maio 23, 2011

*********** PASOLINI, O POETA ROTEIRISTA

Genial e polêmico, o diretor italiano PIER PAOLO PASOLINI era militante do amor pelo excluído, pelo fora da ordem, escandalizando para mostrar os pontos cegos da civilização

pier paolo pasolini
PIER PAOLO PASOLINI (1922-1975) gostava de afirmar que era, acima de tudo, poeta. Era um homem de letras, portanto. E se fazia tal afirmação, com recorrente ênfase, é porque o contrário dela se lhe afirmava com maior ênfase ainda. Acontece que, homem de cinema, viu-se vítima do poder industrial dessa arte, essencialmente de massa. Desse modo, ficou para história o cineasta, aquele que realizou impactantes, ousados e mesmo desaforados filmes, tais como “Teorema”, “Pocilga” e “Saló ou os 120 dias de Sodoma”, dentre outros. A maioria com roteiro assinado pelo homem com formação em Letras, que, aos sete anos de idade, escreveu seus primeiros poemas, dedicados à sua mãe.


Depois de roteirizar importantes filmes italianos, a exemplo de “A Mulher do Rio” (Mario Soldati) e “As Noites de Cabíria” (Federico Fellini), PASOLINI, homem de teatro também, amante da ópera, escreve o roteiro de um dos mais importantes filmes da história do cinema italiano posterior ao neo-realismo. Trata-se de “A Longa Noite de Loucuras/La Notte Brava”, dirigido por Mauro Bolognini e lançado em 1959. O filme é PASOLINI do começo ao fim, e em grande forma. O cineasta brasileiro Ugo Giorgetti chegou a afirmar, em uma publicação sobre o cinema feito no século XX, que o filme de Bolognini, em verdade, era de PASOLINI, afinal, o primeiro sempre filmou a burguesia e a aristocracia italiana.

elsa martinelli e antonella lualdi em "a longa noite de loucuras"
Em “La Notte Brava”, o que vemos é uma longa noite de ladrões, prostitutas, jovens sem rumo, desajustados, traficantes, receptadores, velhos tarados e o dinheiro corrompendo a juventude (PASOLINI ainda era aquele militante de esquerda que escrevia poemas e romances engajados; depois se afastaria da militância e seguiria seu caminho humanista por conta própria). O filme de PASOLINI/Bolognini começa com duas prostitutas discutindo e, posteriormente, saindo aos tapas. A cena revela todo o enredo: numa Itália falida, miseráveis brigam com miseráveis, por seu sustento. Todo o filme será tomado por falcatruas entre pessoas de mesma classe, vivendo no mesmo barco. Na mesma noite. A briga das mulheres é interrompida por um trio de golpistas – entre eles, o grande ator francês Jean-Claude Brialy – interessado em contratá-las não para uma noite de sexo, mas para despistar a polícia, enquanto tentam vender armas que roubaram, sabe-se lá onde ou de quem.

"salò ou os 120 dias de sodoma"
A noite é realmente longa, mas jamais entediante. As reviravoltas são constantes e a cena final é clássica, digna de constar duma antologia da imagem em movimento. Depois dessa incrível, dessa inesquecível experiência noturna, PASOLINI se acha preparado para dirigir “Accatone”, seu primeiro longa, embora despreparado, como todos nós, para morrer surrado, por cerca de oito horas ininterruptas, em função de sua ousadia e coragem de não só escrever, mas exibir as mazelas e as injustiças do fascismo e da vida do homem moderno, de um modo geral. Em um de seus últimos poemas, PIER PAOLO PASOLINI escreveria:

“Olho com o olho de uma imagem
As propostas de linchamento.
Observo meu próprio massacre
Com a coragem serena de um sábio.”

