junho 16, 2015

**** M-G-M: MAIS ESTRELAS DO QUE HÁ NO CÉU

jean harlow
Na época de ouro de Hollywood poucos estúdios tinham tanto poder quanto o de Louis B. Mayer, um dos maiores criadores de estrelas da meca do cinema. O logotipo da empresa, um leão legendado com a expressão Ars Gratia Artis (Arte pelo Amor da Arte), utilizado pela primeira vez em 1928, era sinônimo da qualidade cinematográfica. A produtora passou a chamar-se METRO-GOLDWYN-MAYER em 1924. Teve seu primeiro grande sucesso em 1926, o épico “Ben-Hur / Idem”, de Fred Niblo, com o “latin lover” mexicano Ramon Novarro como protagonista. Nomes consagrados – Lillian Gish, Lon Chaney, Buster Keaton, Mae Murray, John Gilbert, Wallace Beery etc. - foram pescados em estúdios concorrentes, seduzidos por contratos milionários. Ela também começou com excelentes diretores (King Vidor, Clarence Brown, Erich von Stroheim, Tod Browning, Victor Seastrom etc.) e tinha o criativo Irving G. Thalberg como diretor de produção - o sucesso neste período inicial deve-se muito a ele, cuja aposta em produções de categoria permitiu a realização de longas importantes, geralmente adaptações literárias.

louis b. mayer
Nas décadas de 1930 e 1940, a produtora ditou as tendências do cinema, lançando cerca de 50 filmes anuais e empregando para isso centenas de artistas. Ostentava o slogan publicitário “Mais estrelas do que há no céu”, à custa do carisma de nomes como Spencer Tracy, Norma Shearer, Joan Crawford, Greta Garbo, Clark Gable etc. Não só eram as principais estrelas do estúdio, mas de toda Hollywood. Na época, Mayer contratou a The American Musical Academy of Arts Association (AMAA) para lidar com a imprensa e com o desenvolvimento de seu cast all-star, assessorando e orientando para que este se tornasse mais atraente ao público. A M-G-M acolheu um vasto leque de técnicos talentosos, cujos trabalhos eram a marca do estúdio: Cedric Gibbons, diretor de arte; Douglas Shearer, engenheiro de som; William H. Daniels, fotógrafo; Herbert Stothart, compositor; Adrian, figurinista; entre muitos outros. Durante duas décadas foi o maior e mais rentável estúdio de cinema, conhecido pelo glamour, além de contar com as instalações mais sofisticadas. Fazia filmes de prestígio, premiados, mas também produções de menor orçamento, de valoroso impacto junto do público - como as séries “Andy Hardy”, “Dr. Kildare” e “Tarzan”. Quase todos os seus filmes pretendiam apenas divertir e qualquer referência a temas sociais controversos era evitado ou suavizado.

irving g. thalberg, norma shearer
e louis b. mayer
Tendo decaído lentamente de 1950 a 1960, mesmo com o sucesso de seus fabulosos musicais, a METRO-GOLDWYN-MAYER encerrou suas produções em 1973, passando a somente distribuir filmes e só retornando a realizá-los em 1980. O temido Louis B. Mayer esteve na presidência do estúdio até 1951, quando inesperadamente – e contra sua vontade – foi substituído por um antigo assistente, Dore Schary. Em 1950 recebeu um Oscar Honorário pelos notáveis serviços prestados à indústria do cinema. Morreu em 1957, aos 73 anos.

Listo algumas estrelas da M-G-M, indicando o primeiro e o último filme feito no estúdio enquanto contratados, o número de filmes que rodaram no mesmo estúdio e o melhor deles em minha opinião.

