro filme - mas nunca foram grandes atores. Assim creio.

Darci Fonseca disse...

Queiramos ou não, rotular um ator como canastrão é sempre pejorativo, ainda que alguns sejam adoravelmente canastrões, como Victor Mature. Mas deixar Elvis Presley de fora é imperdoável. a não ser que o consideremos Hors Concours.

Yaya Bittersweet disse...

Thankx, adorei aqui!
adoro cinema, me identifiquei bastante...adicionado...beijão!

Sergio Andrade disse...

Muito legal a lista, Antonio, embora não concorde com todos (gosto de Holden, Heston e Peppard).

Abs

Angelus Melo disse...

Mas nessa matéria estão faltando vários. Cadê Rodolfo Valentino, Clark Gable, Marlon Brando e tantos outros?

Andy Santana disse...

Este blog cada vez melhor,
não tem como não gostar dos posts, pra quem ama filmes, isto aqui é puro deleite.

boa semana

Fábio Henrique Carmo disse...

Apesar de canastrões, alguns desses nomes fugiam um pouco da mesmice em algumas ocasiões, como no caso de Holden, Heston e o próprio John Wayne. Este último, por sinal, chegou mesmo a um momento realmente antológico com seu Ethan em "Rastros de Ódio".

Entre os melhores momentos de Cornel Wilde fatou lembrar "Amar Foi Minha Ruína". Abraço!

Ligéia disse...

A expressão do LOUIS JOURDAN na foto... rsrsrs....
Ahh... esses adoráveis canastrões e seus filmes maravilhosos...

Tem um canastrão que eu adoro: Vincent Price!

Original esse post! Muito mesmo.

Beijo.

Mario disse...

Muy intersante lo de la película que recomiendas, tendré presente al director. Y sobre tu lista muchos no los conocía aunque sí varias de las cintas en que han trabajado, por el que siento cierta estima es por Peppard de A tema, serie que me encantaba, como su frase, "me encanta cuando un plan se realiza". Abrazos.

Maxwell Soares disse...

Concordo com você, Antonio, quando diz que os canastrões "se valem da beleza ou do carisma". Penso que o cinema não teria graça sem presença dos tais. Um abraço...

Gilberto Carlos disse...

Também adoro os canastrões. Como você mesmo disse, eles compensam a falta de talento dramátido com muito carisma e é disso que o cinema precisa (também).

Telma Monteiro disse...

Os canastrões e seu charme...Van Johnson era um fofo!

Sonia Brazão disse...

ahahahahahahah... concordo, Antonio Nahud querido.

Dama de Cinzas disse...

John Gavin é tudo de bom nessa foto... rs

Obrigada pela visita e comentário!

Beijocas

Karla Hack dos Santos disse...

Gente que lista!!!
Eles possuem um charme inegável!!!

;D

Rafa Amaral disse...

Boa a lista. Engraçado que, mesmo canastrões, estes, antes, são muito melhores que os atuais - e que nada sabem fazer. O Jourdan, por exemplo, está em filmes memoráveis, e bem fez o Ophuls ao legá-lo ao papel de coadjuvante no belíssimo Carta de uma Desconhecida. Abraços!

Karla Hack dos Santos disse...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR:
Sim.. completinhos... só sem legendas!
Dá para baixá-los com programas específicos... é só dar uma procurada na net que acha fácil...
Vai no canal OPENFLIX tem vários títulos lá!
;D

Mario disse...

Antonio, quería pedirte un favor, como regla general ante la reiteración de algunos participantes de promocionarse constantemente sin aportar nada he puesto que no se deben poner enlaces a otros blogs, veo que tu usas uno como firma, si no es mucho pedir ya que uno tiene que ser igual con todos, quería pedirte que no colocaras el URL a tu bitácora, ya que además es innecesario porque se sobrentiende que apretando en tu nombre uno pasa a tu bitácora, no es necesario colocar el enlace, lo que quiero es enfocarnos en el diálogo, espero me comprendas, sino no puedo publicar el mensaje, esa es la regla. Un abrazo.

