abril 30, 2015

************** MUSAS DE GEORGE CUKOR


Reconhecido como o melhor diretor de atrizes de Hollywood (um exagero, William Wyler era superior), GEORGE CUKOR (1899–1983) em mais de 50 anos de atividade foi indicado cinco vezes ao Oscar de Melhor Diretor: em 1933, por “Quatro Irmãs”; em 1940, por “Núpcias de Escândalo”; em 1947, por “Fatalidade”; em 1950, por “Nascida Ontem”, e em 1964 por “Minha Bela Dama”. Com esse musical, em que o refinamento de sua linguagem é evidente, finalmente levou a estatueta para casa. Culto, afirmou-se não apenas como um ótimo profissional capaz de cumprir prazos e orçamentos como também capaz de captar os mais profundos sentimentos da mulher e de obter o melhor rendimento possível das atrizes.

george cukor
Ele passou a ser o cineasta preferido das estrelas e de produtores em função delas. Por isso, Irving Thalberg, o poderoso chefão da Metro-Goldwyn-Mayer, não vacilou em chamá-lo para dirigir “Romeu e Julieta”, superprodução estrelada por Norma Shearer (esposa de Thalberg) e Leslie Howard. Pena que o casal central já estivesse à beira dos quarenta anos, o que comprometeu bastante esta adaptação da peça de Shakespeare. Mas o filme impressionou e David O. Selznick o chamou para dirigir “... E o Vento Levou”. Muitas das cenas editadas na versão final foram feitas sob as ordens de GEORGE CUKOR. Caso da sequência do incêndio em Atlanta e a primeira aparição de Scarlett O’Hara, quando flerta com os dois irmãos. Dizem que Clark Gable não o via com bons olhos, alegando que ele dava mais atenção às atrizes, mas as más línguas garantem que gay, o diretor conhecia o passado de garoto de programa do astro. Nesse clima, após 18 dias de trabalho, foi substituído por Victor Fleming. O incidente não abalou a sua carreira. Até 1981 ele construiu uma filmografia com cerca de 50 títulos entre comédias, musicais e dramas, em que pôde orientar grandes estrelas.

kate hepburn e cukor
Embora fosse um artesão obediente às regras da indústria cinematográfica e dono de um senso ético que o levava a ser fiel ao roteiro sem se preocupar com o brilho fácil, GEORGE CUKOR fez algumas intervenções ousadas para os padrões de Hollwyood. Caso de “A Vida Íntima de Quatro Mulheres”, em que, pela primeira no cinema norte-americano, as personagens femininas falavam abertamente sobre orgasmo e frustração sexual. A cena em que a fogosa Glynnis Johns avança sobre o musculoso leiteiro é antológica. “Ricas e Famosas”, o seu canto do cisne, também foi atrevido ao mostrar mulheres maduras seduzindo homens mais jovens para rápidos momentos de sexo. Já afastado do cinema, o poeta da alma feminina, como diziam muitos críticos, morreu em 1983, vítima de um enfarte. A lista de grandes atrizes que foram dirigidas por ele é longa. Confira.

ANN DVORAK
(1912–1979)

Perdidamente Tua (A Life of Her Own, 1950)

ANNA KARINA
(1940)

Justine (Idem, 1969)

ANNA MAGNANI
(1908–1973)

A Fúria da Carne (Wild Is the Wind, 1957)

ANOUK AIMÉE
(1932)

Justine (Idem, 1969)

AUDREY HEPURN
(1929–1993)

Minha Bela Dama (My Fair Lady, 1964)

AVA GARDNER
(1922–1990)

A Encruzilhada dos Destinos (Bhowani Junction, 1956)

CANDICE BERGEN
(1946)

Ricas e Famosas (Rich and Famous, 1981)

CLAIRE BLOOM
(1931)

A Vida Íntima de Quatro Mulheres (The Chapman Report, 1962)

CLAUDETTE COLBERT
(1903–1996)

Zazá (Zaza, 1938)

CONSTANCE BENNETT
(1904–1965)

Hollywood (What Price Hollywood?, 1932)
Caluniada (Rockabye, 1932)
Our Betters (1933)
Duas Vezes Meu (Two-Faced Woman, 1941)
Demônio de Mulher (It Should Happen to You, 1954)

DEBORAH KERR
(1921–2007)

Meu Filho (Edward, My Son, 1948)

ELIZABETH TAYLOR
(1932–2011)

O Pássaro Azul (The Blue Bird, 1976)

FRANCES DEE
(1909–2004)

As Quatro Irmãs (Little Women, 1933)

GRETA GARBO
(1905–1990)

A Dama das Camélias (Camille, 1936)
Duas Vezes Meu (Two-Faced Woman, 1941)