CYD CHARISSE
(1943 a 1957)

Filme de estreia no estúdio: “A Filha do Comandante / Thousands Cheer” (1943), de George Sidney
Último filme: “Meias de Seda / Silk Stockings” (1957), de Rouben Mamoulian
Número de filmes: 22
Melhor momento: “A Roda da Fortuna / The Band Wagon” (1953), de Vincente Minnelli

CLARK GABLE
(1931 a 1954)

Filme de estreia no estúdio: “Tentação do Luxo / The Easiest Way” (1931), de Jack Conway
Último filme: “Atraiçoado / Betrayed” (1954), de Gottfried Reinhardt
Número de filmes: 53
Melhor momento: “...E o Vento Levou / Gone with the Wind” (1939), de Victor Fleming

DEBORAH KERR
(1947 a 1953)

Filme de estreia no estúdio: “Mercadores de Ilusões / The Hucksters” (1947), de Jack Conway
Último filme: “Quem é meu Amor? / Dream Wife” (1953), de Sidney Sheldon
Número de filmes: 10
Melhor momento: “Meu Filho / Edward, My Son” (1949), de George Cukor

GENE KELLY
(1942 a 1957)

Filme de estreia no estúdio: “Idílio em Do-Re-Mi / For Me and My Gal” (1942), de Busby Berkeley
Último filme: “Les Girls / Idem” (1957), de George Cukor
Número de filmes: 25
Melhor momento: “Cantando na Chuva / Singin' in the Rain” (1952), de Stanley Donen e Gene Kelly

GREER GARSON
(1939 a 1954)

Filme de estreia no estúdio: “Adeus, Mr. Chips / Goodbye, Mr. Chips” (1939), de Sam Wood
Último filme: “Os Homens de sua Vida / Her Twelve Men” (1954), de Robert Z. Leonard
Número de filmes: 18
Melhor momento: “Rosa da Esperança / Mrs. Miniver” (1942), de William Wyler

GRETA GARBO
(1926 a 1941) 

Filme de estreia no estúdio: “Os Proscritos / Torrent” (1926), de Monta Bell
Último filme: “Duas Vezes Meu / Two-Faced Woman” (1941), de George Cukor
Número de filmes: 25
Melhor momento: “Ninotchka / Idem” (1939), de Ernst Lubitsch

HEDY LAMARR
(1939 a 1944)

Filme de estreia no estúdio: “Flor dos Trópicos / Lady of the Tropics” (1939), de Jack Conway
Último filme: “Um Rival nas Alturas / The Heavenly Body” (1944), de Alexander Hall
Número de filmes: 11
Melhor momento: “O Inimigo X / Comrade X” (1940), de King Vidor

JEAN HARLOW
(1932 a 1937)

Filme de estreia no estúdio: “A Fera da Cidade / The Beast of the City” (1932), de Charles Brabin
Último filme: “Saratoga / Idem” (1937), de Jack Conway
Número de filmes: 15
Melhor momento: “Jantar às Oito / Dinner at Eight” (1933), de George Cukor

JEANETTE MACDONALD
(1934 a 1942)

Filme de estreia no estúdio: “O Gato e o Violino / The Cat and the Fiddle” (1934), de William K. Howard
Último filme: “Cairo / Idem” (1942), de W.S. Van Dyke
Número de filmes: 15
Melhor momento: A Viúva Alegre The Merry Widow (1934), de Ernst Lubitsch


JOAN CRAWFORD
(1925 a 1943)

Filme de estreia no estúdio: “Pretty Ladies” (1925), de Monta Bell
Último filme: “Os Insupeitos / Above Suspicion” (1943), de Richard Thorpe
Número de filmes: 56
Melhor momento: “Um Rosto de Mulher / A Woman’s Face” (1941), de George Cukor

JOHN GILBERT
(1924 a 1933)

Filme de estreia no estúdio: “He Who Gets Slapped” (1924), de Victor Sjostrom
Último filme: “Rainha Cristina / Queen Christina” (1933), de Rouben Mamoulian
Número de filmes: 26
Melhor momento: “O Grande Desfile / The Big Parade” (1925), de King Vidor

JUDY GARLAND
(1937 a 1950)

Filme de estreia no estúdio: “Melodia da Broadway de 1938 / Broadway Melody of 1938” (1937), de Roy Del Ruth
Último filme: “Casa, Comida e Carinho / Summer Stock” (1950), de Charles Walters
Número de filmes: 27
Melhor momento: “Agora Seremos Felizes / Meet Me in St. Louis” (1944), de Vincente Minnelli