Antonio, eu queria pedir um favor, como regra geral contra a repetição de alguns participantes de forma consistente promovido sem contribuir em nada tenho que não devem ser colocados links para outros blogs, vejo que você use um como uma assinatura, se não for pedir muito como um deve ser igual para todos, eu queria pedir-lhe para não colocar a URL do seu blog, e também é desnecessária, pois entende-se que um aperto em seu nome acontece ao seu blog, é necessário colocar o link, eu só quero focar diálogo, espero que você me entende, mas eu não posso publicar a mensagem, que é a regra. Um abraço.

disse...

Sem sombra de dúvida, muitos se valeram mais do carisma do que do talento para ganhar um lugar em Hollywood. Yul Brynner era enigmático e exótico, mas mesmo assim não engulo o fato de ele ter ganhado o Oscar em 1956. Van Jhonson, então, era constantemente ofuscado ao fazer par com Esther Williams.
Que tal uma lista de "canastronas"? Sei que é uma questão de gosto, mas fiquei curiosa pensando em atrizes que eram mais corpo e carisma que talento.
Abraços!

Marcelo C,M disse...

Se alguns canastrões de ontem e hoje sobrevivem, é por dois fatores: Serem espertos e não pararem nunca de trabalhar, para só assim ganhar reconhecimento do seu talento, não pelas interpretações, mas pelo seu esforço. John Wayne é caso clássico, porque sempre quando via um filme dele, sempre via como o mesmo tipo de personagem, mas ele atuou em tantos, mas tantos filmes de faroestes, que poucas pessoas se importavam com a sua interpretação, somente queriam vêr ele em ação.
Victor Mature até que se esforçou em momentos dramáticos como O Manto Sagrado e transmitia certa doçura, mesmo tendo uma presença de grandalhão. Charlton Heston ralou peito em filmes como Os Dez Mandamentos, Bem Hur e principalmente O Planeta dos Macacos, portanto merece crédito.
Um que pode tranquilamente ser citado como canastrão bem sucedido é Johnny Weissmuller. Grande nadador olímpico, mas que não tinha nenhum pingo para interprete acabou sendo chamado para atuar em Tarzan nos anos 30. Atualmente, muitos consideram como o melhor Tarzan da historia do cinema, mesmo sempre ter ficado com a mesma cara de invocado

Rubi disse...

Que lista Antonio!
Aliás, que tema diferente para um post.
De todos, gosto mais do George Peppard; adorei o trabalho dele em Bonequinha de Luxo.

Faroeste disse...

Imperdoável, meu caro Darci, é ninguém se lembrar do canastrão mor do instante, que é o Brad Pitt.
Agora: concordo com o Enaldo. Sua pequena lista está perfeita. Mas também gosto do ponto de vista de M, quando diz; O QUE SERIA O CINEMA SEM OS CANASTRÕES.
Sua lista não está ruim Nahud. Eu tiraria um ou dois dela, ou talvez não tirasse nenhum e pusesse mais um montão.
Muito bom este seu trabalho.
jurandir_lima@bol.com.br

Sonia Brazão disse...

Mais canastra que o Sylvester Stallone só o tal de Chuck Norris. O engraçado é que eles se levam tão à sério, o que os tornam mais canastrões ainda.
Outro grande canastríssimo é o Arnold Schwarzenegger e - please não me xinguem - Hugh Grant!

CEFAS CARVALHO disse...

Excelente texto do amigo Antonio Nahud Júnior sobre canastrões. Se bem que alguns dos listados, perto do Ricardo Macchi (O eterno Cigano Igor) são quase um Laurence Olivier.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Realmente, Darci, falha técnica...rs... O Elvis deveria estar nesta lista.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Sérgio, também gosto de Holden e Peppard, assim como de outros canastrões. Já Heston não me empolga, sempre o achei forçado demais.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Brando, Angelus? Que heresia! Brando é um grande ator. Cheio de maneirismos, certo, mas jamais canastrão.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O Ethan realmente é uma surpresa na filmografia de John Wayne, Fábio. A sua amargura é assustadora, tensa. Já Cornel, realmente está muito simpático em "Amar foi a Minha Ruína", assim como em "Forever Amber".