INGRID BERGMAN
(1915–1982)

À Meia Luz (Gaslight, 1944)

JACQUELINE BISSETT
(1944)

Ricas e Famosas (Rich and Famous, 1981)

JANE FONDA
(1937)

A Vida Íntima de Quatro Mulheres (The Chapman Report, 1962)
O Pássaro Azul (The Blue Bird, 1976)

JEAN HARLOW
(1911–1937)

Jantar às Oito (Dinner at Eight, 1933)

JEAN SIMMONS
(1929–2010)

Papai Não Quer (The Actress, 1953)

JEANNE CRAIN
(1925–2003)

Encontro nos Céus (Winged Victory, 1944)
A Modelo e a Casamenteira (The Model and the Marriage Broker, 1951)

JOAN BENNETT
(1910–1990)

As Quatro Irmãs (Little Women, 1933)

JOAN CRAWFORD
(1905–1977)

As Mulheres (The Women, 1939)
Uma Mulher Original (Susan and God, 1940)
Um Rosto de Mulher (A Woman's Face, 1941)

JOAN FONTAINE
(1917–2013)

As Mulheres (The Women, 1939)

JUDY GARLAND
(1922–1969)

Nasce Uma Estrela (A Star Is Born, 1954)

JUDY HOLLIDAY
(1921–1965)

Encontro nos Céus (Winged Victory, 1944)
 A Costela de Adão (Adam's Rib, 1949)
Nascida Ontem (Born Yesterday, 1950)
Demônio de Mulher (It Should Happen to You, 1954)

KATHARINE HEPBURN
(1907–2003)

Vítimas do Divórcio (A Bill of Divorcement, 1932)
As Quatro Irmãs (Little Women, 1933)
Vivendo em Dúvida (Sylvia Scarlett, 1935)
 Boêmio Encantador (Holiday, 1938)
Núpcias de Escândalo (The Philadelphia Story, 1940)
O Fogo Sagrado (Keeper of the Flame, 1942)
A Costela de Adão (Adam's Rib, 1949)
A Mulher Absoluta (Pat and Mike, 1952)
Amor Entre Ruínas (Love Among the Ruins, 1975)
 O Coração não Envelhece (The Corn Is Green, 1979)

KAY FRANCIS
(1905–1968)

Coragem de Amar (The Virtuous Sin, 1930)
Pra que Casar? (Girls About Town, 1931)

KAY KENDALL
(1926–1959)

Les Girls (Idem, 1957)

LANA TURNER
(1921–1995)

Perdidamente Tua (A Life of Her Own, 1950)

MAGGIE SMITH
(1934)

Viagens com a Minha Tia (Travels with My Aunt, 1972)

MARILYN MONROE
(1926–1962)

Adorável Pecadora (Let's Make Love, 1960)

NORMA SHEARER
(1902–1983)

Romeu e Julieta (Romeo and Juliet, 1936)
As Mulheres (The Women, 1939)
Idílio a Muque (Her Cardboard Lover, 1942)

PAULETTE GODDARD
(1910–1990)

As Mulheres (The Women, 1939)

ROSALIND RUSSELL
(1907–1976)

As Mulheres (The Women, 1939)

SHELLEY WINTERS
(1920–2006)

Fatalidade (A Double Life, 1947)
A Vida Íntima de Quatro Mulheres (The Chapman Report, 1962)

SIGNE HASSO
(1910–2002)

Fatalidade (A Double Life, 1947)

SOPHIA LOREN
(1934)

Jogadora Infernal (Heller in Pink Tights, 1960)

TALLULAH BANKHEAD
(1902–1968)

Casamento Singular (Tarnished Lady, 1931)

TERESA WRIGHT
(1918–2005)

Papai Não Quer (The Actress, 1953)




joan crawford e cukor
cukor e audrey hepburn
judy garland e cukor

10 comentários:

Marcelo Castro Moraes disse...

Somente grandes Musas. Visitem o meu blog de cinema: http://cinemacemanosluz.blogspot.com.br

Zita Salviano disse...

Espetacular essas fotos.

Marlon Giorgio disse...

Jeanne Crain, bela e pouco lembrada.

Edivaldo Martins disse...

Apesar da afetação, ele se dava "bem" com as mulheres!

Mauro Sérgio Magalhães disse...

Só a Candice já arrebenta ...

Hermann Massaro disse...

Greats photos

Marlon Giorgio disse...

Belíssimas.

José Ivo Viana disse...

Muito bom esse blog.

siby13 disse...

Excelente sua matérias, fotos lindíssimas e a confirmação que sua musa preferida era Kate.
Parabéns querido.

Regina Coeli Azvdo disse...

Belas mulheres! É como disse o Vinícius! " Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental"