Caros Amigos

agosto 11, 2011

****** FACE A FACE COM ATORES DE BERGMAN


Ingmar Bergman





Não há dúvidas sobre a influência de INGMAR BERGMAN sobre toda uma geração de cineastas - de Woody Allen a Michael Haneke, de Carlos Saura a Leopoldo Torre Nilsson, passando pelo brasileiro Walter Hugo Khouri ("A Noite", 1964). Além da impressionante linguagem visual, sua longa filmografia excursiona pela alma humana. Temas como o sentido da vida, morte, fé, medo, o peso da existência, os conflitos e os abismos entre as pessoas ou entre elas e Deus, acham-se frequentemente presentes em sua elaborada criação. O conteúdo dela não consta de lamúrias românticas ou tramas vazias. Tachado de intelectual, profundo e sério, muita gente teme a densidade e a personalidade diferenciada do mestre sueco. O primeiro filme que chamou a atenção do mundo para o diretor foi a comédia "Sorrisos de Uma Noite de Amor/Sommarnattens Leende" (1955), inspirado no clássico de William Shakespeare. Sua consagração internacional veio através de "O Sétimo Selo/Det Sjunde Inseglet", de 1957, um  dos filmes mais importantes já realizados. Esse drama medieval filosófico e sombrio possui no elenco atores que trabalhariam muitas outras vezes com INGMAR BERGMAN: Max Von Sydow, Gunnar Bjornstrand, Bibi Andersson, Anders Ek e Gunnel Linblom. O diretor costumava utilizar uma equipe básica de atores, profissionais legendários como Ingrid Thulin, Harriet Andersson, Liv Ullmann ou Erland Josephson, que atuaram em obras-primas do quilate de "O Silêncio/Tystnaden" (1963), "Gritos e Sussurros/Viskningar och Rop" (1972), "Sonata de Outono/Hostsonaten" (1978), "Fanny e Alexander/Fanny och Alexander" (1982) etc. Quase todos eles se consagraram internacionalmente, fazendo filmes mundo afora. Nos bastidores, mesmo casado, o discreto INGMAR BERGMAN se relacionou amorosamente com algumas de suas atrizes: Harriet Andersson, de 1952 a 1955; Bibi Andersson, de 1955 a 1959; e Liv Ullmann, de 1965 a 1970, e com quem teve uma filha. Não simpatizo com Bibi Andersson e Liv Ullmann, que inclusive cheguei a entrevistar, mas sou fascinado por Eva Dahlbeck, Ingrid Thulin, Max Von Sydow e Harriet Andersson. Em homenagem ao meu diretor favorito, listo dez atores imortalizados por ele, com todos os filmes que fizeram juntos e alguns mais de outros diretores.

(n. em 1935)


DE BERGMAN: “Sorrisos de Uma Noite de Amor” (1955); “O Sétimo Selo” (1957); “Herr Sleeman Kommer” (1957); “Morangos Silvestres/Smultronstallet" (1957); “Rabies” (1958); “O Rosto/Ansiktet" (1958); “No Limiar da Vida/Nara Livet” (1958); “O Olho do Diabo/Djavulens Oga” (1960); “Para Não Falar de Todas Essas Mulheres/For att Inte Tala om Alla Dessa Kvinnor" (1964); “Persona – Quando Duas Mulheres Pecam/Persona” (1966); “A Paixão de Ana/En Passion" (1969); “A Hora do Amor/Beroringen" (1971); “Cenas de um Casamento/Scener ur Ett Aktenskap" (1974).

OUTROS: “Carta ao Kremlin/The Kremlin Letter” (1970), de John Huston; “Quinteto/Quintet” (1979), de Robert Altman; “A Festa de Babette/Babettes Gaestebud" (1987), de Gabriel Axel.

BIRGER MALMSTEN
(1920-1991)


DE BERGMAN: “Chove Sobre Nosso Amor/Det Regnar pa Var Karlek" (1946); “Viagem à Índia/Skepp till India Land” (1947); “Música na Noite/Musik i Morker" (1948); “Prisão/Fangelse" (1949); “Sede de Paixões/Torst" (1949); “Rumo à Alegria/Till Gladje" (1950); “Juventude/Sommarlek" (1951); “Quando as Mulheres Esperam/Kvinnors Vantan" (1952); “O Silêncio” (1963); “Ett Dromspel” (1963); “Face a Face/Ansikte mot Ansikte” (1976).

