janeiro 08, 2012

****************** ANJOS & DEMÔNIOS


"um anjo caiu do céu"
Segundo a tradição judaico-cristã, os ANJOS são seres celestiais que servem como ajudantes ou mensageiros de Deus. O catolicismo conta que muitas vezes eles foram autores de fenômenos miraculosos, ajudando a humanidade em seu processo espiritual. Já o príncipe das trevas, resultado da fusão de crenças de diferentes culturas, com o poder da Igreja Católica - a partir do séc. XV - passou a representar a maldade, os vícios, os pecados e os sofrimentos do mundo; numa luta eterna contra Deus, os santos e os anjos, e corrompendo a humanidade na sua trajetória. Essa antiga rixa entre o bem e o mal deu origem a variados argumentos cinematográficos. Em um bom número deles, o anjo ou o demônio são personagens importantes, fundamentais para a trama. Entre anjos (Cary Grant, por exemplo) e demônios (Laird Cregar, o melhor de todos), comédias ou dramas sombrios, grandes diretores e prêmios, sucessos de bilheterias e cult movies, o pioneirismo de George Méliès – o primeiro diabo das telas, em 1906 – e a poesia melancólica de Wenders, selecionei os meus filmes favoritos que retratam em destaque anjos ou demônios. Mas será que terminei por esquecer algum longa importante?

ANJOS

robert monrgomery e claude rains
Os Anjos: Claude Rains e Edward Everett Horton
QUE ESPERE O CÉU
(Here Come Mr. Jordan, 1941)
de Alexander Hall
Duas vezes vencedor do Oscar - Melhor História Original e Melhor Roteiro -, conta com atuações tocantes e diálogos inteligentes. Um lutador de boxe (Robert Montgomery) que está a caminho de uma competição, acaba morrendo em um acidente de avião. Ele não deveria ter morrido naquela hora, mas foi levado para o céu por um anjo ansioso (Edward Everett Horton). Agora, a decisão é do chefe do anjo (Claude Rains), que tem que achar um novo corpo para a vítima e dar-lhe uma segunda chance de lutar pelo título. No caminho, o protagonista conhece uma jovem idealista (Evelyn Keyes) pela qual imediatamente se apaixona, e que lhe dá uma nova razão para viver além do boxe.

O Anjo: Henry Travers
A FELICIDADE NÃO SE COMPRA
(It’s a Wonderful Life, 1946)
de Frank Capra
O personagem de James Stewart sempre ajudou a todos, mas pressionado por maquinações de rico vilão (Lionel Barrymore), pensa em suicídio. Um anjo, que está há 220 anos esperando para ganhar suas asas, desçe à Terra para tentar convencê-lo a desistir. Através de flash-backs, ele mostra sua importância na comunidade. Grande filme de Capra. Fracassou nas bilheterias, mas em compensação concorreu ao Oscar de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator.

grant e loretta
O Anjo: Cary Grant
UM ANJO CAIU DO CÉU
(The Bishop’s Wife, 1947)
de Henry Koster
Boas interpretações na história de um anjo que desce à Terra para ajudar um bispo protestante (David Niven) e sua mulher (formosa Loretta Young) a levantar fundos para a construção de uma Igreja. Indicado ao Oscar de Melhor Filme e Melhor Direção.

O Anjo: James Mason
EU E MEU ANJO
(Forever, Darling, 1956)
de Alexander Hall
Último filme da dupla Lucille Ball-Desi Arnaz, ainda no tempo da série “I Love Lucy”. Anjo da Guarda vem à Terra tentar salvar casamento em crise.

law e fonda
O Anjo: John Phillip Law
BARBARELLA
(Barbarella, 1968)
de Roger Vadim
No século 41, uma bela astronauta - Jane Fonda - recebe a missão de capturar um criminoso (Milo O'Shea). Na sua busca, ela seduz um anjo cego que a acompanhará. Fracasso de bilheteria, mas curioso em seus excessos, principalmente para quem gosta de história em quadrinhos. Às vezes me pergunto se Jane Fonda teria vergonha desse trabalho. Possivelmente.