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ligéia, também adoro o Vincent Price, vou até escrever sobre ele um dia desses. Tão empostado, tão artificial, mas inesquecível.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Rafa, hoje também existem canastrões bem simpáticos: Tom Cruise, Brad Pitt, Hugh Grant etc.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Obrigado pela dica, Karla!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

OK, Mário, compreendo perfeitamente. Cada blogueiro com suas regras. É natural. Saludos!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Também não engulo o Oscar de Brynner, Lê, embora goste de O REI E EU. A estatueta daquele ano era para Kirk Douglas (SEDE DE VIVER) ou James Dean (ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE). Foi uma grande injustiça.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O Johnny Weissmuller também deveria estar nesta lista, Marcelo. Mas são tantos canastrões...rs...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O Peppard está super sedutor em BONEQUINHA DE LUXO, Rubi. Mas ele não passou daí. Fez escolhas ruins sempre com a mesma expressão inerte.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Nem se preocupe, Sonia, o Hugh Grant é canastríssimo!

tozzi disse...

Tenho verdadeiro pavor a George Brent, não sei como esse cara fez tantos filmes. Ele é péssimo e ainda por cima com aquele bigodinho... Nunca entendi como Bette Davis aceitou sua presença em tantos filmes com ela. O John Payne também faz vergonha.

tozzi disse...

Preciso ver outros filmes de Wajda. Só conheço Danton e Katyn. Perfeitos.

Jamil disse...

Esse coisa de admirar canastrão não é a minha cara. Gosto de bons atores e ponto.

Jamil disse...

Wajda vale um post só dele, ou melhor, Nahud, um post sobre veteranos em atividade. Resnais, De Oliveira, Eduardo Coutinho, Allen...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O George Brent merece o prêmio do maior canastrão do cinema, Tozzi. E inacreditavelmente sua carreira foi bem longa.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótima ideia, Jamil. Tá anotado.

Fanzine Episódio Cultural disse...

Heróis sem quadrinhos

Em suas páginas agimos como meninos
Abrindo a grande cortina de recordações
Para viver cenas em preto e branco.

Das tiras de jornais
Mocinhos e bandidos
Tornaram-se heróis e vilões.
Como éramos felizes
E não sabíamos!
Como é triste hoje enxergamos
O vazio do amanhã!

Aí vem o Roy Rogers galopando,
Buck Jones e Tom Mix ali acenam
Final feliz ou incógnito?
A resposta ficou nas lágrimas
De uma donzela.

Nossos heróis se foram
Deixando-nos apenas saudade.
Levaram consigo a certeza
De que homens nos tornaríamos.

Crescemos num mundo concreto
Real, carnívoro, traiçoeiro,
Mísero de valores culturais
Abastado de líderes sem valores.

Os heróis de ontem não têm mais quadrinhos,
Nem espaço nas recordações,
Mas enquanto existir a criança de ontem
Continuarão aventurando-se em nossos corações.

*Agamenon Troyan, poeta mineiro é autor do livro (O ANJO E A TEMPESTADE)

Andressa disse...

Desta vez vou ter que discordar de você caro Falcão. Yul era adorável sim, mas não canastrão. Canastrão é um ator sem talento que tenta de outras formas chamar a atenção, e talento era uma coisa que Yul Brynner tinha de sobra! O rei do Sião foi o papel da vida do Yul tanto nas telas como nos palcos da Broadway, o interpretou até poucos meses antes da sua morte em 1985, e em 1957 quando ganhou o Oscar de Melhor Ator foi por merecimento, nada de injustiça. Amo muito esse ator fantástico e como uma grande fã que sou deixo aqui minha opinião. Abraço.

claudia brando freitas disse...

Concordo plenamente yul era fabuloso tinha uma presença em cena fantástica e sim era um grande ator! Outro que adoro e não considero canastrão eh Vincent price ele foi um cara capaz de interpretar dois papeis num mesmo filme ( o castelo assombrado) com competência e muito charme!