OUTROS: “Eva” (1948), de Gustaf Molander; “Masculino-Feminino/Masculin Féminin: 15 Faits Précis" (1966), de Jean-Luc Godard.


(n. em 1923)


DE BERGMAN: “No Limiar da Vida” (1958); “O Rosto” (1958); “A Hora do Lobo/Vargtimmen" (1968); “A Paixão de Ana” (1969); “Gritos e Sussurros” (1972); “Cenas de um Casamento” (1974); “Face a Face” (1976); “Sonata de Outono” (1978); “Fanny & Alexander” (1982); “Depois do Ensaio/Efter Repetitionen” (1984); “Larmar Och Gor Sig Till” (1997); “Saraband/idem” (2003).

OUTROS: “Além do Bem e do Mal/Al di là del Bene e del Male” (1977), de Liliana Cavani; “Montenegro/idem” (1981), de Dusan Makavejev; “Nostalgia/Nostalghia” (1983), de Andrei Tarkovsky; “Um Olhar a Cada Dia/To Vlemma tou Odyssea" (1995), de Theo Angelopoulos.

(1920-2008)


DE BERGMAN: “Quando as Mulheres Esperam” (1952); “Uma Lição de Amor/Em Lektion i Karlek” (1954); “Sonhos de Mulheres/Kvinnodrom” (1955); “Sorrisos de Uma Noite de Amor” (1955); “No Limiar da Vida” (1958); “Para Não Falar de Todas Essas Mulheres” (1964).

OUTROS: “Uma Questão de Moral/A Matter of Morals” (1961), de John Cromwell; “O Falso Traidor/The Counterfeit Traitor” (1962), de George Seaton; “As Criaturas/Les Créatures” (1961), de Agnès Varda.

(1909-1986)


DE BERGMAN: “Chove Sobre Nosso Amor” (1946); “Quando as Mulheres Esperam” (1952); “Noites de Circo/Gycklarnas Afton" (1953); “Uma Lição de Amor” (1954); “Sonhos de Mulheres” (1955); “Sorrisos de Uma Noite de Amor” (1955); “O Sétimo Selo” (1957); “Morangos Silvestres” (1957); “O Rosto” (1958); “O Olho do Diabo” (1960); “Através de um Espelho/Sasom i en Spegel" (1961); “Luz de Inverno/Nattvardsgasterna" (1962); “Persona – Quando Duas Mulheres Pecam” (1966); “Stimulantia” (1967); “Vergonha/Skammen" (1968) “O Rito/Riten" (1969); “Face a Face” (1975); “Sonata de Outono” (1978); “Fanny & Alexander” (1982).

OUTROS: “Reze a Deus e Cave sua Sepultura/Violenza al Sole” (1969), de Florestano Vancini.


GUNNEL LINDBLOM
(n. em 1931)


DE BERGMAN: “O Sétimo Selo” (1957); “Morangos Silvestres” (1957); “Venetianskan” (1958);“Rabies” (1958);“A Fonte da Donzela/Jungfrukallan" (1960); “Luz de Inverno” (1962); “O Silêncio” (1963); “Cenas de um Casamento” (1974).

OUTROS: “Nasce Uma Mulher/Rapture” (1965), de John Guillermin.



HARRIET ANDERSSON
(n. em 1932)


DE BERGMAN: “Mônica e o Desejo/Sommaren med Monika" (1953); “Noites de Circo” (1953); “Uma Lição de Amor” (1954); “Sonhos de Mulheres” (1955); “Sorrisos de Uma Noite de Amor” (1955); “No Limiar da Vida” (1958); “Através de um Espelho” (1961); “Para Não Falar de Todas Essas Mulheres” (1964); “Stimulantia” (1967); “Gritos e Sussurros” (1972); “Fanny & Alexander” (1982); “De Tva Saliga” (1986).

OUTROS: “Chamada para um Morto/The Deadly Affair” (1966), de Sidney Lumet; “The Day the Clown Cried” (1972), de Jerry Lewis; “La Sabina” (1979), de José Luis Borau; “Dogville/idem” (2003), de Lars von Trier.

(1926-2004)


DE BERGMAN: “Morangos Silvestres” (1957); “No Limiar da Vida” (1958); “O Rosto” (1958); “Luz de Inverno” (1962); “Ett Dromspel” (1963); “O Silêncio” (1963); “A Hora do Lobo” (1968); “O Rito” (1969); “Gritos e Sussurros” (1972); “Depois do Ensaio” (1984).

OUTROS: “Agostino/idem” (1962), de Mauro Bolognini; “Os 4 Cavaleiros do Apocalipse/The 4 Horsemen of the Apocalypse" (1961), de Vincente Minnelli; “A Guerra Acabou/La Guerre est Finie” (1966), de Alain Resnais; “Os Deuses Malditos/La Caduta degli Dei" (1969), de Luchino Visconti; “La Cage” (1975), de Pierre Granier-Deferre.
LIV ULLMANN
(n. em 1938)


DE BERGMAN: “Persona – Quando Duas Mulheres Pecam” (1966); “A Hora do Lobo” (1968); “Vergonha” (1968); “A Paixão de Ana” (1969); “Gritos e Sussurros” (1972); “Cenas de um Casamento” (1974); “Face a Face” (1975); “O Ovo da Serpente/The Serpent's Egg" (1977); “Sonata de Outono” (1978); “Saraband” (2003).

OUTROS: “A Abdicação de Uma Rainha/The Abcication" (1974), de Anthony Harvey; “Uma Ponte Longe Demais/ A Bridge Too Far" (1977), de Richard Attenborough; "Tomara que Seja Mulher/Speriamo che sia Femmina" (1986), de Mario Monicelli.

MAX VON SYDOW
(n. em 1929)


DE BERGMAN: “O Sétimo Selo” (1957); “Herr Sleeman Kommer” (1957); “Morangos Silvestres” (1957); “No Limiar da Vida” (1958); “Rabies” (1958); “O Rosto” (1958); “A Fonte da Donzela” (1960); “Através de um Espelho” (1961); “Luz de Inverno” (1962); “A Hora do Lobo” (1968); “Vergonha” (1968); “A Paixão de Ana” (1969); “A Hora do Amor” (1971);

OUTROS: “A Maior História de Todos os Tempos/The Greatest Story Ever Told" (1965), de George Stevens; “O Exorcista/The Exorcist” (1973), de William Friedkin; "O Deserto dos Tártaros/Il Deserto dei Tartari" (1976), de Valerio Zurlini; "Hannah e suas Irmãs/Hannah and her Sisters" (1986), de Woody Allen; "Pelle, o Conquistador/Pelle Erobreren" (1987), de Bille August.







Bergman, Sven Nykvist, Erland Josephson e Liv Ullmann








--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




RESPOSTAS


QUIZ SHOW Nº 1: NICHOLAS RAY




1 C. Todos os outros já haviam feito filmes. Hopper só tinha alguma experiência em seriados de tevê; 2 B. Godard e Truffaut também idolatravam o mestre rebelde, mas o autor do comentário foi Eric Rohmer, em sua crítica sobre “Juventude Transviada/Rebel  Without a Cause” (1955); 3 B. Elia Kazan. Depois Ray foi assistente de direção no primeiro filme de Kazan, “Laços Humanos/ A Tree Grows in Brooklyn” (1945); 4 B. Oito anos depois Gloria Grahame casou-se com o seu ex-enteado, Anthony Ray, causando retumbante escândalo em Hollywood. Viveram juntos até 1974; 5 C. O documentário “Um Filme para Nick/Lightning Over Water” (1980); 6 A; 7 C Joan Crawford odiava esse trabalho, considerando-o indigno do seu talento. Estava totalmente enganada, o filme tornou-se cult e Vienna é uma de suas interpretações mais lembradas; 8 B; 9 C. O que é uma pena, seria uma dupla perfeita; 10 C. Essa foi fácil. Almeria, na Espanha, durante o final dos anos 50 e anos 60 foi palco de inúmeras produções internacionais. Ray abandonou as filmagens de “55 Dias em Pequim/55 Days at Peking” (1963), sendo o filme terminado por Andrew Marton; 11 C; 12 B; 13 C. Robert Ryan fez quatro filmes com Ray: “Alma sem Pudor/Born to Be Bad” (1950), “Horizonte de Glórias/Flying Leathernecks” (1951), “Cinzas que Queimam/On Dangerous Groud” (1952) e “O Rei dos Reis/King of Kings” (1961).


