março 11, 2011

**** GLAUBER ROCHA: OS ÚLTIMOS DIAS DE VIDA



Aos que nunca assistiram nada de GLAUBER ROCHA (1939-1981), há que adverti-los de duas coisas: ninguém pode aspirar a compreender o cinema brasileiro se não viu uma ou duas criações deste cineasta “difícil”. Por outra parte, que talvez ele seja um dos derradeiros expoentes de uma maneira de filmar personalíssima, faísca esta ainda encontrada em um Godard ou um Raoul Ruiz. “O problema do espectador na obra de arte é um problema que eu não considero, digo-lhe isto com a maior sinceridade. Porque eu acredito que a obra de arte é um produto da loucura, no sentido em que fala o Fernando Pessoa, que fala o Erasmo, quer dizer, a loucura como a lucidez, a libertação do inconsciente. É por isso que eu não me considero um cineasta profissional, porque se fosse teria que atuar segundo o ritual da indústria cinematográfica. Considero-me um amador, como o Buñuel, alguém que ama o cinema”, disse Glauber pouco antes de morrer, num dos seus arroubos verbais de poderosa vitalidade. De todos os cineastas surgidos com o movimento Cinema Novo – Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman, Carlos Diegues, Roberto Santos, etc. -, o mais influente foi o baiano Glauber de Andrade Rocha, especialmente depois do seu segundo longa-revelação, “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964), filmado no mesmo ano do Golpe Militar e considerado um dos dez melhores filmes de todos os tempos pela revista francesa Cahiers du Cinema. Ele eclipsou a todos com sua poesia agreste e personalidade contraditória, ganhando visibilidade internacional. Em poucos anos, filmou vários curtas, publicou livros, lançou o manifesto “A Estética da Fome” com as bases do Cinema Novo, foi preso em 1965 num protesto contra o regime militar, viajou por inúmeros países e realizou duas obras fundamentais, “Terra em Transe” (1967) – classificado de “ópera metralhadora” por Jean-Louis Bory, do “Le Nouvel Observateur” e proibido em todo o território nacional - e o folhetim revolucionário “O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro” (1969), apresentadas no Festival de Cannes e recebendo com a segunda o prêmio de Melhor Diretor. Foi o seu auge, e parecia ter o mundo aos seus pés. Na década seguinte, entretanto, sua estrela decairia em conseqüência da personalidade confusa e do triunfo universal do cinema comercial. 

"barravento"
O caráter particularmente dotado de Glauber para perceber o cinema em toda sua complexidade diluiu-se numa estética alarmante e desconcertante. Radicalizou a idéia de narrar o caos, sustentando que só o caótico sustenta a arte, em um efeito artístico ambíguo. Exilado voluntariamente do Brasil, filmou obras impopulares na África (“O Leão de 7 Cabeças”, 1969), Espanha (“Cabezas Cortadas”, 1970), Cuba (“História do Brasil”, 1972) e Itália (“Claro”, 1975). Ele que havia bebido em fontes diversas (Eisenstein, Bergman, Visconti, Rossellini) para compor sua lógica, tentando decifrar o Brasil ao filmar o seu avesso, mergulhou de cabeça numa utopia cinematográfica marcada por contradições ideológicas, políticas, espirituais e mitológicas. Recusando uma carreira internacional convencional, passou por graves dificuldades financeiras, foi ridicularizado no Brasil por seus próprios colegas, escreveu para o irreverente semanário “O Pasquim” – num idioma particular, com y e k no lugar de i e c –, provocando polêmicas e reações furiosas. O período que vai de 1969 a 1976, os seis anos em que ficou fora do Brasil, são um quebra-cabeças biográfico e geográfico, com dezenas de viagens, mudanças de endereço, de países, de mulheres, de amigos. Um périplo romanesco, um nomadismo radical e vital, e centenas de cartas escritas de quartos de hotel, apartamentos provisórios de amigos, produtores e amantes. Em 1979, sua atuação no programa “Abertura”, da TV Tupi, virou referência na tevê brasileira. Falava de política, entrevistando artistas e o povo. Tornou-se uma espécie de profeta, de intelectual que perdeu a razão, e cruelmente seus colegas contavam seus casos privados para quem quisesse ouvir: ele caminhando na praia de Ipanema, enrolado num cobertor como mendigo, falando sozinho; conversando com as paredes do hotel, em Santiago do Chile, com um microfone na mão: “aqui é Glauber Rocha, eu sei que a Cia está gravando, e a KGB também”; as brigas irreconciliáveis com diversos amigos, etc. Em 1979, num último esforço para sair das trevas, vendeu seu único bem, uma casa, para filmar “A Idade da Terra” em Salvador, Brasília e Rio de Janeiro com um elenco popular (Norma Bengell, Tarcísio Meira, Antonio Pitanga, Danuza Leão). “Esse filme materializa os símbolos mais representativos do Terceiro Mundo, ou seja: o imperialismo, as forças negras, os índios massacrados, o catolicismo, o militarismo revolucionário, o terrorismo urbano, a prostituição da alta burguesia, a rebelião das mulheres, as prostitutas que se transformam em santas e de santas em revolucionárias. Tudo isso está no filme dentro do grande cenário da História do Brasil”, disse no seu lançamento. O público e a crítica rejeitaram a desintegração da seqüência narrativa, embora sem a perda do discurso, e o longa foi um total fracasso, inclusive sendo vaiado no Festival de Veneza. Alucinado e magoado, o cineasta fez passeata, ofendeu o júri e o vencedor - o francês Eric Rohmer -, sempre defendendo sua obra: “Busco um outro cinema. Um filme que o espectador deverá assistir como se estivesse numa cama, numa festa, numa greve ou numa revolução. É um novo cinema, antiliterário e metateatral, que será gozado, e não visto e ouvido”. 