KATHARINE HEPBURN
(1940 a 1952)

Filme de estreia no estúdio: “Núpcias de Escândalo / The Philadelphia Story” (1940), de George Cukor
Último filme: “A Mulher Absoluta / Pat and Mike” (1952), de George Cukor
Número de filmes: 12
Melhor momento: “Núpcias de Escândalo / The Philadelphia Story”

LANA TURNER
(1938 a 1955)

Filme de estreia no estúdio: “O Amor Encontra Andy Hardy / Love Finds Andy Hardy” (1938), de George B. Seitz
Último filme: “O Filho Pródigo / The Prodigal” (1955), de Richard Thorpe
Número de filmes: 30
Melhor momento: “Assim Estava Escrito / The Bad and the Beautiful” (1952), de Vincente Minnelli

LILLIAN GISH
(1926 a 1928)

Filme de estreia no estúdio: “La Bohème / Idem” (1926), de King Vidor
Último filme: “Vento e Areia / The Wind” (1928), de Victor Sjöström
Número de filmes: 5
Melhor momento: “Vento e Areia / The Wind”

LON CHANEY
(1924 a 1930)

Filme de estreia no estúdio: “Ironia da Sorte / He Who Gets Slapped” (1924), de Victor Sjöström
Último filme: “Trindade Maldita / The Unholy Three” (1930), de Jack Conway
Número de filmes: 17
Melhor momento: “O Monstro do Circo / The Unknown” (1927), de Tod Browning

MAE MURRAY
(1925 a 1927)

Filme de estreia no estúdio: “A Viúva Alegre / The Merry Widow” (1925), de Erich Von Stroheim
Último filme: “Altars of Desire” (1927), de Christy Cabanne
Número de filmes: 4
Melhor momento: “A Viúva Alegre / The Merry Widow” (1925), de Erich Von Stroheim

MICKEY ROONEY
(1934 a 1948)

Filme de estreia no estúdio: “Vencido Pela Lei / Manhattan Melodrama” (1934), de W.S. Van Dyke
Último filme: “Minha Vida é uma Canção / Words and Music” (1948), de Norman Taurog
Número de filmes: 48
Melhor momento: “A Comédia Humana / The Human Comedy” (1943), de Clarence Brown

MYRNA LOY
(1933 a 1945)

Filme de estreia no estúdio: “Uma Noite no Cairo / The Barbarian” (1933), de Sam Wood
Último filme: “A Canção dos Acusados / Song of the Thin Man” (1947), de Edward Buzzell
Número de filmes: 31
Melhor momento: “A Ceia dos Acusados / The Thin Man” (1934), de W.S. Van Dyke

NORMA SHEARER
(1924 a 1942)

Filme de estreia no estúdio: “Broken Barriers” (1924), de Reginald Barker
Último filme: “Idílio a Muque / Her Cardboard Lover” (1942), de George Cukor
Número de filmes: 40
Melhor momento: “As Mulheres / The Women” (1939), de George Cukor

ROBERT TAYLOR
(1935 de 1958)

Filme de estreia no estúdio: “A Wicked Woman” (1935), de Charles Brabin
Último filme: “A Bela do Bas-Fond / Party Girl” (1958), de Nicholas Ray
Número de filmes: 52
Melhor momento: “Quo Vadis / idem” (1951), de Mervyn LeRoy

SPENCER TRACY
(1935 a 1955)

Filme de estreia no estúdio: “Ladra Encantadora / Whipsaw” (1935), de Sam Wood
Último filme: “Conspiração do Silêncio / Bad Day at Black Rock” (1955), de John Sturges
Número de filmes: 38
Melhor momento: “Fúria / The Fury” (1936), de Fritz Lang

WALLACE BEERY
(1930 a 1949)

Filme de estreia no estúdio: “O Presídio / The Big House” (1930), de George W. Hill
Último filme: Big Jack (1949), de Richard Thorpe
Número de filmes: 44
Melhor momento: “O Campeão / The Champ” (1931), de King Vidor

