julho 30, 2011

*********** OS RUSSOS ESTÃO CHEGANDO



A significância do CINEMA RUSSO é notória. Inicialmente influenciado pelo construtivismo, o cubismo francês e o futurismo italiano, incorporou experiências sensoriais ligadas ao abstrato gráfico, ao espiritual e ao funcional, em busca de uma linguagem própria. Resultando, nessa extraordinária fusão, em filmes célebres como o politizado “Encouraçado Potemkin/ Bronenosets Potyomkin” (1925), de Sergei Eisenstein, e o experimental “O Homem com Uma Câmera/Chelovek s kino-apparatom” (1929), de Dziga Vertov. Pioneiros da linguagem, da teoria e da estética cinematográfica, sugerindo e definindo padrões, ganharam prêmios importantes e correram mundo. Um dos maiores cineastas russos, Andrei Tarkovsky, inovou a linguagem e a estética cinematográfica com realizações poéticas/filosóficas marcadas por símbolos, durante o período do chamado “Degelo”, nas décadas de 60 e 70. Selecionei os seus três filmes que mais admiro, assim como os de outros seis diretores do país de Dostoievski. Para quem não conhece o CINEMA RUSSO, possivelmente esta lista será pertinente, um verdadeiro caminho para infinitas descobertas. O produto final é uma série de obras-primas, de impacto, que legitimam sua permanência como um referencial na história do cinema. Por fim, antes que me crucifiquem, um aparte: Aleksandr Sokurov, o realizador de “Pai e Filho/Otets i Syn” (2003),  não foi descartado, apenas resguardado para um post - mais adiante - somente sobre ele.


ALEKSANDR DOVZHENKO
(1894-1956)

ARSENAL/Apcehan(1929)
TERRA/Zemlya (1930)
ZVENIGORA/Idem (1928)


terra


ANDREI TARKOVSKY
(1932-1986)

ANDREI ROUBLEV/Idem (1966)
SOLARIS/Solyaria (1972)
O SACRIFÍCIO/Offret (1986)

andrei rublev


MIKHAIL KALATOZOV
(1903-1973)

QUANDO VOAM AS CEGONHAS/Letyat Zhuravli (1957)
EU SOU CUBA/Ya Kuba (1964)
A TENDA VERMELHA/Krasnaya Palatka (1969)

quando voam as cegonhas


NIKITA MIKHALKOV
(1945-)

OLHOS NEGROS/Oci Ciornie (1987)
URGA – UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO/Urga (1991)
O SOL ENGANADOR/Utomlyonnye Solntsem(1994)

o sol enganador

SERGEI M. ENSENSTEIN
(1898-1948)

O ENCOURAÇADO POTENKIM/Bronenosets Potyomkin (1925)
ALEXANDER NEVSKY/Idem (1938)
IVAN, O TERRÍVEL – PARTE I E II/Ivan Groznyv (1944-1958)

ivan, o terrível


SERGEI PARADJANOV
(1924-1990)

OS CAVALOS DE FOGO/Tini Zabutykh Predkiv (1964)
A COR DA ROMÃ/Sayat Nova (1969)
O TROVADOR KERIB/Ashugi Oaribi (1988)

a cor do romã


VSEVOLOD PUDOVKIN
(1893-1953)

A MÃE/Mat (1926)
TEMPESTADE SOBRE A ÁSIA/ Potomok Chingis-Khana (1928)
O FIM DE SÃO PETERSBURGO/Kpnets Sankt-Peterburga (1927)

a mãe

POEMA DE ARSANI TARKOVSKI
(do filme “Stalker”, de Andrei Tarkovsky, 1979)

Agora o verão se foi,
e poderia não ter vindo.
No sol está quente,
mas tem de haver mais.
Tudo aconteceu,
tudo caiu em minhas mãos,
como uma folha de cinco pontas,
mas tem de haver mais.
Nada de mau se perdeu,
nada de bom foi em vão...
uma luz clara ilumina tudo,
mas tem de haver mais.
A vida me recolheu,
à segurança de suas asas.
Minha sorte nunca falhou,
mas tem de haver mais.
Nem uma folha queimada,
nem um graveto partido
claro como um vidro é o dia...
mas tem de haver mais.

sergei m. ensenstein

31 comentários:

pinguim disse...