othon bastos em
"deus e o diabo na terra do sol"
No final de 1980, GLAUBER ROCHA se encontrava em Roma, hospedado no palacete de Luchino Visconti, e por fim, em Paris, acompanhando uma retrospectiva dos seus filmes. Sua câmara havia revelado a essência de um país, fugindo da beleza defunta tipo cartão-postal, e pousando na loucura e no desespero, na crueza e nas mazelas sociais. Mesmo assim, aos 41 anos, todas as portas estavam fechadas para ele e vivia numa terrível penúria econômica. Tentando colocar a cabeça em ordem, resolveu viver em Sintra, Portugal. “O lugar mais bonito do mundo”, como dizia. Levou a esposa colombiana, Paula Gaitán, fotógrafa e atriz, e os dois filhos de menos de dois anos de idade, Ava Patria Yndia Yracema Gaitán Rocha e Erik Arouak (o seu primeiro casamento também foi com uma atriz, Helena Ignez, e teve um romance intenso com outra atriz, a francesa Juliet Berto, ícone da Nouvelle Vague). Definindo-se como sebastianista e apocalíptico, amargurado, decepcionado, com problemas políticos e de saúde frágil, Glauber se sentia cansado e doente. Porém, os mais íntimos conheciam sua antiga mania de doença, e nunca levaram a sério a suposta hipocondria. Quando este espírito independente, conhecido em todo o mundo por sua intransigência e temperamento apaixonado, chegou ao Monte da Lua, era um inverno rigoroso. As névoas cobriam as ruelas de pedra, as montanhas e os jardins. Chovia quase sempre. Sintra, conhecida como um reduto de artistas e pensadores, neste mesmo inverno, recebeu Wim Wenders, que rodou parte de “O Estado das Coisas” na Praia Grande, o chileno Raoul Rouiz e o moçambicano-brasileiro Ruy Guerra, um inimigo de Glauber, que também filmaram nas redondezas. Sempre reservado, distante do mundano, o diretor finalizava “Revolução do Cinema Novo”, uma antologia de textos críticos produzidos entre 1958 e 1980, que seria publicado poucos dias antes de sua morte, e escrevia o roteiro para um próximo filme, “O Império de Napoleão”, planejando um elenco estelar encabeçado por Jack Nicholson e Jane Fonda, e que já tinha a confirmação de Orson Welles como um dos protagonistas (não receberia cachê, apenas pediu uma hospedagem confortável e garrafas de uísque). 