WILLIAM POWELL
(1934 a 1947)

Filme de estreia no estúdio: “Vencido Pela Lei / Manhattan Melodrama” (1934), de W.S. Van Dyke
Último filme: “A Canção dos Acusados / Song of the Thin Man” (1947), de Edward Buzzell
Número de filmes: 22
Melhor momento: “A Ceia dos Acusados / The Thin Man” (1934), de W.S. Van Dyke


estrelas da m-g-m em 1949

junho 04, 2015

***** NORMA BENGELL: O OCASO de UMA MUSA


O cinema francês não se esquece de suas estrelas. Geralmente elas trabalham até idade avançada, envelhecendo com charme nas telas. De cabeça, lembro-me de Catherine Deneuve, Jean-Louis Trintignant, Anouk Aimée, Danielle Darrieux, Michel Piccoli, Jeanne Moreau, Emanuelle Riva, Micheline Presle, entre outras. O mesmo não acontece habitualmente nos Estados Unidos da América, mas os filhos de Tio Sam reverenciam suas antigas glórias através de publicações, documentários, vídeos, retrospectivas, tributos. 

O Brasil, um país sem memória, literalmente apaga o passado. Os novos cineastas raramente convidam para os seus filmes intérpretes que brilharam noutros tempos. Hoje, poucos brasileiros sabem da importância no cenário cinematográfico nacional de intérpretes como Odete Lara, Joffre Soares, Adriana Prieto, Isabel Ribeiro, Paulo César Pereio, Lillian Lemmertz, Paulo José, Irene Stefânia, Hugo Carvana, Tereza Raquel, Glauce Rocha, Jardel Filho, Anecy Rocha, Geraldo D’el Rey, Ítala Nandi, Darlene Glória, Othon Bastos, Ana Maria Magalhães etc.

norma (primeira à direita), odete lara, leila diniz
e outras atrizes na passeata dos cem mil
 contra a censura, 1968
Uma das nossas maravilhas, NORMA BENGELL (1935 – 2013) conseguiu a proeza de num país majoritariamente 'televisivo' ser uma das poucas atrizes que se dedicou principalmente ao cinema e mesmo assim manteve seu sucesso e popularidade. Temperamental, de difícil trato, feminista engajada, artista com convicções políticas, transgressora, mulher à frente do seu tempo, cantora e diretora, de dinâmica carreira, rodou mais de cinquenta filmes. Na longa trajetória, histórias de abortos, estupros, inúmeros casos de amor, brigas, separações, a paixão por uma mulher com quem ela viveu durante anos, o tumultuado relacionamento com Alain Delon, na época considerado o homem mais bonito do mundo. Inquieta, despachada, ousada, libertária, como ela mesmo se definia, fez novelas de televisão, foi amiga do presidente João Goulart e de Glauber Rocha, com quem trabalhou em “A Idade da Terra” (1980). Casos de amor e brigas se alternam na vida da sedutora que se engajou na luta pelos direitos dos atores, e foi uma voz contra preconceitos e a ditadura militar, passando anos de exílio na Europa.

norma com os cantores
tony campello e carlos josé
Fascinava pela sensualidade e personalidade forte. Galãs como Alain Delon, Renato Salvatori e Gabriele Tinti, renderam-se ao charme dessa carioca sex symbol. Premiada muitas vezes, capa de revistas concorridas, polêmica, musa do Cinema Novo, comparada à francesa Jeanne Moreau, NORMA BENGELL nos orgulha, remetendo às boas recordações de um tempo perdido. Nos seus últimos anos de vida, paralítica e sem dinheiro, devendo uma fortuna ao Leão, possuía apenas uma casa, a cada dia mais vazia, porque vendia os móveis e parte do acervo particular para sobreviver. Doente e endividada, a atriz que viveu a glória do cinema nacional, recorreu à ajuda de amigos. Ao escorregar num tapete, sofreu um tombo e precisou operar a coluna e o cotovelo. Daí em diante, só deixou sua residência para ir ao hospital. Entregue a uma cadeira de rodas, doente e à beira da falência, não era nem sombra da atriz sensual e de olhar enigmático cortejada nos anos 1960 e 1970.

norma nos tempos de vedete
O pai era um belga que trabalhava como afinador de piano. A mãe, de família rica, deserdada após o casamento pelo pai integralista que não a queria casada com um imigrante. A infância difícil, em Copacabana. NORMA BENGELL nasceu predestinada a se tornar estrela de cinema. Por volta de 1936, o ator e diretor Raul Roulien, de passagem pelo Rio, ao vê-la passeando no carrinho de bebê, pediu permissão à mãe para filmá-la. Em 1945, seus pais se separaram e ela foi morar com os avós paternos. Levada a um internato de freiras alemãs, não permaneceu por muito tempo, sendo expulsa por indisciplina. Trabalhou algum tempo no comércio. No começo dos anos 1950, manequim da Casa Canadá, seu corpo escultural logo chamou a atenção, passando a atuar no teatro de revista em 1954, como vedete no espetáculo “Fantasia e Fantasias”, apresentado no Copacabana Palace. Trabalhou muitos anos com Carlos Machado nas boates “Casablanca” e “Night and Day”, com temporadas em Montevidéu e Buenos Aires. 

Estreou no cinema em 1959, na chanchada “O Homem de Sputnik”, produção da Atlântica estrelada por Oscarito e Jô Soares. Um mega sucesso, com público estimado em 8 milhões e meio de pagantes. Ela fazia uma sátira à sex-symbol francesa Brigitte Bardot - seu personagem chamava-se justamente B.B. Então, a carreira de NORMA BENGELL no cinema intensificou-se, rodando muitos outros filmes, além de se destacar no teatro dramático na peça “Procura-se uma Rosa”, de Pedro Bloch. Ao atuar no drama urbano “Os Cafajestes”, de produção tumultuada, consagrou-se definitivamente, recebendo o Prêmio Saci de Melhor Atriz. Nessa fita clássica, protagonizou a primeira cena de nu frontal da história cinema brasileiro, que a tornou alvo de perseguição dos setores conservadores, sofrendo ataques da Igreja e da organização “Família, Tradição e Propriedade” (TFP). Em 1962, ao participar de um show de bossa-nova na PUC (RJ), foi impedida pelos padres de cantar, porque se declarou a favor da pílula anticoncepcional. No mesmo ano, chamada por Anselmo Duarte para “O Pagador de Promessas”, brilhou no papel da prostituta Marli. Em seu livro “Adeus, Cinema”, o cineasta afirma ter transado com a atriz para ela “não ir embora” das filmagens. Baixaria à parte, o longa ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes e ainda indicação ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, dando a NORMA BENGELL a oportunidade do estrelato internacional.

alberto sordi e norma em o mafioso
Em Cannes, conheceu o produtor Dino di Laurentiis, que a contratou, seguindo para a Itália, onde trabalhou com bons diretores, ficou amiga de Federico Fellini e Luchino Visconti, entre outros intelectuais europeus, teve um affair com o astro francês Alain Delon. No cinema italiano, a atriz é mais lembrada pelos sucessos “O Planeta dos Vampiros / Terrore Nello Spazio” (1965), ficção científica do diretor Mario Bava, e “Os Cruéis / I Crudeli” (1967) um spaghetti western de Sergio Corbucci. Ela contracenou com Alberto Sordi, Jean-Louis Trintignant, Renato Salvatori, Catherine Deneuve, Jean Sorel, Enrico Maria Salerno, Nino Manfredi e outros. “Quando o meu marido, o Gabrielle Tinti, viajava, eu saía muito com o Pasolini. Ia dançar com ele naqueles botecos de Roma. O prédio em que eu morava era uma loucura. A gente não podia abrir as janelas porque sempre tinha paparazzi nos telhados. Lá moravam a Brigitte Bardot, o Rod Steiger, a Cyd Charisse. Era na Via Vecchiarelli 38, um prédio dos anos 600 que a princesa alugava”, recordou a atriz. 

Em 1964, aos 30 anos de idade e no auge da beleza, voltou ao Brasil para filmar a obra-prima do diretor Walter Hugo Khouri, “Noite Vazia”, um dos melhores filmes da carreira dela. Nos estúdios da Companhia Cinematográfica Vera Cruz ela se casou com o italiano Gabriele Tinti (belíssimo e de filmografia inexpressiva, morreu em 1991, aos 59 anos), seu parceiro no filme, e a união durou até 1969. “Na minha carreira, trabalhei em lugares fantásticos e conheci pessoas fantásticas, mas minha vida privada era confusa. Passei por muitos amores e decepções”, confessou a atriz numa entrevista.

gabrielle tinti, o marido, e norma
Teve uma experiência em Hollywood, estrelando o episódio “To Kill a Priest” (1966), com direção de Boris Sagal, da primeira temporada da famosa série “T.H.E. Cats” (Paramount / NBC), gravando para a trilha as canções “Água de Beber” e “Garota de Ipanema”, ambas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Levando cantadas e perseguida nas ruas, ela, certa vez, precisou se esconder em um hotel. Ao longo da carreira atuou pouco no teatro, brilhando em 1968 com a peça “Cordélia Brasil”, de Antônio Bivar, dirigida por Emilio di Biasi, um dos seus maiores sucessos, mas acabou por ser levada por três homens do DOI-CODI, sendo interrogada por cinco horas sobre “a subversão na classe teatral”. Com o passar dos anos, optou cada vez mais por personagens altamente dramáticas, o que a elevou a um patamar distinto entre as atrizes da época, como se vê no seu trabalho desenvolvido durante os anos 1970. 

Em 1971, ela fez uma de suas melhores participações no cinema, no premiado “A Casa Assassinada”, de Paulo Cesar Saraceni. Por sua brilhante interpretação recebeu o Troféu de Melhor Atriz da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), prêmio que ainda receberia outras duas vezes por “Mar de Rosas” (1978) e “Eros, o Deus do Amor” (1981). Na época, decidiu se auto-exilar em Paris, onde continuou atuando no cinema e também na televisão e no teatro, trabalhando com o diretor Patrice Chéreau - um dos grandes intelectuais do teatro na França - em duas ocasiões: na peça “La Dispute”, de Marivaux, em 1973, e “Les Paraventes”, de Jean Genet, em 1983, que marcou sua despedida dos palcos franceses.

norma e jardel filho em antes, verão
De volta, continuou filmando. Ganhou o prêmio especial do júri do Festival de Veneza por sua atuação em “A Idade da Terra” (1980). Mais uma vez no terreno do escândalo, em 1984, NORMA BENGELL afirmou ter feito 16 abortos. No mesmo ano, rodou com Mick Jagger o videoclipe da música “She's the Boss”. No início dos anos 1990, o cinema brasileiro ficou bastante prejudicado e quase paralisado com a extinção da Embrafilme pelo governo Fernando Collor de Mello, e durante essa época ela se engajou politicamente na luta pela retomada do nosso cinema, fazendo várias viagens à Brasília, onde aconteceu o famoso beijo no então presidente Itamar Franco que deu o que falar. Em 2010, seu nome veio a tona durante a campanha da pré-candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, resultando em acusação da atriz de uso indevido de imagem por parte da candidata. Após a fase mágica, finda a mocidade, batalhou para não ser apenas um objeto do desejo, dirigindo e assinando o roteiro de “Eternamente Pagu” (1988), protagonizado por Carla Camuratti, e “O Guarani” (1996), baseado na obra de José de Alencar, entre outros. “O Guarani” foi um fracasso de público e crítica, que lhe rendeu um massacre na imprensa. Ela brigou com uma das roteiristas do filme e com críticos que deram avaliações negativas.

gloria menezes, norma e leonardo vilar
Seu primeiro LP, o bossa-novista “Ooooooh! Norma”, lançado em 1959, tem canções de Tom Jobim e João Gilberto. Em 1960, gravou “Tristeza”, incluída na trilha sonora da comédia Copacabana Palace, uma co-produção ítalo-franco-brasileira. Fez sucesso com “A Lua de Mel na Lua e “E se tens Coração”, da trilha de “Mulheres e Milhões”. Realizou shows no Club 36 e no Beco das Garrafas, no Rio de Janeiro, ao lado da turma da bossa nova (Tom Jobim, João Gilberto, Vinícius de Moraes, Baden Powell e Roberto Menescal, entre outros), sendo uma das primeiras cantoras a gravar composições inéditas de Tom Jobim. 

Após anos gravando participações em trilhas sonoras e discos de outros artistas, lançou seu segundo LP em 1977, “Norma Canta Mulheres”. Apresentou, dirigida por Abelardo Figueiredo, um programa semanal de música popular brasileira na tevê Tupi, no qual recebia convidados especiais com os quais cantava em dueto. Participou, também, do programa “Carrossel” (TV Rio), apresentando-se semanalmente, e do programa “Noite de Gala” (TV Rio), ao lado de vários artistas. Mais tarde, contratada pela Globo, comandou o programa “Shell em Show Maior”, ao lado de Chico Buarque. Porém, o cantor só participou do primeiro programa, em função de sua timidez. Mais adiante ela fez parte do elenco das telenovelas “Os Adolescentes” e “Os Imigrantes”, na Rede Bandeirantes; da minissérie “Parabéns pra Você”, de Bráulio Pedroso; das telenovelas “Partido Alto”, de Aguinaldo Silva e Glória Perez, e “O Sexo dos Anjos”, de Ivani Ribeiro.


Poucos meses antes de morrer, sem filhos, a senhora que foi uma das deusas do Brasil, presente na música, no teatro, na tevê e, sobretudo, no cinema, passava semanas sem sair de casa, sem uma fonte de renda regular e sem poder saldar as dívidas acumuladas. Segundo a atriz, teria sido enganada por seu advogado e, por conta disso, estaria devendo cerca de R$ 4 milhões à Receita Federal em imposto de renda. Às voltas com as contas cotidianas e mais as despesas médicas, não sabia o que fazer. As pernas inchadas e o tempo agindo sobre seu corpo, somente nos raros sorrisos e no olhar – ainda enigmático – se notavam vestígios da NORMA BENGELL de décadas atrás.

Por causa das pendências judiciais geradas com a produção de “O Guarani” seus bens e contas bancárias ficaram indisponíveis. Na época, ela usou leis de renúncia fiscal para levantar R$ 2,99 milhões. O Ministério da Cultura e o Tribunal de Contas da União identificaram irregularidades na prestação de contas e o caso parou na Justiça, gerando processos. “Chegaram a me acusar de não ter terminado o trabalho. Como podem dizer isso se o filme foi apresentado em horário nobre na Rede Globo para milhões de pessoas?”. Para piorar a situação, sua companheira de 25 anos (viviam sob o mesmo teto), Sonia Nercessian, fotógrafa e produtora, morreu em 2007 após um demorado sofrimento decorrente de câncer.

camila amado e norna em vestido de noiva,
de nelson rodrigues, 1976
Instalada numa enorme casa de quatro quartos, duas salas e uma bela piscina, em um dos bairros mais nobres do Rio, ela nem pensava em vender o imóvel, onde vivia há dez anos. “Nem pensar. Minhas lembranças estão todas aqui”, rechaçava. Tinha toda razão. Sobre alguém que cogitou levá-la para o Retiro dos Artistas, ela se referiu como um “estúpido”. Além de passar um bom tempo à frente da telinha, NORMA BENGELL preenchia seu dia fazendo sessões de fisioterapia, ouvindo música clássica, vendo filmes em DVD e fumando um maço de cigarros. Gastava horas ao celular com amigos como Ney Latorraca e Miguel Falabella. Otimista, três anos antes de morrer voltou aos palcos com a peça “Dias Felizes”, de Samuel Beckett, direção de Emílo di Biasi, na história de Winnie, uma mulher oprimida pelo mundo e pelo marido que tenta sobreviver em meio às suas lembranças e sonhos. Seu último trabalho na televisão foi como Deise Coturno na série humorística da Tv Globo “Toma Lá, Dá Cá” (2008/2009).

