junho 19, 2016

************ BONECAS À ITALIANA

claudia cardinale
Em “A Longa Noite de Loucuras / La Notte Brava” (1959), do subestimado Mauro Bolognini, o roteiro de linguagem popular do poeta Pier Paolo Pasolini retrata um universo suburbano de vagabundos, ladrões e prostitutas que fazem tudo por dinheiro. Elas rodam bolsinha nos becos, eles as exploram. Encantado com a beleza do elenco feminino (Rosanna Schiaffino, Antonella Lualdi, Elsa Martinelli, Mylène Demongeot e Anna Maria Ferrero), viajei nostalgicamente em ATRIZES ITALIANAS dos anos 1940-50-60. Deu-me uma saudade danada das despretensiosas e picantes comédias em episódios estreladas por elas. “O Ouro de Nápoles / L'oro di Napoli” (1954), “Boccaccio 70 / Boccaccio’70” (1962), “Ontem, Hoje e Amanhã / Ieri, Oggi, Domani (1963), “Três Noites de Amor / 3 Notti d'Amore (1964), “As Bonecas / Le Bambole” (1965), “As Rainhas / Le Fate” (1966), entre outras.

Inicialmente, a Itália apresentou o talento e a formosura de Isa Miranda e Alida Valli. Ainda assim, até o finalzinho da década de 1940, o cinema italiano não era conhecido especialmente pela beleza de suas estrelas. Francesca Bertini, Anna Magnani, Lea Padovani, Valentina Cortese, Clara Calamai ou Carla Del Poggio eram reconhecidas como divas dramáticas. O panorama se modificou radicalmente com a consagração internacional de Silvana Mangano em “Arroz Amargo / Riso Amaro” (1949), o terceiro filme do neo-realista Giuseppe De Santis. Numa história de paixões e cobiças, mostrando coxas maravilhosas e perfeitas, a protagonista é símbolo de vida, de alegria e de feminilidade. Exalando sensualidade a cada movimento, Silvana foi considerada a Rita Hayworth italiana.

silvana mangano em arroz amargo
Uma das maiores estrelas do cinema de todos os tempos, uma mulher de magnífica beleza, e que teria interpretações admiráveis em filmes clássicos, alçada a símbolo sexual em todo o mundo, Silvana Mangano aceitou alguns insistentes convites para filmar em Hollywood, mas firmou sua excelência em seu próprio país. Como ela, outras ATRIZES ITALIANAS deixaram sua marca no cinema norte-americano, de Alida Valli a Valentina Cortese, de Anna Magnani a Sophia Loren, de Gina Lollobrigida a Claudia Cardinale, de Pier Angeli a Virna Lisi.

Na década de 1950, as curvas provocantes, coxas generosas e seios fartos das estonteantes Silvana Mangano, Sophia Loren e Gina Lollobrigida correram mundo e páginas de revistas. Surgiu uma geração de beldades femininas que deixaria boas lembranças. Algumas começaram em concursos de beleza. Embora com currículo de excelentes filmes, musas de magistrais diretores, nem todas eram boas atrizes.

São garotas inesquecíveis. Para matar a saudade, listo vinte e quatro ATRIZES ITALIANAS. Para conhecê-las melhor (ou pela primeira vez), sugiro três bons filmes de cada atriz. Algumas não nasceram na Itália, mas construíram a carreira principalmente na terra de Vittorio De Sica, sendo reconhecidas como estrelas locais (Cardinale, Podestá, Koscina etc.). Muitas estão vivas. Claudia Cardinale, Giovanna Ralli, Lucia Bosé, Sandra Milo, Sophia Loren e Stefania Sandrelli ainda hoje fazem cinema e tevê.

ALIDA VALLI
(Croácia. 1921 – 2006)

O TERCEIRO HOMEM / The Third Man (1949), de Carol Reed; SEDUÇÃO DA CARNE/ Senso (1954), de Luchino Visconti; O GRITO / Il Grido (1957), de Michelangelo Antonioni.