Diante da paisagem deslumbrante da Vila de Sintra, que Eça de Queiroz dizia que não há um só recanto que não seja um poema, GLAUBER ROCHA absorveu o paraíso, partindo para a máquina de escrever como se estivesse numa terrível batalha. Muito disciplinado, acordava cedo, tomava o café da manhã e escrevia até as 13 horas os seus textos, roteiro e artigos para jornais, enquanto ouvia Villa-Lobos. Não gostava de visitas, sendo praticamente arrastado por colegas para jantares ou eventos em Lisboa. Ainda assim, aparecia muita gente: cineastas brasileiros e portugueses, críticos de cinema, os escritores Jorge Amado e João Ubaldo Ribeiro, o ator francês Patrick Bauchau, o produtor Luiz Carlos Barreto e até o Presidente (do Brasil) Figueiredo. Porém, a maior parte do tempo estava sozinho, em casa. Vez ou outra, passeava pela praça do Castelo, caminhando de mãos dadas com os filhos e lendo jornais no Café Paris. Parecia bem, tranqüilo, almoçando nos restaurantes locais, tomando vinho tinto, fumando haxixe. Mas a depressão era uma constante no seu cotidiano. “Vim para morrer em Portugal”, dizia. Preocupava-se com os permanentes problemas financeiros, com a política e o cinema brasileiros, e não conseguia esquecer a morte trágica da irmã, a atriz Anecy Rocha (“A Lira do Delírio”), que caíra no poço de um elevador em 1977. Sentia-se incompreendido e não aceitava a proibição, pela própria família do retratado, do documentário “Di Cavalcanti” (1976), premiado em Cannes. Também tinha saudades da mãe, Lúcia Mendes de Andrade Rocha, escrevendo sempre para ela, numa ligação profunda. O casamento ia mal das pernas. Paula, uma loura sofisticada e inteligente, muito mais jovem do que ele, desejava voltar para o Brasil, e mesmo admirando o marido, não entendia seus enigmas. Bela e mimada, não se situava completamente na pele de mãe de família, e ainda mais passando dificuldades financeiras. Recebia ajuda dos pais ricos, não acreditava numa suposta enfermidade do companheiro e vivia implicando para que ele superasse suas angústias. 

odete lara em "o dragão da maldade contra o santo guerreiro"
A imprensa portuguesa deu intensa cobertura à temporada de Glauber em Sintra, com manchetes e longas entrevistas comuns a uma celebridade. O cineasta, em eterna preocupação com a preservação das cópias dos seus filmes, entusiasmou-se com o ciclo em sua homenagem programado pela Cinemateca Portuguesa, em abril de 1981. No primeiro dia de exibição, a sala de projeções pegou fogo destruindo totalmente a obra do cineasta. Desesperado, viu o incêndio como um sinal do fim. A sua queda foi instantânea. Logo depois foi internado no Hospital de Sintra com suspeita de uma doença broncopulmonar, talvez uma tuberculose. Esverdeado e abatido, olhos amarelados, foi transferido para o Hospital da CUF, em Lisboa, melhorando a olhos vistos. Lúcido, brincalhão, recebendo visitas, lendo jornais e vendo televisão, gozava das autoridades e políticos que apareciam: “Esses engravatados não me deixam em paz”. Ainda acamado, recebeu os primeiros exemplares de “Revolução do Cinema Novo”, o que o deixou contente. Parecia estar bem, como se tudo não passasse de uma elaborada encenação para ajudá-lo a renascer das cinzas. Paula Gaitán, que havia mudado com os filhos para um hotel próximo, tirava fotos polaroid do companheiro e de seus amigos, circulava por Lisboa, e não parecia ter consciência da gravidade da enfermidade do marido. Ele próprio não sabia qual era o seu mal. Contraditórios, os médicos não entravam num acordo. Havia rumores não confirmados de um câncer. No dia 20 de agosto, após uma série de exames rigorosos, GLAUBER ROCHA disse que não gostaria de ficar sozinho naquela noite, pedindo a Paula que o fizesse companhia. Ela recusou, pois não podia deixar os filhos sozinhos no hotel. Ele parecia bem, estava radiante e conversador como nos seus melhores dias. Na mesma noite entrou em coma. No dia seguinte, levado para o Brasil em estado crítico, morreu logo depois, em 22 de agosto de 1981. O talento incompreendido, que lia Nietzsche e Schopenhauer aos 13 anos, foi velado no Parque Lage, no Rio de Janeiro, cenário de “Terra em Transe”, em meio a grande comoção. Poucos dias após, exibiram seus filmes em mostras retrospectivas na Inglaterra (National Film Institute), Estados Unidos (American Film Institute) e França (Instituit Nacional d’Estudes Cinematographiques). A causa da sua morte ainda hoje é nebulosa, fala-se inclusive em Aids. O mais provável: contaminação ao passar por uma biópsia com equipamento não esterilizado. Tinha 42 anos, ele que desde adolescente dizia que morreria aos 42 anos, o inverso de 24, idade em que morreu Castro Alves, que fazia aniversário no seu mesmo dia e o seu poeta favorito. Foi-se subitamente, levando sua mensagem exuberante. Se continuasse filmando possivelmente ainda estaria vivo. A arte seria sua cura. Mas não deixaram. Incomodava demais aos conservadores. 