Depois de gravar depoimento para a posteridade no Museu da Imagem e do Som, no Rio, dando testemunho franco sobre o que viveu, organizou seu acervo pessoal (filmes, fotos, revistas, cartas etc.), que foi doado para a Cinemateca Brasileira, e finalizou um livro de memórias que preparava há décadas, “Norma - Coisas Que Vivi”. Além disso, sonhava em dirigir “Tudo por Amor”, sobre sua trajetória, que tinha roteiro pronto. Ela pensava em Alinne Moraes para interpretá-la. Seus últimos filmes como atriz foram o longa “Vagas para Moças de Fino Trato” (1992), de Paulo Thiago, e o curta “Banquete” (2002), de Marcelo Lafitte. Recebeu uma homenagem emocionante na 10ª edição do Grande Prêmio de Cinema Brasileiro, realizado no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, levando um troféu das mãos da atriz Marieta Severo. “Minha vida foi muito bonita, e ainda é”, disse numa entrevista, sem disfarçar o tom melancólico e os olhos cheios d’água. A atriz se queixava da solidão e do abandono dos amigos, e estava bastante doente. Faleceu em 2013, aos 78 de idade, no Rio de Janeiro.

De sex-symbol à atriz séria, dramática. NORMA BENGELL construiu uma carreira belíssima, invejável, que poucas conterrâneas também alcançaram. Considerava-se “uma operária, uma trabalhadora do cinema”. Seu nome estará para sempre unido aos acontecimentos da cultura brasileira na segunda metade do último século. “Foi o cinema que me fez conhecer o mundo inteiro, foi o cinema que me deu de comer, que me fez ser amada e odiada. Então, esse cinema é a minha vida”. Teve uma vida que não foi um “mar de rosas”, só para citar o filme de Ana Carolina que fez quando voltou do exílio, com Cristina Pereira e Hugo Carvana, e sobre o qual ela falava com carinho. No papel de uma mãe em desesperada trajetória em direção ao Rio de Janeiro, com a filha como num surto, uma explosão, um delírio, o filme é bem ilustrativo dela mesma, de seu caminho, inclassificável estrela.

(Fontes: “Enciclopédia do Cinema Brasileiro”, de Fernão Ramos e Luiz Felipe Miranda, Ed. Senac/São Paulo; “História Ilustrada dos Filmes Brasileiros – 1929/1988”, de Salvyano Cavalcanti de Paiva)

odete lara e norma em noite vazia
LA BENGELL em DEZ FILMES

(1961)
MULHERES E MILHÕES
de Jorge Ileli
com Jece Valadão, Odete Lara, Glauce Rocha
Mário Benvenutti e Daniel Filho

(1962)
O PAGADOR DE PROMESSAS
de Anselmo Duarte
com Leonardo Villar, Glória Menezes, Geraldo d’el Rey
e Othon Bastos

(1962)
OS CAFAJESTES
de Ruy Guerra
com Jece Valadão, Daniel Filho, Glauce Rocha
e Hugo Carvana

(1962)
O MAFIOSO
de Alberto Lattuada
com Alberto Sordi

(1964)
NOITE VAZIA
de Walter Hugo Khouri
com Odete Lara, Mário Benvenutti e Gabriele Tinti

(1968)
EDU, CORAÇÃO DE OURO
de Domingos de Oliveira
com Paulo José, Leila Diniz, Joana Fomm
e Ziembinski

(1970)
OS DEUSES E OS MORTOS
de Ruy Guerra
com: Othon Bastos, Ítala Nandi e Nelson Xavier

(1971)
A CASA ASSASSINADA
de Paulo César Saraceni
com Carlos Kroeber e Tetê Medina

(1980)
MAR DE ROSAS
de Ana Carolina
com Otávio Augusto, Myrian Muniz e Hugo Carvana

(1981)
EROS, O DEUS DO AMOR
de Walter Hugo Khouri
com Dina Sfat, Renée de Vielmond, Lillian Lemmertz
Christiane Torloni e Selma Egrei

GALERIA de FOTOS