ANNA MARIA FERRERO
(Roma. 1934)

OS AMANTES DE FLORENÇA / Cronache di Poveri Amanti (1954), de Carlo Lizzani; GUERRA E PAZ / War and Peace (1956), de King Vidor; A LONGA NOITE DE LOUCURAS / La Notte Brava (1959), de Mauro Bolognini.

ANTONELLA LUALDI
(Líbano. 1931)

O VERMELHO E O NEGRO / Le Rouge et Le Noir (1954), de Claude Autant-Lara; A LONGA NOITE DE LOUCURAS / La Notte Brava (1959), de Mauro Bolognini; FALA-SE DE MULHERES / Se Permettete Parliamo di Donne (1964), de Ettore Scola.

                                              CLAUDIA CARDINALE
(Tunísia. 1938)

O BELO ANTÔNIO / Il Bell’Antonio (1960), de Mauro Bolognini; O LEOPARDO / Il Gattopardo (1963), de Luchino Visconti; FELLINI 8½ / 8½ (1963), de Federico Fellini.

ELEONORA ROSSI DRAGO
(Genoa, Liguria. 1922 – 2007)

AS AMIGAS / Le Amiche (1955), de Michelangelo Antonioni; VERÃO VIOLENTO / Estate Violenta (1959), de Valerio Zurlini; AQUELE CASO MALDITO / Un Maledetto Imbroglio (1959), de Pietro Germi.

ELSA MARTINELLI
(Grossetto, Toscana. 1935)

DONATELLA / Idem (1957), de Mario Monicelli; A LONGA NOITE DE LOUCURAS / La Notte Brava (1959), de Mauro Bolognini; O PROCESSO / Le Procès (1962), de Orson Welles.

GIANNA MARIA CANALE
(Reggio di Calabfria. 1927 - 2009)

SPARTACUS / Spartaco (1953), de Riccardo Freda; MADAME DU BARRY / idem (1954), de Christian-Jaque; OS VAMPIROS / I Vampiri (1956), de Riccardo Freda.

GINA LOLLOBRIGIDA
(Subiaco. 1927)

FANFAN LA TULIPE / Idem (1952), de Christian-Jaque; PÃO, AMOR E FANTASIA / Pane, Amore e Fantasia (1953), de Luigi Comencini; A ROMANA / La Romana (1954), de Luigi Zampa.

GIOVANNA RALLI
(Roma. 1935)

QUANDO O AMOR É MENTIRA / Le Ragazze di San Frediano (1955), de Valerio Zurlini; ERA NOITE EM ROMA / Era Notte a Roma (1960), de Roberto Rossellini; LA VITA AGRA (1964), de Carlo Lizzani.

ISA MIRANDA
(Milão. 1909 – 1982)

A MULHER DE TODOS / La Signora di Tutti (1934), de Max Ophuls; ZAZÁ / Idem (1944), de Renato Castellani; TRÊS DIAS DE AMOR / Le Mura di Malapaga (1949), de René Clement.

LEA MASSARI
(Roma. 1933)

A AVENTURA / L'Avventura (1960), de Michelangelo Antonioni; UM DIA DE ENLOUQUECER / La Giornata Balorda (1960), de Mauro Bolognini; SÔPRO NO CORAÇÃO / Le Souffle au Coeur (1971), de Louis Malle.

LUCIA BOSÉ
(Milão. 1931)

CRIMES DA ALMA / Cronaca di un Amore (1950), de Michelangelo Antonioni; ROMA ÀS ONZE HORAS / Roma Ore 11 (1952), de Giuseppe De Santis; ABANDONADA / Gli Sbandati (1955), de Francesco Maselli.

MARISA ALASSIO
(Turim. 1936)

POBRES, MAS BELAS / Poveri ma Belli (1957), de Dino Risi; OS NAMOROS DE MARISA / Marisa La Civetta (1957), de Mauro Bolognini; VENEZA, A LUA E VOCÊ / Veneza, La Luna e Tu (1958), de Dino Risi.