O RESULTADO


Vinte e sete leitores participaram do teste, resultando em um verdadeiro êxito. Dois deles acertaram as 13 perguntas: THIAGO RODRIGUES e PINGUIM. Vence Thiago, que postou suas respostas em primeiro lugar, levando dois filmes de Nicholas Ray: “Paixão de Bravo/The Lusty Men” (1952) e “Quem Foi Jesse James?/The True Story of Jesse James” (1957). Rubi chegou perto, acertando 12 delas. Obrigado a todos! Aguardem os próximos questionários.



59 comentários:

Luiz Santiago disse...

Que maravilha ver aqui esse desfile de gigantes atores do Bergman! Gosto de absolutamente todos.

Sergio Andrade disse...

Excelente post. Mas porque você não simpatiza com a Bibi e com a Liv?

Abs

Enaldo disse...

Você poderia publicar aqui a entrevista que fez com Liv Ullmann. Acho que todos teriam interesse em lê-la.

Que tal uma enquete com os preferidos de Bergman pelos leitores?

pinguim disse...

Bergman, foi para mim um cineasta único. Não direi que o melhor, pois estaria a ser injusto para outros grandes realizadores que sempre amei; mas porque quando comecei a conhecer a sua filmografia, descobri um realizador totalmente original, de um país de quem nada conhecia acerca do seu cinema e uma forma nova de mostrar as coisas.
Ao princípio fez-me alguma confusão os nomes dos seus actores, e sempre o considerei um director de "mulheres", centrando quase sempre a atenção em personagens femininas.
Eva Dalbeck, Harriet Andersson, Gunnel Lindblom, primeiro e depois e mais assiduamente Bibi Andersson, Ingrid Thulin e Liv Ulman, foram um complemento do que Bergman quis dizer com os seus filmes. De todas elas foi Ingrid Thulin que mais me marcou, até pela sua carreira noutros filmes, dentro os quais destaco o assombroso "Os Malditos" de mestre Visconti.
Já nos intérpretes masculinos, as referências são em menor número e confesso não conhecer Birger Malmsten; a trilogia Bjornstrand, Sydow e Josephson é quase omnipresente na sua obra.

Uma palavra para o honroso desempenho que tive no questionário sobre Nicholas Ray. Algumas consultas tiraram-me algumas dúvidas, mas houve duas respostas que tive receio de errar: por um lado, não foi só num filme que Ray cedeu instalações suas e quanto à afirmação da actriz, eliminei desde logo Mauren e Susan, mas os difíceis feitios de Ava e Crawford punham-me dúvidas sérias; se Joan Crawford era a grande candidata, por outro lado como poderia ela dizer que um dos seus mais carismáticos filmes tinha sido arruinado?
E Ava Gardner, em "55 Dias em Pequim", pode considerar-se uma actriz banal...Fiquei confuso, mas acabei por pensar que só uma mente tão conflituosa como a de Crawford poderia ter dito aquilo.
Foi um enorme prazer ter participado.

Nelson L. Rodrigues disse...

ahh HARRIET ANDERSSON!!!!

Aprendi o que é cinema com Bergman.

Marcelo C,M disse...

Então é o seu cineasta favorito em. Então se iria adorar o curso que iremos ter sobre ele possivelmente em Outubro aqui em Porto Alegre, fazendo parte dos outros cursos que eu estou fazendo para colecionar diplomas sobre a sétima arte que tanto aprecio.

Quanto a Bergman, eu aprecio bastante o diretor, tenho praticamente todos os seus melhores filmes e realmente é alguém que conseguia filmar cada gesto de expressão que passava os atores. LIV ULLMANN talvez seja a atriz mais marcante de toda sua filmografia, pois é difícil alguém possuir tanta beleza e talento num mesmo ser. Talvez um de seus melhores desempenhos seja quando ela própria vem até a câmera e começa a dialogar com agente no inicio do filme A Hora do Lobo.

MAX VON SYDOW também é outro que merece ser lembrado pelos seus desempenhos, não somente em Sétimo selo, mas também a Fonte da Donzela.

Kleber Godoy disse...

Olá!!!

Quanta gente bonita e famosa, não? Vai muito tempo para ver os filmes e tomar contato com todos eles, mas ler sobre eles já é encantador!

Abraços,

Jonathan e Kleber (o teatro da vida)

nina rizzi disse...

