setembro 21, 2014

***** HURRELL E HARCOURT, ESCULTORES DE LUZ

marion davies por hurrell
O glamour da Hollywood dos anos 1930 e 1940 tem no fotógrafo GEORGE HURRELL (1904-1992) sua mais perfeita tradução. Ele clicou as grandes estrelas da época. Estudando inicialmente pintura, terminou por descobri que a fotografia era uma fonte de renda mais confiável. No final dos anos 1920, abriu um estúdio em Los Angeles, atraindo Ramon Novarro como seu primeiro cliente famoso. Impressionado com o resultado, o ator convenceu Norma Shearer a utilizá-lo, já que atriz tentava se livrar da imagem de mocinha comum, em busca de um perfil mais sofisticado. As fotos da estrela encantaram seu marido, o poderoso produtor Irving G. Thalberg, que contratou Hurrell como chefe de fotografia da Metro-Goldwyn-Mayer. Em 1932, após algumas divergências com o setor publicitário, o fotógrafo montou o seu próprio estúdio na Sunset Boulevard, 8706.


Ao longo da década de 1930, ele fotografou estrelas em belíssimas imagens em preto-e-branco. Norma Shearer o considerava seu fotógrafo oficial, não permitindo que nenhum outro a fotografasse. Greta Garbo não suportava o seu trabalho. Fizeram uma sessão para a divulgação de “Romance / Idem” (1930) e a diva odiou as imagens, nunca mais o utilizando. No início dos anos 1940, GEORGE HURRELL associou-se a Warner Brothers, fotografando, entre outros, Bette Davis, Ann Sheridan, Errol Flynn, Olivia de Havilland, Alexis Smith, Humphrey Bogart e James Cagney. Mais tarde mudou-se para a Columbia Pictures, onde suas fotos foram usadas para lançar Rita Hayworth como star número um do estúdio.

hurrell fotografando ann sheridan

No pós-guerra, ele deixou Hollywood para realizar documentários no exército dos Estados Unidos. Quando voltou, em meados dos anos 1950, seu estilo tinha caído em desgraça. Os novos tempos exigiam imagens mais realistas. Desanimado, partiu para Nova York, trabalhando para revistas de moda e anúncios publicitários. No entanto, uma exposição de seu trabalho no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, em 1965, levou-o novamente ao topo da glória. Nos anos seguintes fotografou celebridades como Raquel Welch, Cher, Farrah Fawcett e John Travolta. Mesmo se aposentando oficialmente em 1976, ainda veio a fotografar Sharon Stone e Brooke Shields. Em 1984, quando Joan Collins (renascida das cinzas com o sucesso do seriado “Dinastia”) foi convidada para posar nua para a “Playboy”, aos 51 anos de idade, ela insistiu que o único fotógrafo com quem trabalharia seria GEORGE HURRELL. Ele topou o projeto e suas imagens foram um grande sucesso. Entre os seus últimos trabalhos, fotografou Warren Beatty e Annette Bening para a divulgação de “Bugsy / Idem” (1991). Em 1992, quando os médicos comunicaram que teria poucos dias de vida, disse: “Bem, a festa acabou. Hora de ir para casa”. Depois de sua morte, suas fotografias valorizaram mais ainda, sendo disputadas por colecionadores.

ESTÚDIO HARCOURT
 
jean marais
"Na França, não é ator quem não foi fotografado pelo estúdio Harcourt". Palavras de Roland Barthes. O aparente exagero do sociólogo é justificado pelo status alcançado pelo Harcourt em quase 80 anos contínuos em atividade. Sob seus refletores, num casarão na Avenida Montaigne, próximo à Champs Elysées, o bulevar mais chique de Paris, posaram os grandes do cinema francês. Com status de obras de arte, os retratos em preto e branco, de estética inspirada na era de ouro do cinema, são reconhecíveis por qualquer olhar treinado: a aura glamourosa, a luz dramática, roupas, cabelo e maquiagem perfeitos.

FOTOS GEORGE HURRELL
 
ann sheridan
johnny weissmuller
barbara stanwyck
douglas fairbanks jr.
hedy lamarr
robert taylor
marlene dietrich
gary cooper
bette davis
errol flynn
norma shearer
clark gable
dolores del rio
humphrey bogart

ava gardner

tyrone power

jean harlow

ramon novarro

ESTÚDIO HARCOURT


jean marais
brigitte bardot
louis jourdan
jeanne moreau


gérard philiphe
romy schneider
yves montand
michèle morgan
alain delon
simone signoret

pierre fresnay

arletty

serge reggiani

françoise dorlèac

jean-paul belmondo

danielle darrieux

jean-louis barrault

annie girardot

2 comentários:

Angelus Magno disse...

Que bacana, Nahud, gostei muito do acervo do Hurrel! Realmente ele fazia da foto preto-e-branco uma arte! A foto de atriz que eu mais gostei foi a da Bette Davis, e a de ator, a do John Weissmuller.

As Tertulías disse...

Só uma pequena correcao nesta linda postagem... a foto na qual voce escreveu "Jean Marais" (a segunda) se trata na realidade de uma foto de Jean Gabin!!!!