MONICA VITTI
(Roma. 1931)

A AVENTURA / L'Avventura (1960), de Michelangelo Antonioni; A NOITE / La Notte (1961), de Michelangelo Antonioni; CIÚME À ITALIANA / Dramma della Gelosia (Tutti i Particolari in Cronaca) (1970), de Ettore Scola.

PIER ANGELI
(Cagliari, Sardenha. 1932 – 1971)

TERESA / Idem (1951), de Fred Zinnemann; PAIXÃO E CARNE / Flame and the Flesh (1954), de Richard Brooks; MARCADO PELA SARJETA / Somebody Up There Likes (1956), de Robert Wise.

ROSSANA PODESTÁ
(Líbia. 1934 - 2013)

ULISSES / Ulisse (1954), de Mario Camerini; HELENA DE TRÓIA / Helen of Troy (1956), de Robert Wise; SETE HOMENS DE OURO / Sette Uomini D’Oro (1965), de Marco Vicario.

ROSSANA SCHIAFFINO
(Genoa, Liguria. 1939 - 2009)

A PROVOCAÇÃO / La Sfida (1958), de Francesco Rosi; A LONGA NOITE DE LOUCURAS / La Notte Brava (1959), de Mauro Bolognini; A CIDADE DOS DESILUDIDOS / Two Weeks in Another Town (1962), de Vincente Minnelli.

SANDRA MILO
(Tunísia. 1933)

COMO FERA ENCURRALADA / Classe tous Risques (1960), de Claude Sautet; FELLINI 8½ / 8½ (1963), de Federico Fellini; JULIETA DOS ESPÍRITOS / Giulietta degli Spiriti (1965), de Federico Fellini;

SILVANA MANGANO
(Roma. 1930 – 1989)

ÉDIPO REI / Edipo Re (1967), de Pier Paolo Pasolini; TEOREMA / Idem (1968), de Pier Paolo Pasolini; VIOLÊNCIA E PAIXÃO / Gruppo di Famiglia in un Interno (1974), de Luchino Visconti.

SILVANA PAMPANINI
(Roma. 1925 - 2016)

CORAÇÃO DE MULHER / Um Marito per Anna Zacheo (1953), de Giuseppe De Santis; A TORRE DOS PRAZERES / La Tour de Nesle (1955), de Abel Gance; A BELA DE ROMA / La Bella di Roma (1955), de Luigi Comencini.

SOPHIA LOREN
(Roma. 1934)

DUAS MULHERES / La Ciociara (1960), de Vittorio De Sica; MATRIMÔNIO A ITALIANA / Matrimonio all'Italiana (1964), de Vittorio De Sica; UM DIA MUITO ESPECIAL / Una Giornata Particolare (1977), de Ettore Scola.

STEFANIA SANDRELLI
(Viareggio, Toscana. 1946)

SEDUZIDA E ABANDONADA / Sedotta e Abbandonata (1964), de Pietro Germi; O CONFORMISTA / Il Conformista (1970), de Bernardo Bertolucci; NÓS QUE NOS AMÁVAMOS TANTO / C'eravamo Tanto Amati (1974), de Ettore Scola.

SYLVA KOSCINA
(Croácia. 1933 – 1994)

O FERROVIÁRIO / Il Ferroviere (1956), de Pietro Germi; A GREVE DO SEXO / Jessica (1962), de Jean Negulesco; JULIETA DOS ESPÍRITOS / Giulietta degli Spiriti (1965), de Federico Fellini.

VIRNA LISI
(Jesi, Marche. 1936 - 2014)

CASANOVA 70 / Casanova’70 (1965), de Mario Monicelli; CONFUSÕES À ITALIANA / Signore & Signori (1966), de Pietro Germi; O SEGREDO DE SANTA VITÓRIA / The Secret of Santa Vittoria (1969), de Stanley Kramer.


76 comentários:

。♥ Smareis ♥。 disse...

Que linda essa mulheres. Uma beleza que não se encontra muito mais nas mulheres de hoje. Adorei seu post!Desejo uma ótima quinta-feira com final de semana maravilhoso. Bjs!
Smareis

Gilberto Carlos disse...

Grandes musas do cinema italiano. MInhas preferidas são Stefania Sandrelli e Gina Lolobrigida.

Juliano Verardi disse...

Valeu, cara. Teu blog tb é muito bom, já estou seguindo. Abraço.

Enaldo disse...

Nossa, por que as mulheres de antigamente era mais bonitas do que as atuais? Essas italianas dão um banho em qualquer Julia Roberts ou Lady Gaga da vida.

Eu adoro séries, House, The big band theory, Modern Family, Two and a half men, etc, são as novelas que eu posso gostar, rs...

E. SANCHES disse...

Possuo vários Espaghettis Westerns com estas atrizes, inclusive um com raro elza Martinelli "La Belle Star" em que ela da um show de como atuar com aqueles cowboys sujos, barbudos, fedorentos e malvados. Essas italianas realmente tinham algo especial e deixavam lembranças em seus filmes.
Elas eram "FEMININAS".

Gustavo disse...

Desconheço a maioria, mas me curvo diante da eterna musa Cardinale!

Edivaldo Martins disse...

GINA, CERTAMENTE, É A MAIS LINDA BONECA ITALIANA. ALIAS ELA TEM UM FILME QUE SE CHAMA AS BONECAS, QUE DEU MUITO PANO PRÁ MANGA. LEMBRA-SE?

Edivaldo Martins disse...

A BELA GIANNA MARIA CANALE, CITADA POR VOCÊ NA EXCELENTE REPORTAGEM FILMOU NO BRASIL AO LADO DO GALÃ ANSELMO DUARTE. O FILME É O CAÇULA DO BARULHO DIRIGIDO PELO ITALIANO RICARDO FREDDA. O ELENCO AINDA TEM OSCARITO E GRANDE OTELO.

Edivaldo Martins disse...

NAHUD, GIANNA ERA UM COLÍRIO PARA NOSSOS OLHOS. VI PELA PRIMEIRA VEZ A GIANNA NO FILME AS FAÇANHAS DE HÉCULES, COM STEEVE REEVES!

NEUZAMARIA KERNER disse...

QUERIDO,
VOTEI NO SEU BLOG (TOP BLOG 2011) E ARRANJEI MAIS GENTE PRA VOTAR.

TENHA A CERTEZA DE QUE EU VOTARIA INDEPENDENTEMENTE DA BONITEZA QUE VC FEZ PRA PUBLICAR MEU TEXTO. VOTEI PORQUE SEI DO SEU ESFORÇO, DA SUA BATALHA E ACIMA DE TUDO PORQUE O BLOG É MUITO BOM.
BJ

Neuzamaria Kerner
www.neuzamariakerner.blogspot.com

Roderick Verden disse...

Minhas preferidas: Claudia Cardinale e Elsa Martinelli.
E a Sophia Loren?

Gilberto Carlos disse...

Antonio, encontrei o link para baixar O filme O casal. Dá uma olhada em http://gilbertocarlos-cinema.blogspot.com/2011/07/sonia-braga-de-a-z.html

David M. disse...

Me encanta Virna Lisi, y Stefania Sandrelli, pero echo en falta a Florinda Bolkan!

Pena disse...

Fantástico Amigo:
Fellini, Truffaut, Bergman entre outros fizeram parte da minha exclusiva paixão das "Telas do Sonho".
Havia actrizes majestosas e lindas. De perfeição todas elas.
Abraço amigo perante uma pesquisa exaustiva e brilhante sua, brilhante e estimado amigo.
Bem-Haja, pela visita extraordinária no meu blogue.
Com respeito pelo seu gigantesco talento.
Sempre a admirar o que "confecciona" de beleza.

pena

Excelente.
Bem-Haja, notável amigo.
Adorei.

Edison Eduardo d:-) disse...

Nossa, Antonio, eu não sabia que a Kate tinha ganhado o prêmio pela Mildred!!!! Vi o filme que deu origem através da amiga em comum de blog, a Danielle!!!! Ontem estive com ela aqui no Rio e ela recomendou a serie de novo!!! Vou ter que ver, né? Aquele abraço!!!

CEFAS CARVALHO disse...

Quanto às musas italianas, recordo de uma que foi minha musa maior nos anos 80: Ornella Muti, que além de lindíssima era razoável atriz. lembro dela em filmes como "Crônica do amor louco" e "O amante bilíngue".

Rodrigo Mendes disse...

Belas donnas neste belo post Antonio.
Minha favorita, se não for blasfêmia, é a Claudia Cardinale. Para sempre a estrela de Era Uma Vez No Oeste.

Abraço.

Ritinha Santana disse...

Parabéns, seu blog é lindo demais!

Já votei! beijos!

Ligéia disse...

Lindíssimas! Mas, Sophia Loren é a mais linda. Impressionante a beleza dessa mulher. É linda ainda, na idade em que está. Por que não tem foto dela?

Ligéia disse...

Ah!... esqueci: Adoro as séries: House, Law&Order (todos), Psych, C.S.I., e outras que já tiveram suas temporadas encerradas como Crossing Jordan e ER.

Um abraço, Antonio.

tozzi disse...

não troco nenhuma dessas gostosonas pela sofia loren. é a rainha absoluta. a lollô, que também era muito popular, não passava de uma péssima atriz. na simpática série "pane, amore..." é apagada por de sica e marisa merlini. não sei como conseguiu chegar aos filmes hollywoodianos, ou melhor, sei, tinha umas belas tetas.

tozzi disse...

"moderny family" mereceu o emmy. é irreverente, inteligente e divertida.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dessas, fico com a Sandrelli, Gilberto. Uma atriz que vem atravessando décadas com vigor e talento.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Preciso aprender a gostar de séries, Enaldo. Parei em ARQUIXO X e TWIN PEAKS...rs

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Não conheço esse western da Martinelli, E. Sanches. Fiquei curioso. Quem é o mocinho?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

A Cardinale era um colírio, Gustavo. É sempre bom vê-la na tela.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

A comédia em episódios AS BONECAS é muito divertida, Edivaldo. A Gina seduz um moço (Jean Sorel) que está se preparando para ser padre. Sabia da passagem de Gianna pelo Brasil. Ela veio com o marido Riccardo Freda, fez dois filmes. Ele tinha um contrato de trabalho local.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Obrigado pelo voto, Neuzamaria. O seu texto sobre MELANCOLIA é maravilhoso.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Roderick, desta vez deixei a Sofia, a Silvana Mangano e a Alida Valli de lado, já que sempre estou escrevendo sobre elas por aqui.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ôpa!!! Obrigado, Gilberto. Será bom rever Soninha Braga antes da consagração geral.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

David, não citei a Florinda por ela ser brasileira, assim como Sylva Koscina (iugoslava) e Jacqueline Sassard (francesa.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Veja urgentemente a minissérie, Edison. É muito boa. Viu o filme LONGE DO PARAÍSO? Se gostou, irá gostar deste novo trabalho de Todd Haynes. Todo o elenco está perfeito.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Sim, Cefas... Ornella, claro... de "Flash Gordon", lembra? Tem um filme dela muito bom com o Gerard Depardueu, creio que é do Marco Ferreri...A minha musa italiana são duas: Silvana Mangano (como esquecê-la em TEOREMA?) e Monica Vitti... Bem lembrado... preciso resgatar Vitti..

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Tozzi, realmente a Gina era canastrona, mas muito popular em todo o mundo. Ela fez poucos filmes em Hollywood e quase todos são fraquinhos. Gosto de TRAPÉZIO e QUANDO SETEMBRO VIER.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Tozzi, assisti MODERN FAMILY duas ou três vezes. Hilária, louca de dar nó e coisa e tal... Mas sinceramente não sei se merece prêmios... É apenas um ZORRA TOTAL mais irreverente.

Leandra disse...

Admiro as atrizes italianas dramáticas, densas, estilo Anna Magnani e Giulietta Masina.

Leandra Leal

siby13 disse...

Todas lindas as musas italianas.
Carregadas de beleza e personalidade, lembrando sempre um pouco a mulher brasileira.
Minha preferida é a CLAUDIA CARDINALE, que além de bela , tem um talento extraordinário.
Parabéns amigo Antonio pela reportagem e por continuar a enriquecer o BLOG que é o melhor em matéria de cinema.

:)

disse...

Realmente, lindíssimas... A Itália nos ofereceu (e oferece) belos e talentosos astros e estrelas de cinema!

Darci Fonseca disse...

Dio mio, tutti questi belissime donne. Una più bella que l'altra. Gina mi piace ancora da più. Grandíssimo post, caro Antonio.

Rubi disse...

Todas são lindas e talentosas. Como a Lê disse, a Itália nos 'presenteou' com grandes astros e estrelas.

Belíssimo post!

Faroeste disse...

Nahud,

Neste haren de deusas não dá para se individualizar. São todas muito belas.
Que achado este seu!!!
jurandir_lima@bol.com.br

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Leandra, amo as atrizes dramáticas italianas (Cortese, Mangano, Magnani, Valli, Miranda etc.), mas também admiro essas deusas conhecidas geralmente por comédias e sensualidade exuberante. "A Longa Noite de Loucuras", que conta com várias delas no elenco (Lualdi, Ferrero, Martinelli e Schiaffino), prova a importância de cada uma delas. Já vou esse filme? Não perca. É uma obra-prima.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Obrigado pela palavras generosas, Sybele (Sybil13). A sua presença por aqui me encanta. Você e Cristina Queiróz são as "madrinhas" deste blog.

Luiz Santiago disse...

Absolutamente lindas! Mais uma vez vou falar da tua perfeita escolha de fotografias em relação ao texto!

Adecio Moreira Jr. disse...

Para quem pensava que as brasileiras eram as mais belas do mundo: eis as italianas!!!

^^

Jamil disse...

Ualll!!!... o que é que é isso? ... Sereias de Homero... A sensualidade de Marisa Alassio é de cortar a respiração. Bravo, Nahud.

Jamil disse...

Não entendo muito bem o Emmy. Não me parece sério.

Anatércia Contreiras disse...

Antonio, ainda nem lhe agradeci a visita em meu blog e o elogio, é claro. Mas, a reciproca é verdadeira pois sou sua fã incondicional e considero seu blog absolutamente interessante, chega a ser uma perdição porque não consigo simplesmenta dar uma olhadela e acabo ficando por aqui mais tempo do que efetivamente posso. Passo por ele quase todos os dias e às vezes faço um comentário mas por displicência acabo não conseguindo postar (rs). Adorei rever as divas italianas. Abs

Leandro Afonso disse...

Não fui o único, mas senti muita falta de Monica Vitti.

Carla Marinho disse...

Oi antonio, esse post foi indicado no links da semana:
http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/09/links-da-semana-de-18-2509.html

Foram indicados também outros. Confere lá. abração e boa semana.

André Setaro disse...

As belas e insubstituíveis divas do cinema italiano. Belo post. Seu blog se ajusta ao nome dado, pois o que se vê por aqui, relíquias de um tempo que o vento já levou, são tesouros dignos de um 'falcão maltês'.

André Setaro disse...

Sim, concordo com Leandro. E Monica Vitti?

Rato disse...

Papel de fundo no blog prejudica - e muito - o desenrolar dos posts

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

A sensualidade de Marisa Alassio se destacava, Jamil. Ela era de uma família da nobreza italiana e trabalhou poucos anos no cinema, de 1952 a 1958.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Leandro e Setaro, a ausência de Monica Vitti foi estratégica. Ela é uma das minhas atrizes favoritas, pretendo escrever um artigo somente sobre ela. Além disso, essa lista abrange atrizes conhecidas mais bela beleza versus sensualidade e menos por sua qualidade de intérprete. A Vitti era uma grande atriz. Portanto...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Obrigado por mais essa dica, amigo Rato. Já retirei o papel de fundo.
Abraços

。♥ Smareis ♥。 disse...

Essa foto da Gina Lollobrigida, está perfeita. Linda demais. Beijos e ótimo começo de semana.
Smareis

M. disse...

Antonio,

Amei essa sua postagem. Linda homenagem às divas do Cinema Italiano. Abraço e bom domingo.