O Anjo: James Mason
O CÉU PODE ESPERAR
(Heaven Can Wait, 1978)
de Warren Beatty e Buck Henry
Um jogador de futebol (Warren Beatty) é mandado para o céu antes da hora. Para arrumar o erro, ele é reencarnado no corpo de um poderoso industrial que acaba de ser assassinado pela esposa (Dyan Cannon) e o amante dela. Enquanto treina para jogar novamente em seu time, envolve-se com uma inglesa (Julie Christie) que protesta contra a poluição causada por uma das indústrias do magnata. Refilmagem de "Que Espere o Céu". Globo de Ouro de Melhor Filme, Melhor Ator e Melhor Atriz Coadjuvante (Cannon) de Musical/Comédia. Grande sucesso. A química entre Beatty e Julie é visível (na época eles viviam um romance apaixonado).

jessica
O Anjo: Jessica Lange
ALL THAT JAZZ – O SHOW DEVE CONTINUAR
(All That Jazz, 1979)
de Bob Fosse
Relato musical semi-autobiográfico da vida do escritor/diretor/coreógrafo Bob Fosse. No filme, ele (Roy Scheider) sofre um enfarte e, com a vida por um fio, revê momentos do passado, transformando-os em sua imaginação em números musicais. Sua atenção é disputada por quatro mulheres: a namorada, a ex-esposa, a filha e o anjo da morte. Concorreu ao Oscar de Melhor Filme e Melhor Direção, entre outros. Um dos últimos grandes musicais do cinema.

bruno ganz
Os Anjos: Bruno Ganz e Otto Sander
ASAS DO DESEJO
(Der Himmel über Berlin, 1987)
de Wim Wenders
Dois anjos vagam na Berlim do pós-guerra. Embora invisíveis aos seres humanos, dão sua ajuda e apoio a todas as almas solitárias e deprimidas que vão conhecendo. Um deles se encontra infeliz com seu estado de imortalidade e deseja tornar-se humano para poder experimentar a vida. Poético e filosófico. Um dos melhores filmes da história do cinema. Wenders levou o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes.

Os Anjos: Bruno Ganz e Otto Sander
TÃO LONGE, TÃO PERTO
(In Weiter Ferne, So Nah!, 1993)
de Wim Wenders
Continuação de “Asas do Desejo”. Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes. Dois anjos da guarda voam sobre Berlim. São invisíveis e benevolentes, porém não podem interferir na vida das pessoas. Então, o anjo das lágrimas (Sander), transforma-se em humano para saber como as pessoas se sentem de verdade.

O Anjo: Penélope Cruz
SEM NOTÍCIAS DE DEUS
(Sin Noticias de Dios, 2001)
de Agustín Díaz-Yanes
A chefe (Fanny Ardant) de um céu cada vez mais vazio, destaca anjo (Penélope Cruz) para salvar a alma de um boxeador, mas ela terá que disputar com outro anjo (Victoria Abril), representante do inferno, que também quer essa alma por razões estratégicas. Uma divertida comédia em que a ótima Victoria Abril rouba facilmente a cena.

DEMÔNIOS

conrad veidt
O Demônio: Conrad Veidt
SATANÁS
(Idem, 1920)
de F. W. Murnau
De origem germânica e nitidamente influenciado por “Intolerância / Intolerance” (1916), de D. W. Griffith, consta de três partes, em cada qual o protagonista representa uma encarnação distinta de Satanás. A primeira delas, “O Tirano”, passa-se no antigo Egito. A segunda parte, “O Príncipe”, decorre no palácio da família Bórgia. A terceira, “O Ditador”, acontece em 1917, na Revolução Russa. Considerado perdido, porém um pequeno fragmento está conservado na Cinématheque Française. Nele, com forte carga erótica para a época, o trecho mostra os amantes egípcios Amenhotep e Nouri deitados em uma almofada. Eles conversam (não há legendas) enquanto trocam carícias. Roteiro de Robert Wiene e fotografia expressionista do mestre Karl Freund.