Parabéns pelos números, Nahud, que venham mais 50 anos!

Quanto aos escolhidos de Bergman, fico com Liv Ullman, caramba, até nessa foto ela transmite toda sua potência. Lembro da prima vez que assisti Persona, fiquei umas duas noites pensando, pensando, atordoada. Ai, como era doce e peêbê o meu cinema...

Um beijo!

linezinha disse...

adoro os filmes do mestre Bergman,um cineasta que sabia bem mostrar os conflitos humanos com uma originalidade poética,das atrizes as minhas preferidas é a Liv,Harriet e a Ingrid Thulin,tb destaco a Ingrid Bergman em Sonata de Outono e o Max Von Sydow excelente.
Antonio pq vc não simpatiza com a Bibi e a Liv? fiquei curiosa rs

Pena disse...

Estimado e Genial Amigo:
Um belo texto sobre Ingmar Bergman de pesquisa imensa e conseguida.
Sabe, vi os filmes todos dele?
Fui um tempo de ouro puro numa geração fantástica.
Parabéns pela partilha junto das pessoas, valioso e extraordinário amigo de Luz.
Adorei, bem como, a sua simpática visita.
Junto com Bergman, devorei Fellini, Traufau, e por aí fora.
Abraço amigo de respeito pelo seu grandioso talento.
Sempre a estimá-lo e a considerá-lo pelo brilhantismo de si.
Maravilhado...

pena

Excelente!
Bem-Haja, amigo.
Tudo o que faz é perfeito.
Adorei.

renatocinema disse...

Congratulações pelo post.

Lista mágica e especial.

Thiago Rodrigues disse...

Puxa vida, que honra.
Fiquei em dúvida em uma ou duas questões, mas felizmente optei pela(s) certa(s).
Antonio, te envio um email ou tu tens salvo de quando enviei as respostas por lá?

Márcio Sallem disse...

Ótima matéria sobre a talentosa trupe de atores de Bergman.

Mas, o que é Bibi Anderson e Liv Ullman em Persona? Simplesmente indescritível no melhor filme do diretor (na humilde opinião, claro).

Abraços.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Sérgio, não há nenhum motivo fundamental para a antipatia que sinto por Bibi e Liv. É aquela velha história, tem atores que temos verdadeira paixão e eles nem são tão competentes, enquanto outros são incríveis e não nos importa muito. Liv e Bibi são excelentes atrizes. A Liv tem um arsenal de grandes interpretações, mas me incomoda aquela expressão doce e sofrida. Acabo de comprar um filme dela, OS EMIGRANTES. Quem sabe mudo de opinião.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótima idéia, Enaldo. Publicarei a entrevista. Quanto a enquete já foi feita por Luiz Santiago no ótimo blog Cinebulição.

Cefas Carvalho disse...

Amigo, ótimo post sobre meu cineasta preferido desde que descobri num cineclube lá pelos 18 anos, "Gritos e sussurros". A quantidade de filmes clássicos dele é impressionante. Acredito eu que ele só tem um filme abaixo da média, "O ovo da serpente". Abraço!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Pinguim, também considero Bergman um diretor que destaca principalmente suas atrizes. A Thulin em "Crepúsculo dos Deuses" está fabulosa. Gosto dela também noutro filme com Helmut Berger, "Salão Kitty".
E aguarde novos testes!
Abração

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

PERSONA é uma obra perturbadora,Nina. Como você, também fiquei atordoado. Acho incrível suas cenas iniciais totalmente experimentais. Uma das melhores aberturas do cinema.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Linezinha, resposta dada acima.
Tudo de bom

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Parabéns, Thiago! Mande seu endereço para o e-mail do blog.

ofalcaomaltes41@gmail.com

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Márcio, o melhor filme de Bergman para mim é O SÉTIMO SELO. Mas MORANGOS SILVESTRES, A FONTE DA DONZELA, O SILÊNCIO, PERSONA e GRITOS E SUSSURROS também estão na minha lista dos melhores de todos os tempos.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Cefas, O OVO DA SERPENTE é realmente o filme de Bergman menos tocante e mais criticado. Somente porque o diretor nos acostumou com obras-primas. Se fosse de outro diretor, seria lembrado como um ótimo filme.

disse...