Importantíssimo texto sobre o quase desconhecido cinema russo.
Pouco mais vi que as obras de Eisenstein, mais um ou outro de Tarkovsky e Mikhalkov.

E uma bela notícia, essa de um filme de Fernanda Montenegro a ser dirigida por Manuel de Oliveira.
Pergunto como é possível a Academia de Hollywood não dar um Óscar honorário ao mais velho cineasta de sempre e que continua no activo?
Estarão à espera que morra para lhe dar um a título póstumo?

renatocinema disse...

Fantástico texto. Bela visão sobre a importância do cinema russo.

Não vi muita coisa do cinema russo. Assisti e tenho em meu acervo: "Encouraçado Potemkin".

"Solaris" é outra obra que me agradou muito.


Parabéns.

Enaldo disse...

Viva o cinema russo e as Fnac/Virgin que os vendem por menos de vinte euros!

Luiz Santiago disse...

Eu AMO o cinema russo, foi a minha opção para a monografia na faculdade, então você deve imaginal qual não foi a minha alegria em ver esse post aqui.

E também sobre os detalhes da produção de "A Igreja do Diabo". Eu sabia que a Fernanda Montenegro ia trabalhar com ele, mas não sabia detalhes da produção.

Muito bom!

Diego Rebouças disse...

Que notícia boa essa, da junção de Fernanda com Manoel de Oliveira! Vamos torcer para que fique pronto em breve.

Os detalhes do filme a gente pode acompanhar aqui:

http://www.imdb.com/title/tt1791442/

Marcos Rosa disse...

Confesso que dos russos conheço um pouco apenas da literatura.


___
http://algunsfilmes.blogspot.com/

Gustavo disse...

Gostaria muito de conhecer mais. Só vi 2 filmes da Larisa Shepitko, 1 do Elem Klimov e um do Sokurov.

Adalberto Meireles disse...

Boa Lembrança. O cinema russo, sobretudo o dos primeiros nomes, os pioneiros, é imprescindível para a compreensão da linguagem do cinema.

Danielle Crepaldi Carvalho disse...

Oie Antonio!

Manoel de Oliveira é muito humilde. Com 102 anos e ainda trabalhando, ele elogiou a memória de Fernanda Montenegro! Também estou ansiosa por essa dobradinha. Espero que ela saia.

Bjs
Dani

linezinha disse...

que post bastante informativo e interessante Antonio,do cinema russo só conheço o "Encouraçado Potemkin".
Que legal a parceria entre a Fernanda Montenegro e o Manoel de Oliveira.

Jamil disse...

O cinema russo de priscas eras me parece muitas vezes datado por seu conteúdo político, mas não nego seu esplendor visual.

Jamil disse...

A Fernandona merece o melhor. O seu talento é inegável. Não suporto o cinema arrastado e teatral de Oliveira - a verdade é que Portugal é um país sem cineastas de qualidade - ,mas o homem tem prestígio e faz o circuito dos festivais mais importantes. Será ótimo para a nossa diva.

Edison Eduardo d:-) disse...

Realmente IMPRESSIONANTE as imagens do Ivan, o Terrível... Tive pouco contacto com o cinema russo, Antonio!!! Mas tem um filme que gosto muito (não tenho a menor ideia de qual o seu contexto na história do cinema mundial mas sempre que posso o assito com muita emoção), chama-se "A Balada de um Soldado"! Um outro PUNGENTE chamado "Vá e Veja" me deu um soco no estômago quando o vi... Pra quem aguenta emoções fortes... Esses dois filmes tratam da 2ª Grande Guerra Mundial! ABS!

Alexandre Santos disse...