jannings
O Demônio: Emil Jannings
FAUSTO
(Faust - Eine Deutsche Volkssage, 1926)
de F. W. Murnau
Deus e Satã lutam pelo domínio da Terra. Para isso, fazem uma aposta pela alma de um alquimista erudito e religioso. Quando este se revolta com a enorme quantidade de vítimas da peste bubônica, Satã envia Mefisto para tentá-lo, aproveitando-se de seu momento de fraqueza. Obra-prima universal. Fotografia de sonho e grande atuação de todo o elenco. Murnau é gênio!

O Demônio: Walter Huston
O HOMEM QUE VENDEU A ALMA
(All That Money Can Buy, 1941)
de William Dieterle
Adaptação de um conto de O. Henry sobre fazendeiro (Edward Arnold) que vende sua alma ao diabo. Oscar de Melhor Trilha Sonora (Bernard Herrmann, futuro e habitual colaborador de Hitchcock) e indicado para o Oscar de Melhor Ator (Huston, impecável). Também no elenco, a francesa Simone Simon e a sensacional Jane Darwell, Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por “Vinhas da Ira / The Grapes of Wrath” (1940).

berry em cena
O Demônio: Jules Berry
OS VISITANTES DA NOITE
(Les Visiteurs du Soir, 1942)
de Marcel Carné
No final da Idade Média, um menestrel (Alain Cuny) e sua amiga (a lendária Arletty) chegam ao castelo de um barão (Fernand Ledoux), que está prestes a casar sua filha (Marie Déa). Possuídos pelo diabo, enquanto o menestrel seduz a jovem, sua amiga conquista o prometido (Marcel Herrand). Haverá, no entanto, um embate tenso entre o amor e as forças do mal. Chamado pelos críticos de “irrealismo poético”, para o roteirista-poeta Jacques Prévert, o diabo representava Hitler. O diretor e o roteirista recorreram à Idade Média como um álibi. A direção e os cenários inspiraram-se com êxito nas miniaturas medievais. E teve um sucesso considerável.

laird cregar
O Demônio: Laird Cregar
O DIABO DISSE NÃO
(Heaven Can Wait, 1943)
de Ernst Lubitsch
Certo de que não será aceito no céu, milionário (Don Ameche) morre e vai parar no inferno, onde é recebido pelo diabo, que não tem certeza de que ali é seu lugar. Para convencê-lo, o morto começa a relembrar sua vida, recheada de traições à mulher (belíssima Gene Tierney!), entre outros problemas. Concorreu ao Oscar de Melhor Filme e Melhor Direção. Espetáculo sofisticado, inteligente e muito divertido. No elenco, coadjuvantes importantes: Charles Coburn, Marjorie Main, Spring Byington, Louis Calhern... e Laird Cregar, como um dos diabos mais sedutores e convincentes do cinema. Pena que o ator morreu tão jovem.

O Demônio: Claude Rains
EU E O SR. SATÃ
(Angel on My Shoulder, 1946)
de Archie L. Mayo
Último filme da fértil carreira de Archie L. Mayo. Gangster (Paul Muni, um dos atores mais elogiados da década de 30, ex-estrela da Warner) é morto por seu parceiro e amigo de confiança. Acaba no inferno, onde diabo lhe oferece uma oportunidade para voltar à Terra no corpo de um juiz honesto. Ele aceita a proposta, mas pensa em passar a perna no senhor do mal. Um belo e desconhecido filme independente, lançado pela United Artists.

philipe e simon
O Demônio: Michel Simon
A BELEZA DO DIABO
(Le Beauté Du Diable, 1950)
de René Clair
Velho alquimista (Gérard Philipe) decide se aposentar depois de ver seus esforços frustrados para descobrir os segredos da natureza. Então surge Mefistófeles, seguidor de Lúcifer, lhe oferecendo a juventude perdida e uma nova vida. Só que rejuvenescido, ele desvia o interesse que tinha pela ciência para as conquistas amorosas. Isso fará com que Mefistófeles arme uma série de armadilhas para capturar sua alma. Ótima oportunidade para conferir Gérard Philipe, um dos maiores atores de sua geração.