Bergman é um grande diretor. Gosto muito de "Morangos Silvestres" e "O sétimo Selo", além da versatilidade de Max von Sydow.
Quanto ao quiz, acabei chegando tarde e vi que muitos já tinham respondido com grandes chances de levar o prêmio. Além disso, não domino muito a obra de Ray... Mas da próxima vez vou tentar chegar mais cedo e arriscar meus palpites!
Abraços, Lê

Jamil disse...

A Liv é uma senhora atriz, Antonio. Também é muito carismática e natural. Pena que ficou restrita aos filmes de Bergman. Seus filmes americanos são no mínimo ridículos, de Horizonte Perdido a Papa Joana. O Sydow é formidável, um dos melhores atores que conheço. Não gosto do nariz empinado, da arrogância, de Bjornstrand e Josephson. Bergman é sem dúvida o maior diretor de todos os tempos.

Jamil disse...

Parabéns pela 50ª Edição, Nahud! O seu blog é original, culto, informativo, sofisticado, único. Continue firme.
Vou esperar novos testes. Nesse fiz apenas 7 pontos.... que vergonha

Rubi disse...

Confesso que sei muito pouco sobre Bergman e suas obras. Vou aproveitar o seu post para dar uma boa pesquisada! Em relação ao resultado, confesso que fiquei surpresa HAHA não esperava ir tão bem. Se não foi dessa vez, certamente será na próxima!

Até mais.

Gustavo disse...

Bergman tem a reputação de ser um dos maiores diretores de atores do cinema, mas isso não seria possível se ele não contasse com intérpretes do calibre desses figurados na sua postagem.

Admiro muito o talento de Ingrid Thulin, pricipalmente.

Thiago Rodrigues disse...

Oi, Antonio!
Foi um prazer participar do quiz, e aguardo ansioso por um novo!
Parabéns pelo trabalho no blog, é grandioso!

Sibele Gava disse...

Que lindo amigo! Parabéns! Bjs

Adalberto Meireles disse...

Grande saque, Antonio Júnior. Bergman, como Antonioni, Hitchcock, Hawks e tantos outros, redefiniu o conceito de obra-prima. Difícil dizer qual o melhor Bergman: Morangos Silvestres, O Sétimo Selo, Persona, Grots e Sussurros, Fanny...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Realmente, Jamil, Liv Ullmann não se deu bem no cinema norte-americano.

Gilberto Carlos disse...

Adoro esses atores, principalmente Liv Ullmann (dois filmes de Bergman que ela fez só falta eu ver Saraband), Harriet Andersonn, Max Von Sydow, Gunnar Bjornstrand, Erland Josephson e Ingrid Thulin.

GIANCARLO TOZZI disse...

Faz tempo que não vejo nenhum filme de Bergman. O último deles, Saraband, me emocionou profundamente.

GIANCARLO TOZZI disse...

Fiz 4 pontos no Quiz. Que vergonha!

Edison Eduardo d:-) disse...

Uhuuu! Acertei 8 de 13!!! Pra quem chutou a maioria tá bom, mais que a metade!!!! Aquele abraço, Antonio!!!!

Adecio Moreira Jr. disse...

Quando eu terminar minha maratona de Woody Allen, será um dos meus próximos cineastas que farei a maratona.

Suas obras são inesquecíveis!

linezinha disse...

Antonio a Bibi tb não teve muita sorte no cinema americano lembrando aquele filme do John Huston que ela participou. Abraços

Darci Fonseca disse...

Antonio, alguns atores bergmanianos puseram um pé no faroeste também. Max Von Sydow filmou "The Reward", de serge Bourguinon com Yvette Mimieux; Liv Ullmann esteve ao lado de Gene hackman em "A Esposa Comprada"; a maravilhosa Bibi Andersson trocou a frieza da Escandinávia pelo calor do deserto no western "Duelo em Diablo Canyon", ao lado de James Garner e Sidney Poitier. - CINEWESTERNMANIA

Renato Hemesath disse...

Adorável este "caminho" aqui escrito.
gosto muitíssimo do Bergman, e quero muito conhecer vários títulos dele. O último que vi - "A paixão de Ana" - me surpreendeu, uma linda história.

Tenha uma boa semana :D

M. disse...

Muito legal essa postagem! As fotos então!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Não assisti CARTA AO KREMLIN, de Huston, Linezinha. É fraquinho?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dos citados, Darci, só conheço A ESPOSA COMPRADA. Um ótimo filme com vigorosas atuações de Gene Hackman e Liv Ullmann. Mas Sydow no faroeste é meio estranho, né? O que ele faz no filme de Bourguinon?