FILMOGRAFIA DE GLAUBER

CRUZ NA PRAÇA (CM, inacabado, 1959) 

BARRAVENTO (1960)

DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL (1964)

AMAZONAS AMAZONAS (CM, 1965) 

MARANHÃO 66 (CM, 1966) 

TERRA EM TRANSE (1967)

O CÂNCER (1968-72)

O DRAGÃO DA MALDADE CONTRA

O SANTO GUERREIRO (1969)

O LEÃO DE SETE CABEÇAS (1969)

CABEZAS CORTADAS  (1970)

HISTÓRIA DO BRASIL (1972-74)

AS ARMAS E O POVO (MM, 1975)

CLARO (1975)

DI CAVALCANTI (CM, 1976) 

JORGAMADO NO CINEMA (MM, 1977)

A IDADE DA TERRA (1979)

programa "abertura"
(tv tupi)

21 comentários:

Marcelo C,M disse...

Graças a Deus tive sorte de assistir Deus e o Diabo na Terra do Sol e com certeza, não é somente um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos como tambem um dos 100 melhores filmes de todos os tempos.
Agradeço a revista Bravo que lançou em uma edição especial sobre os 100 melhores filmes de todos os tempos (na opimião deles) e soube a existencia do filme.

Hugo de Oliveira disse...

Super interessante e necessária sua postagem, lembrar o trabalho do Glauber.


Parabéns.

abraços

Cine Mosaico disse...

Com certeza, Glauber Rocha foi um dos
melhores cineastas da história brasileira.
Seu estilo influenciou bastante as gerações seguintes de diretores.
"Deus e o Diabo na Terra do Sol" é um dos meus filmes preferidos até hoje.

Gostei do post. Muito completo nas informações.

:: João Linno ::

Leandro Afonso Guimarães disse...

post excelente, Antonio.

mesmo sem gostar de boa parte do que fez, Glauber era um monstro, um extra-terrestre no melhor dos sentidos. faz falta.

linezinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
linezinha disse...

Glauber Rocha um dos grandes cineastas do cinema brasileiro e tb da história do cinema mundial só, assite 2 filmes dele:"Deus e o Diabo na Terra do Sol" e "Terra em transe" e como foi lembrado no texto a irmã dele a Anecy Rocha que foi uma ótima atriz e teve um fim tão trágico. adorei o post Antônio!

linezinha disse...

ah e adorei esse vídeo do Glauber da tv Tupi crítico e ao mesmo tempo engraçado!

Antonio Nahud Júnior disse...

Acho bacana essa edição especial da Bravo sobre cinema, Marcelo. Claro que como toda lista é questionável, mas inegavelmente muitos filmes que estão nela são fundamentais.
Abraços,

Alesselma disse...

Comecei a leitura (lá no alto) e não consegui parar... Posts muito bons!
Esse "olhar para o Brasil" foi maravilhoso! Darlene Glória, Odete Lara, Glauber... Bem lembrados!
Parabéns!

GIANCARLO TOZZI disse...

Dizem que ele é gênio. Como dizem a mesma coisa do Godard e do Von Trier. Sinceramente, pouco me importa. O que conheço dele beira a histeria: gritos, câmera nervosa, narrativa fragmentada. Não, não é o meu tipo de cinema. O cara tinha um ego descontrolado. Esse vídeo dele na Tv Tupi é revelador, ele lá esculhambando todo mundo, falando publicamente de suas frustrações, insistindo na batida “estética da fome”, misturando vida e arte de forma desesperada, nada simpática. Eu quero mais é o Roberto Santos, o Joaquin Pedro de Andrade, o Ruy Guerra... A Idade da Terra é um dos piores filmes que já vi, fui até o fim por teimosia. Mas é uma pena que tenha partido tão jovem. O seu projeto sobre a cine-biografia de Napoleão tinha tudo para ser um filme raro, diferenciado. Unir Fonda-Nicholson-Welles numa mesma produção não é pra qualquer um. O que será que aconteceu com o roteiro?

Octavio Caruso disse...

Sendo muito sincero, de todos os filmes de Glauber que assisti até hoje, o único do qual gostei (mesmo assim, não tanto quanto gostaria) foi "Terra em Transe". Acho a estética da fome uma desgraça... uma tentativa de copiar os italianos da época (mas sem ter passado por uma guerra) e uma tentativa de copiar os franceses da Nouvelle Vague (mas sem Truffaut). Respeito muito mais o José Mojica Marins...ótimo texto, amigo!

Jamil disse...

Lembra quando assistimos Antonio das Mortes no Centro de Estudos Brasileiros, em BCN? Você ficou emocionado ao reconhecer o seu amigo Mário Gusmão. Depois fomos tomar vinho no Bairro Gótico e você lembrando dele, da importância que teve para as artes de sua cidade natal. Eu caladinho, observando os seus olhos brilhando de sentimento. Uma noite inesquecível, Antonio. Você é muito especial, meu amigo. Não me conformo com sua partida para o Brasil. Nunca me conformarei.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Octavio, Giancarlo, não posso negar a importância de Glauber para a valorização mundial do nosso cinema, mas também é um tipo de cinema que não me interesse o suficiente. Gosto da poética humanista de BARRAVENTO e de um ou outro momento de DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL, que bebe muito da fonte de Eisenstein. Mas nunca colocaria uma obra dele entre os 100 melhores filmes de todos os tempos.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Claro que lembro, Jamil. Mário Gusmão foi muito importante em minha vida. Ele passou uma temporada no sul da Bahia, já bastante maduro e deu um curso de teatro que revolucionou artisticamente a região. Fiz o curso e fiquei muito amigo dele. Em O DRAGÃO DA MALDADE CONTRA O SANTO GUERREIRO o seu personagem é de impacto.
Salve Mário!

Edson Cacimiro disse...

Já assisti Deus e o Diabo e realmente é um grande filme!

Leandra disse...

Glauber, Feliz Aniversário: tocam as cordas da lira do coração despertando a saudade de um cinema embriagado de ideologia e emoção.

Leandra Leal

Dilberto L. Rosa disse...

Não sei se você leu a ótima biografia "Gláuber Rocha, esse vulcão", de João Carlos Teixeira Gomes: muito bom! Tal qual o seu texto, que descreveu com maestria (apesar dos parágrafos muuuito longos, rs) e poeticidade os últimos dias de um mestre (gostei muito de tuas descrições de Sintra)! Abração! E mais uma vez, parabéns!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Já ouvi falar, mas nunca li a biografia de João Carlos Teixeira, Dilberto. Sou baiano, mas não sou fã de Glauber. Esse texto foi escrito na época em que eu morava em Sintra. Conheci a casa onde ele morou, alguns amigos seus etc. O texto terminou por ser publicado no Jornal de Sintra e na revista pernambucana Continente Multicultural.
Abraços,

Faroeste disse...

Que Deus me perdoe, assim como os fãs de Glauber Rocha, amigos seus e parentes. No entanto eu, conforme já citei no blog cinewesternmania.com, tenho o terrível defeito de ser puramente sincero e nunca fazer nada para meu desagrado, apenas para agradar quem quer que seja. Mas para mim o Glauber Rocha era um homem de mente incompleta, nunca fazendo na vida algo concreto, um cinema de verdade, alguma coisa que se pudesse sentar numa poltrona, assistir e sair dizendo; um grande filme ou, ao menos, assistivel.
Nunca isto ocorreu. Simplesmente porque ele era um homem que somente pegava numa câmera para soltar seus leões, gritar, reclamar de tudo e filmar coisas sem o menor nexo.
Vi, num documentário, Jece Valasdão, Tarciso Meira, Antonio Pitanga e outros atores, estes sendo dirigidos por ele, onde se ouvia sua voz, seus gritos, seus trejeitos desvairados e tudo o mais de degradante. Lamento ter que dizer isso; mas fiquei penalizado por aqueles atores, homens de nome prontos e de talentos comprovados, terem de aturar calados àquelas aberrações proferidas por ele.
Que me desculpem os fãs deste diretor que, lamentavelmente, já não está mais entre nós. Mas ele apenas era "suportado" por muita gente. Somplesmente porque não interessava a ninguém de renome, dizer o que achava deste descartável homem do cinema.
Que seus parente, amigos, fãs saibam me perdoar. Mas esta é a opinião pura e sincera de um cinéfilo, um homem comum, um ser humano com o direito de gostar ou não de alguma coisa, aprovar o que ver como positivo e desaprovar o que lhe traz insatisfação ou desagrado.
Querem ver uma coisa; sentem-se e assistam, hoje, a Barravento. Depois falem no meu email se acharam ali alguma coisa.Porém, usem de toda vossa sinceridade.
jurandir_lima@bol.com.br

turbina de ideias disse...

Sou um glauberiano e tudo que se escreve sobre esse "vulcão" me prende . Adorei seu texto. Obrigado pela visita ao Turbina de Ideias.

siby13 disse...

Fico imaginando Glauber no "Palacete do "Luchino Visconti". Meu Deus!!! que sonho não é? Visconti é um dos meus diretores preferidos.