O Demônio: Claude Rich
O DIABO E OS DEZ MANDAMENTOS
(Le Diable et lês Dix Commandements, 1962)
de Julien Duvivier
O diabo narra os dez mandamentos de forma bem humorada – inclusive confessa gostar da Nouvelle Vague -, em episódios estrelados pela nata do cinema francês: Michel Simon, Alain Delon, Micheline Presle, Charles Aznavour, Lino Ventura, Louis de Funès, Jean-Claude Brialy, Fernandel, Micheline Presle, Charles Aznavour, Lino Ventura, Danielle Darrieux, Françoise Arnoul, Marcel Dalio, Jean-Claude Brialy e Fernandel. Eles valem o ingresso para essa comédia simpática e charmosa. Foi um dos últimos filmes do veterano Duvivier.    

terzieff e clémenti
O Demônio: Pierre Clémenti
O ESTRANHO CAMINHO DE SÃO TIAGO
(La Voie Lactée, 1969)
de Luis Buñuel
Causou bastante polêmica e repercussão. Dois vagabundos (Laurent Terzieff e Paul Frankeur) partem pelo místico caminho de Santiago de Compostela, na Espanha. No decorrer da história, são apresentadas as grandes heresias do cristianismo. O ateu Buñuel no auge de seu talento.  Ainda no elenco, Alain Cuny e Michel Piccoli (como o Marquês de Sade).

O Demônio: Robert De Niro
CORAÇÃO SATÂNICO
(Angel Heart, 1987)
de Alan Parker
Grandes atuações, clima sombrio. Um detetive particular (Mickey Rourke) é contratado por um homem misterioso para descobrir pistas de um cantor desaparecido. A investigação esbarra numa série de mortes violentas e o próprio detetive torna-se suspeito de assassinato. Bonita participação da musa inglesa Charlotte Rampling.


26 comentários:

Enaldo disse...

Não deu tempo para chegar no Al Pacino,rs...

Cristiano Marcell disse...

Caro Antônio, boa noite!

Encontrei seu blog vagando pela net e,como posso dizer que sou aprendiz de cinéfilo, estacionei e passo a te seguir.

Boa parte dos filmes que você sugere neste post eu assisti e considero uns magníficos e outros nem tanto, mas opiniões pessoais sobre alguma película não vem ao caso.

Se me permite,queria humildemente propor a inclusão do longa Uma simples formalidade, em que Gérard Depardieu é envolvido por um delegado durante a trama. Ao final, ficamos sem saber se Polanski é um anjo ou demônio.

Muita paz!

Fábio Henrique Carmo disse...

Só faltou Al Pacino em "Advogado do Diabo". Mas a lista dos anjos ficou perfeita. O primeiro filme que me vem à mente com essa temática é mesmo "Asas do Desejo", um dos mais sublimes filmes já realizados.

linezinha disse...

Interessante essa sua lista Antonio,delas só assiste "A Felicidade não se compra",vou atrás desses filmes citados.
Abç

pinguim disse...

De todos os filmes citados há um que é absolutamente maravilhoso: "As asas do desejo", um dos melhores filmes que já vi.

Rato disse...

Conforme já notado em comentários acima, a ausência de Al Pacino ("The Devil's Advocate") é imperdoável, caro Nahud

J. BRUNO disse...

Apanhado excelente meu caro amigo Antonio, a temática tem mesmo rendido excelentes filmes, conferindo tua lista vi que tenho tido mais intimidade com os anjos (vi poucos dos filmes que tem o cramunhão como personagem...), não lembro no momento de nenhum outro nome que merecesse figurar no teu post!

Parabéns pelo conhecimento invejável!

José Araripe Jr. disse...

Muito bom, o levantamento. o Cinema baiano tb já visitou o tema

Rodrigo Mendes disse...