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Também fiquei surpreso com A PAIXÃO DE ANA, Renato. Sempre soube que era pretensioso e enfadonho. Mas que nada. Ele é denso, delicado e talentoso.

linezinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
linezinha disse...

Antonio até que não achei ruim o filme Carta ao Kremlin apesar das críticas negativas mais achei o mais fraco dos filmes do Houston,falando da Liv Antonio vc ja leu o livro dela chamado Mutações? falam bem desse livro,e sobre o Sydow vc já viu aquele filme que ele fez com a Julie Andrews Sede de Amar? gostei da parceria do Max com a Julie. Abraços

Marta Scarpa disse...

maravilhoso o vídeo com a aracy balabanian declamando clarice

Marcelo C,M disse...

Antonio, em outubro irei participar do curso sobre a vida e a obra de Ingman Bergman. Serão no total dois dias de aulas e no final de semana provavelmente. Ganha diploma e tudo, portanto, como eu sinto que você ama Bergman, seria uma cereja no bolo você ter um diploma desses. Não custaria você viajar para cá (RS) ficar somente uns dois dias e além do mais uma bela desculpa para agente se conhecer.

Quando começar as incrições te passo o link.

Thiago Priess Valiati disse...

Caro,
Antes de qualquer coisa, gostaria de me apresentar: meu nome é Thiago Valiati, cinéfilo como você, de Curitiba, 21 anos.
Estava navegando pela internet e caí no blog de vcs. Adorei! Você escreve muito bem e domina o assunto. Parabéns!
E ah, também tenho um blog de Cinema (em fase inicial), se puder dar uma olhada e, eventualmente gostar, adicionar à sua lista de blogs também (adicionei já!), iria me sentir honrado.

Blog: http://this-is-cult-fiction.blogspot.com/

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Li MUTAÇÕES, Linezinha. Digno de uma discípula de Bergman: sensível, honesto e inteligente. Já SEDE DE AMAR ainda não vi, mas tenho vontade.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Proposta interessante, Marcelo. Ficaremos em contato.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Gostei do blog, Thiago. Vou linká-lo agora mesmo. Grato bela visita e apareça sempre.

mundo azul disse...

__________________________________

...ele era um gênio! Alguns nascem para dar certo... Obrigada, pelas informações! Conheço alguns filmes dele, mas o arsenal é imenso...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

___________________________

Hana disse...

Esta partilha me emociona e muito, que tempo lindo do cinema nestes anos dourados!! obrigada pelo tempo que aqui passei!

Darci Fonseca disse...

Antonio, o Von Sydow era pau para toda obra e não teve gênero que ele não atuou. No western de Bourguignon que se chama "Viagem para o Inferno" ele é um piloto que transporta caçadores de recompensas e o elenco tem além da doce Yvette Mimieux, os mexicanos Emílio Fernandez, Rodolfo Acosta e Gilbert Roland. Estão lá o Henry Silva e até o Nino Castelnuovo de "Parapluies de Cherburg", lembra? O caçado é Efrem Zimbalist Jr.

Kuki Bertolini disse...

Oi,Antonio!!Saudades de ti!!Desculpa a minha ausência,agora começou a facul e está meio difícil de ficar atualizada em todos os muitos bolgs que eu sigo.Sem falar m ver todos os filmes que vcs recomendam.Mal vejo a hora de entrar de férias de novo pra poder me dedicar a exclusivamente essa minha paixão!Gostei muito do teu post,vou me esforçar pra vir te visitar mais seguido agora com certeza.Baita abraço,Antonio!E apareça semre que tiver um tempo também!!! =D
http://thecinefileblog.blogspot.com/

O FALCÃO MALTÊS disse...

Claro que lembro do Castelnuovo, Darci. Ele tá comovente no musical de Demy.

As Tertulías disse...

Cada um melhor que o outro... que "troupe", nao é?

Marcos Rosa disse...

Quando visito o seu site percebo o quão ignorante só na matéria cinema.
Muito bom, muito bom!

http://algunsfilmes.blogspot.com/

annastesia disse...

Genial e talentosíssimo como é, Bergman só poderia estar rodeado dos melhores. Os meus favoritos são Liv e Sydow.