Realmente o blog é ótimo, e rico em informações e curiosidades para aqueles que amam cinema! Sou um amante incondicional deste blog!

Guilherme Antunes disse...

Pra mim Tarkovski entra no top 3 de diretores mais geniais. Agora o certo é chamar de cinema russo ou soviético?
MAs Vi toda a filmografia do Tarkovsky e foi o diretor que mais conseguiu se expressar atraves das imagens.
O encouraçado Potenkim é obra essencial pra cinéfilos. O homem com a camera foi uma das melhores experiencias cinematograficas que ja tive ao lado de 2001

abraço

http://cinetoscopio.com/

Marta Scarpa disse...

E o poema de Arsani Tarkovski, o pai de Andrei, ninguém comenta? Que maravilha.

Márcia Freddy disse...

Seu blog é d+!!

Sandrix disse...

Adoro cinema russo - em especial Tarkovsky -, com seus finais nem sempre felizes porém realistas, carregados de significado e muito mais próximos da realidade.

Sobre Tarkovsky, aproveito para recomendar uma publicação recente da Martins Fontes, chamada Esculpir o Tempo, onde ele descreve a maneira com que trabalha o cinema.

Kley disse...

Edison Eduardo citou entre outros, um filme fantástico chamado Vá e Veja, que por sinal publiquei um comentário sobre o mesmo ontem em meu blog. Eisenstein é fantástico, e acho Outubro ainda melhor que potemkin. A infância de Ivan do Tarkovsky é uma pequena obra-prima.
Um filme russo mais recente que também acho magnífico é Arca Russa, mais de 1 hora e meia sem montagem, em um único plano. Um verdadeiro tour de force do diretor Aleksandr Sokurov.

http://blogdokley.blogspot.com/

Edson Bastos disse...

Antônio, tudo bem?

Quando puder dá uma olhada no site: www.curtajoelma.com.br

Muito bom seu blog.

Abs,

Edson Bastos

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Está enganado, Jamil, Portugal conta com bons cineastas. O Pedro Costa é um deles.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Preciso ver VÁ E VEJA, Edison. Grato pela visita.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Conheço o livro, Sandrix. Muito bom. Grato pela dica.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

A ARCA RUSSA é realmente impressionante, Kley. Um show de história e maneirismo cinematográfico.
Tudo de bom

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Passei pelo site, Edson. Muito forte e sensível o seu curta.
Parabéns

Marcelo C,M disse...

Infelismente vi pouca coisa do cinema Russo, mas tive bastante sorte em achar e ver o Encouraçado Potemkin (locadora é fogo).

Definitivamente é um filme que merecia estar no lugar de Cidadão Kane no topo da lista dos melhores de todos os tempos, pois sua cena da escadaria e suas consequencias no final, valem por mil "rosebudis"

Rubi disse...

Poxa vida; teu blog me ensina muito, sabia? Há alguns dias, estava estudando sobre o expressionismo alemão. E o próximo tema é justamente sobre o cinema russo. Teu blog é melhor que muitos livros que encontro por aí.

Muito obrigada por disponibilizar esse tipo de conteúdo!

disse...

Não conheço muito o cinema russo, mas me agradou muito "Um Homem com uma Câmera". Também estou ansiosa para esse novo projeto da Fernanda Montenegro, embora seja pouco provável que ele chega em minha cidade, que tem apenas dois cinemas(!).

kiesow disse...

Brilhante post sobre o outrora desconhecido cinema russo.....

É inegável a competência técnica dos diretores citados.....Como por exemplo Eisenstein, que consegue tornar interessante até mesmo o que deveria ser um tedioso filme de propaganda em "Outubro".....

Parabéns por mais esse artigo.

Gilberto Carlos disse...

Adoro a Fernanda Montenegro. Com certeza vai ser mais uma grande interpretação. Vejo todos os filmes com ela (e as novelas também).

annastesia disse...

E chegaram pra ficar e nos impressionar com suas obras. Eisenstein e Tarkovsky, principalmente.