Maxwell Soares disse...

Parabéns pelo blogger. Gostei...

Marta Scarpa disse...

Senti falta de Sylva Koscina, Anita Ekberg, Florinda Bolkan e Jacqueline Sassard (que por sinal está em "A longa noite de loucuras"). Sei que não nasceram na Itália, mas fizeram carreira nos estúdios Cinecittá. Além do mais, a Claudia Cardinale nasceu na Tunísia. Recorda? O post está glamouroso e enriquecedor. Todas elas merecem que conheçamos seus filmes. Grazie, Nahud.

Leandra disse...

Votei no seu blog. Ele merece o TOP BLOG 2011. O FALCÃO MALTÊS é uma delícia para todos aqueles que amam cinema.

Leandra Leal

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Marta, sei que Claudia Cardinale nasceu na Túnisia, mas era naturalizada italiana. Gosto de todas as atrizes que você citou, inclusive já escrevi aqui sobre Florinda, mas fica para uma próxima. Grato pelo comentário.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Grato pelo voto, Leandra. Tudo de bom.

Thiago Priess Valiati disse...

Muito bom o post! Fez uma boa compilação. Agradeço a visita no Cult Fiction. Apareça sempre. Abraços!!

Rafael Carvalho disse...

Mais uma bela seleção de moças lindas, mas Claudia Cardinale é imbatível!

Sarah disse...

Definitivamente, já não há beleza assim! Grandes actrizes.

Sarah
http://depoisdocinema.blogspot.com

Felipe Rocha disse...

Mulheres lindas!! E com um talento tb ímpar! Mto bom o post.

Estava viajando esses dias.. mas voltei com gás total ao mundo do cinema!!

Um abraço!

Michael Carvalho Silva disse...

Faltaram outras lindas e maravilhosas atrizes italianas que são verdadeiras musas cinematográficas e genuínas deusas da beleza feminina como Gloria Guida, Carla Gravina, Stefania Rocca (que por sua vez é a Gina Holden italiana) e a deslumbrante e maravilhosa Agostina Belli que era realmente belíssima e adorável por inteiro além de ser uma excelente e carismática atriz.

Michael Carvalho Silva disse...

Outra lendária e adorável beleza italiana que eu esqueci de citar é a Edwige Fenech que é simplesmente maravilhosa.

Michael Carvalho Silva disse...

A Morena Valentina Cortese e a loura Isa Miranda eram duas belíssimas, magníficas, espelendorosas e espetaculares belezas clássicas do cinema italiano além de serem duas excelentes e digníssimas atrizes. As estrelas de cinema italianas são geralmente muito lindas e talentosas não deixando nada a dever em beleza e talento para as atrizes francesas, suecas e inglesas por exemplo.

Antonio Francisco Sousa disse...

Grandes atrizes e Divas !

Eraldo Urano disse...

É muita mulher linda, um tipo de beleza que não existe mais, Acho que Sophia Loren, Gina Lollobrigida e Claudia Cardinale são as mais populares. Destaco Rossana Podestá como uma boneca, formosa de rosto e um corpo escultural. Sylva Koscina mostrou muito seus dotes físicos em fotos e nos filmes, mas ela participou de um dos melhores filmes italianos que eu assisti, "O Ferroviário". Stefania Sandrelli, mais madura, fez filmes com um erotismo... Tinha um tipo mais suave, como Antonella Lualdi, Lucia Bosè e Pier Angeli. Alida Valli e Virna Lisi eram mulheres de beleza extraordinária. Monica Vitti, não tão bela, foi a musa da incomunicabilidade de Antonioni e depois enveredou pelas comédias.Silvana Mangano começou como maggiorata e depois se sofisticou.

Rogério M Nunes disse...

Todas lindas, inclusive Silvana Mangano

Glauce Saffi Boso disse...

Lindas e talentosas!

Elizabeth Remor disse...

Belas e talentosas atrizes, verdadeiras damas.

Sibele Gava disse...

Lindíssimas e talentosas, um deslumbre!