A combinação cinema +anjos e demônios às vezes funciona, outras não! Vamos dizer que o filminho de Ron Howard (Anjos e Demônios) esteja envelhecendo como o antecessor O Código Da Vinci.

Bela seleção Antonio, a obra de Murnau é realmente genial, tb amo Fausto apesar de ter mais medo do Nosferatu (um demônio que faltou aqui).

Asas do Desejo do Wenders é um grande filme. Outro filme angelical péssimo é a série "Anjos Rebeldes" com Christopher Walken. Talvez só o primeiro vale a pena.

Sem Notícias de Deus é muito criativo. Deu até vontade de rever!

Abs.

disse...

Gosto muito quando Cary Grant enfeita a árvore de Natal num passe de mágica em "Um anjo caiu do céu". E como esquecer "Asas do Desejo"?
Interessante como a figura do demônio despertou atenção desde o cinema mudo.
Abraços!

Matheus Fragata disse...

Meu amigo, sua criatividade não tem limites! Ótimo post!!!

Jamil disse...

Nunca tinha ouvido falar de Eu e o meu Anjo. Quer dizer que Mason foi anjo duas vezes? Ele não tinha cara de anjo de jeito nenhum... rs... E a direção é do Hall, o mesmo do bonito Que Espere o Céu (superior ao remake de Beaty).

Marcelo C,M disse...

Assisti Fausto recentemente (para o curso que eu irei fazer) e achei gênial. A parte em que o dêmonio lança uma peste na cidade, de cara, da para ver que serviu de inspiração para o Disney fazer o ato final de Fantasia.

Faltou mesmo Al Patino do Advogado do Diabo e Jack Nicholson As Bruxas de Eastwick.

M. disse...

Antonio, você na verdade fez um grande apanhado, uma pesquisa nem tão simples assim de fazer. Gostei de ver e ler.

Ana Paula Chagas disse...

Antônio, estou te devendo, eu sei! Law e Lange são os meus anjos cult!

Mario disse...

Como siempre muy buena la lista que has hecho, he visto el cielo sobre Berlín y heaven can wait con Warren Beatty, espléndidas películas. Me gustaría ver principalmente la de Lubisch y la de Duvivier, pero realmente todas que son excelentes menciones. Barbarella seguro será una mala película pero ver la belleza de Fonda debe ser muy grato, voy a ver si la consigo. Un abrazo.

Márcio Sallen disse...

Postagem ótima! Mas, faltou o John Milton, do Al Pacino, embora eu reconheça não entra no escopo de clássicos que você sempre seleciona.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Enaldo, eu nunca assisti esse filme do Pacino...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Seja bem vindo, Cristiano. Vi UMA SIMPLES FORMALIDADE e é como vc disse: "ficamos sem saber se Polanski é um anjo ou demônio". Portanto...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Fala de O ANJO NEGRO, Araripe? Com o meu querido Mário Gusmão como protagonista....

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

ANJOS REBELDES é muito ruim, Rodrigo...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Realmente James Mason não tinha cara de anjo, Jamil. Mas se saiu bem nas duas atuações. A comédia dele com o casal Lucille-Desi é bem simpática. Veja.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Marcelo, FAUSTO para mim é um dos maiores filmes da história do cinema... Sensacional... E você me lembrou bem, falhei feio ao esquecer o Jack Nicholson "As Bruxas de Eastwick".

tozzi disse...

Barbarella é péssimo, intragável, incluindo o anjo Law no pacote. Do cão, fico com De Niro e o Nicholson que vc não listou.

Ligéia disse...

Para mim os demônios convencem mais, dado a maldade humana e seus infortúnios. Anjos apenas comovem. Coração Satânico é excelente!
Antonio, além de Jack Nicholson, também faltou Al Paccino em O Advogado do diabo.
Lembrando que na comédia "Endiabrado" o satanás fica por conta da atriz (e estilista) Elizabeth Hurley.

Adorei o post.
Abraço pra você.

Ligéia disse...

Al Pacino, perdão.