Texto de HENRIQUE WAGNER
Poeta e Crítico de Literatura e Cinema

Pier Paolo Pasolini
13 ROTEIROS DE PASOLINI

A MULHER DO RIO/La Donna del Fiume (1954)
de Mario Soldatti

NOITES DE CABÍRIA/Le Notti di Cabiria (1957)
de Federico Fellini

A LONGA NOITE DE LOUCURAS/La Notte Brava (1959)
de Mauro Bolognini

O BELO ANTÔNIO/Il Bell’Antonio (1960)
de Mauro Bolognini

A NOITE DE MASSACRE/La Lunga Notte Del’43 (1960)
de Florestano Vancini

CAMINHO AMARGO/La Giornata Balorda (1961)
de Mauro Bolognini

A MOÇA NA VITRINE/La Ragazza in Vitrina (1961)
de Luciano Emmer

ACCATTONE – DESAJUSTE SOCIAL/Accattone (1961)

MAMMA ROMA/idem (1962)

O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS/
Il Vangelo Secondo Matteo (1964)

AS BRUXAS/Le Streghe (1967)

TEOREMA/idem (1968)

SALÓ OU 120 DIAS DE SODOMA/
Salò o Le 120 Giornate di Sodoma (1975)

ettore garofolo e anna magnani em "mamma roma"

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

O QUE ESTÃO FAZENDO

MARTIN SCORSESE E ROBERT DE NIRO

O ator Robert De Niro reencontrará Al Pacino e Joe Pesci no novo longa do diretor Martin Scorsese, "The Irishman". A adaptação cinematográfica do livro "I Heard You Paint Houses" será a nona parceria entre De Niro e Scorsese, entre as quais há produções aclamadas, como "Motorista de Táxi", "Os Bons Companheiros" e "Touro Indomável", entre outros. O filme, que ainda não tem dada para começar a ser rodado, será escrito por Steven Zaillian e contará a história de um assassino mafioso sobre o qual paira a suspeita de envolvimento na morte do líder sindical Jimmy Hoffa. De Niro interpretará Frank "the Irishman" ("o irlandês") Sheeran, a quem são atribuídos 25 assassinatos relacionados com a máfia. De Niro e Pacino trabalharam juntos em "O Poderoso Chefão - Parte II" e "As Duas Faces da Lei", enquanto a parceria com Joe Pesci é mais extensa: "Touro Indomável", "Era Uma Vez na América", "Os Bons Companheiros", "Desafio no Bronx", "Cassino" e "O Bom Pastor".

12 comentários:

M. disse...

Pier Pasolini! Vale muito à pena ser lembrado. Excelente texto! Um abraço e ótima semana.

Marcelo C,M disse...

Assisti NOITES DE CABÍRIA e achei muito show, só não sabia que o roteiro era dele.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Marcelo, Pasolini também foi um dos roteiristas de LA DOLCE VITA, também de Fellini. Mas não foi creditado nos letreiros. Uma pena.

GIANCARLO TOZZI disse...

Magnífico diretor, magnífico roteirista. A sua parceria com Bolognini é especial. E por falar em Bolognini, que tal um post sobre ele, Antonio?

Jamil disse...

Acho perfeitos os dois primeiros filmes de Pasolini: Accattone e Mamma Roma.
Antonio, por falar em Mamma Roma, estou sentindo falta de um perfil de Anna Magnani por aqui.

HENRIQUE WAGNER disse...

Puxa, mas vc tem um talento para ilustrar textos, que é impressionante!!! As fotos que vc escolhe, a diagramação, as cores... Isso é cinema! E o que dizer dos artigos??? Vc percorre todos os escaninhos do cinema. Aquela matéria sobre as revistas é maravilhosa! As capas, então! Seu blog é de um bom gosto insuportável!!!
Parabéns!

Abç!!!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótima idéia, Giancarlo: Mauro Bolognini. A grande Anna Magnani também está na lista, Jamil. Aguardem.

Luiz Santiago disse...

Pasolini é a polêmica em pessoa. Não apenas por Salò, mas o que ele escrevia e dirigia já levantava vozes de todos os lados. Uma figura sem igual.

Marta Scarpa disse...

Você acredita que nunca assisti nenhum filme do Pasolini? Por onde devo começar?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Comece do começo, Marta: ACCATTONE, MAMMA ROMA e O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS.

Rubi disse...

Grande Pasolini!
Por sorte, consegui assistir uma série de filmes que você citou acima. Já não se fazem mais filmes como antigamente.

annastesia disse...

Genial, subversivo, contestador, questionador, criador, incorreto, inquieto, sem papas na língua, etc. São tantos adjetivos e tantas coisas que poderia divagar sobre Paolo, mas prefiro resumir da seguinte forma: essencial e indispensável para qualquer cinéfilo que se preze.